Preço é tema de direito

O Direito do Consumidor diante da divergência de preço. Essa é uma situação que aconteceu comigo e que acontece com muitos e muitos, por não saber, acabam se deixando levar pela conversa do gerente da loja. Mas o gerente estava errado e eu, educadamente disse que o direito do consumidor é levar pelo preço mais barato – diante de uma ... O programa Saber Direito apresenta, nesta semana, uma sequência de aulas sobre Direito Tributário. A professora Vivian Oliveira, mestre e doutora no tema, aborda o Imposto sobre a Renda com foco no preço de transferência que, segundo ela, é pouco doutrinado no Brasil e apresenta divergências na jurisprudência. Temas para Dissertação de Direito para estudantes. Dicas como fazer trabalhos acadêmicos e modelos de pedidos prontos. ... Deve ser feito uma dissertação filosófica cujo tema é O que é jurisdição. Debatendo 3 filósofos que tratam sobre este tema. ... Calculadora de Preço. 3. Lista Folha mostrando as melhores faculdades de direito segundo a OAB. Qual é o preço de faculdade de direito. Existe faculdades de diversos patamares de investimento. Como eu já falei no texto sobre pizza e o ensino superior, o preço de serviços como educação possui uma grande faixa de variação, mas saiba que você leva pelo que paga. A “Advocacia Trabalhista em tempos de Pandemia” é tema de live. Ensino. Assista à live sobre a constitucionalização no Direito de Família. Ensino. No Dia do Advogado o Balcão do Trabalhador da UPF reflete os desafios frente à pandemia da Covid-19. Ver todas as notícias Tema Geral (1) ... Preço até 5 euros 5 a 10 euros ... O prazo de processamento da encomenda é definido pela disponibilidade mais elevada dos produtos que compõem a encomenda, isto porque, o normal será que os produtos sigam juntos num só envio, no entanto, poderá solicitar o envio parcial da encomenda na Área Cliente. ... A proposta de pesquisa deve ser entregue até 28 de março e após vou precisar fazer o tc que é o trabalho cientifico sobre o tema para apresentar, pois hoje não é mais tcc e sim trabalho cientifico. fico no aguardo. Lei distrital que regulou preço cobrado por estacionamento. Inconstitucionalidade formal e material. 1. O Supremo Tribunal Federal firmou entendimento no sentido de que a regulação de preço de estacionamento é matéria de direito civil, inserindo-se na competência privativa da União para legislar (CF/88, art. 22, I). O preço da faculdade de Direito leva em consideração alguns custos importantes para que o aluno tenha acesso a um ensino de excelência. Esses diferenciais, por sua vez, devem ser analisados pelo estudante ao avaliar a mensalidade de Direito em Campo Grande. O primeiro deles, como visto, é o acesso a professores de renome, com didática ... 21/08/2020 às 19h12min - Atualizada em 22/08/2020 às 00h03min Direito Sistêmico é tema de workshop neste sábado, em plataforma online O evento será ministrado pelo Juiz Sami Storch, das 9h30 às 12h, na plataforma on-line Sympla

Armas x drogas ou armas e drogas (não ao mesmo tempo, claro)

2020.08.22 23:20 Tonny199 Armas x drogas ou armas e drogas (não ao mesmo tempo, claro)

Fala pessoal, tranquilos ?
Faz tempo que quero propor uma discussão aqui, sobre um posicionamento político e pessoal meu e gostaria de saber o que vcs acham disso.
Só queria pedir pra não reduzirmos o discurso à bolsominio x comunista.
Acompanhem meu raciocínio. Para algumas pessoas o primeiro filtro de análise sobre qualquer assunto é o religioso, para alguns é o ponto de vista ambiental, o militar, e assim por diante.
O meu ponto de vista é a liberdade. E o preço da liberdade é a responsabilidade.
E aqui vem o x da questão. Eu sou a favor da liberação das armas e a favor descriminalização das drogas. (Não sou a favor de usar os dois ao mesmo tempo, que fique claro)
Valores que, no cenário atual, são antagônicos.
Isso posto, quem é o Estado para apontar o dedo na nossa cara é dizer: a substância x você pode consumir, mas a substância y não. (Independente dos males inerentes a substâncias, pois o cigarro é extremamente cancerígeno, mesmo assim, é liberado, então sem falso moralismo)
E quanto as armas, existem certas diferenças, mas o sentido é o mesmo.
Eu quero poder comprar (de armamento) tudo o que eu posso operacontrolar e ser responsável por cada miligrama de pólvora que estiver sobe o minha responsabilidade.
Não existe tiro de bazuca esportivo, tampouco vou guardar nitrato de amônio em cada. Não estou falando isso.
Do meu ponto de vista, que é a liberdade, o processo pra aquisição de arma de fogo poderia ser equiparado a carteira de habilitação. (Podendo ser rigoroso, mas não burocrático.) o Brasil foca na burocracia como entraves à compra de arma, o que não reflete, necessariamente, em mais segurança.
Por mim pode ter meu Cpf em cada munição minha. Ou seja, minha liberdade de comprar armas e munições, estaria ligada a minha responsabilidade sobre elas. (Isso de cpf na munição não existe, foi só a título de exemplo. Existe uma maneira de rastrear munições mas é um método muito fraco.)
Pra mim, as armas deveriam exigir o curso (que atualmente não exige) com foco em segurança, prova teórica e prática. Além dos exames de vista, psicotécnico, laudo médico, bons antecedentes e renovação periódica. (Atualmente existem mas são bem fracos, deveriam ser mais rigorosos)
Na prática. As drogas só ficam proibidas para os pobres e filhinho de papai usa normalmente. E para se obter uma arma é uma burocracia desgraçada. Alguns respeitam/tem condição de comprar e outros não. Ou seja, não é bem uma escolha livre ter uma arma ou não.
Um outro exemplo que me veio é o casamento monogâmico. Quem é o Estado pra falar com quantas pessoas você pode viver? E se você vive um poliamor e quer de fato formalizá-lo? Penso que o único entrave é a questão moral de alguns políticos que simplesmente não concordam, por achar “promíscuo” ou sei lá o quê. (E especulo que muitos destes tenham amantes... enfim, a hipocrisia)
Pra finalizar, eu não quero me colocar como direita ou esquerda, acho que essa polarização já desgastou os conceitos originais e servem mais como desculpa pra dividir o povo, mantendo ocupado, desorganizado. Evitando uma união mais forte frente ao governo. Em guerra entre-si.
Acho que os governantes devem temer seu povo, e não o contrário
Nessa nova leitura que eu proponho, o direito as armas e as drogas postulariam paralelamente do mesmo lado contra o autoritarismo do Estado. (não sei se algum autor já abordou o tema dessa forma. Se conhecem deixem aí que vou adorar ler.) O que me dizem?
Grande abraço a todos.
submitted by Tonny199 to direito [link] [comments]


2020.08.21 23:44 Tonny199 Armas x drogas, ou armas e drogas? (Não ao mesmo tempo, é claro.)

Fala pessoal, tranquilos ?
Faz tempo que quero propor uma discussão aqui, sobre um posicionamento político e pessoal meu e gostaria de saber o que vcs acham disso.
Só queria pedir pra não reduzirmos o discurso à bolsominio x comunista.
Acompanhem meu raciocínio. Para algumas pessoas o primeiro filtro de análise sobre qualquer assunto é o religioso, para alguns é o ponto de vista ambiental, o militar, e assim por diante.
O meu ponto de vista é a liberdade. E o preço da liberdade é a responsabilidade.
E aqui vem o x da questão. Eu sou a favor da liberação das armas e a favor descriminalização das drogas. (Não sou a favor de usar os dois ao mesmo tempo, que fique claro)
Valores que, no cenário atual, são antagônicos.
Isso posto, quem é o Estado para apontar o dedo na nossa cara é dizer: a substância x você pode consumir, mas a substância y não. (Independente dos males inerentes a substâncias, pois o cigarro é extremamente cancerígeno, mesmo assim, é liberado, então sem falso moralismo)
E quanto as armas, existem certas diferenças, mas o sentido é o mesmo.
Eu quero poder comprar (de armamento) tudo o que eu posso operacontrolar e ser responsável por cada miligrama de pólvora que estiver sobe o minha responsabilidade.
Não existe tiro de bazuca esportivo, tampouco vou guardar nitrato de amônio em cada. Não estou falando isso.
Do meu ponto de vista, que é a liberdade, o processo pra aquisição de arma de fogo poderia ser equiparado a carteira de habilitação. (Podendo ser rigoroso, mas não burocrático.) o Brasil foca na burocracia como entraves à compra de arma, o que não reflete, necessariamente, em mais segurança.
Por mim pode ter meu Cpf em cada munição minha. Ou seja, minha liberdade de comprar armas e munições, estaria ligada a minha responsabilidade sobre elas. (Isso de cpf na munição não existe, foi só a título de exemplo. Existe uma maneira de rastrear munições mas é um método muito fraco.)
Pra mim, as armas deveriam exigir o curso (que atualmente não exige) com foco em segurança, prova teórica e prática. Além dos exames de vista, psicotécnico, laudo médico, bons antecedentes e renovação periódica. (Atualmente existem mas são bem fracos, deveriam ser mais rigorosos)
Na prática. As drogas só ficam proibidas para os pobres e filhinho de papai usa normalmente. E para se obter uma arma é uma burocracia desgraçada. Alguns respeitam/tem condição de comprar e outros não. Ou seja, não é bem uma escolha livre ter uma arma ou não.
Um outro exemplo que me veio é o casamento monogâmico. Quem é o Estado pra falar com quantas pessoas você pode viver? E se você vive um poliamor e quer de fato formalizá-lo? Penso que o único entrave é a questão moral de alguns políticos que simplesmente não concordam, por achar “promíscuo” ou sei lá o quê. (E especulo que muitos destes tenham amantes... enfim, a hipocrisia)
Pra finalizar, eu não quero me colocar como direita ou esquerda, acho que essa polarização já desgastou os conceitos originais e servem mais como desculpa pra dividir o povo, mantendo ocupado, desorganizado. Evitando uma união mais forte frente ao governo. Em guerra entre-si.
Acho que os governantes devem temer seu povo, e não o contrário
Nessa nova leitura que eu proponho, o direito as armas e as drogas postulariam paralelamente do mesmo lado contra o autoritarismo do Estado. (não sei se algum autor já abordou o tema dessa forma. Se conhecem deixem aí que vou adorar ler.) O que me dizem?
Grande abraço a todos.
submitted by Tonny199 to brasil [link] [comments]


2020.08.18 20:09 Kapa51 ROMERO BRITO, VALOR ARTÍSTICO E ICONOCLASTIA.

Eu não gosto do Romero Brito, pessoa e artista não me agradam, sua arte e personalidade estando novamente em pauta me fazem ter a vontade de bradar a máxima "nunca fui fã" e vendo o acontecimento que trouxe seu nome de volta aos círculos de discussão popular, sinto-me na obrigação como artista de ponderar sobre algumas questões que envolvem tal episódio.
Somente tendo como base minha opinião de editor audiovisual, área bem diferente das artes plásticas, digo com a convicção de um ignorante que: Romero Brito não é um "bom" artista, suas composições raramente assertivas são em horas apenas reproduções sem conceito de obras mais famosas, a mediocridade Kitsch em sua mais insossa forma; outras, apenas a aplicação da mesma falta de categoria em objetos quaisquer. Não vem nem ao caso o argumento de que seu estilo seja pobre, pois não é, o pop-art que ele bebe não é um estilo pobre, tão pouco pode ser discutido a "simplicidade" de sua técnica, pois é na mesma "simplicidade" é onde grandes artistas triunfaram. alias, não há simplicidade na arte, mas por falta de melhores termos acabo com esse.
Talvez a mais agressiva falha de suas obras seja a falta de emoção que elas trazem, são objetos que não chamam à reflexão, não pedem atenção ou paixão. Isso, para mim, é a maior critica que posso oferecer, pois a beleza das obras é algo muito mais subjetivo, para muitos são imagens divertidas por suas cores e subversão de temas, para outros como eu são saturações agressivas aos olhos, uma aleatoriedade de formas violentas que não se comunicam. Há quem goste, há quem compre e há quem super valorize tais objetos.
Mas notem uma seguinte curiosidade de meu texto quando me referi a Romero Brito, eu escrevi que ele não é um "bom" artista, e as aspas são muito importantes nesse caso por um motivo simples, a arte como arte, não pode ser qualificada, ela pode agradar ou desagradar, ambos são validos, ela pode ser bonita, feia, complexa, simples, concreta, abstrata. Eu e mais ninguém pode desrespeitar arte, dizer que ela não é "boa o suficiente", dizer que ela fere a "própria arte". Isso é um comportamento cabível a mesma prole que defende que arte deve seguir normas para "enriquecer" a sociedade; de maneira objetiva, dizer que arte deve ser destruída ou censurada por conta de seu "valor" é coisa de nazista.
Romero Brito deve ser reconhecido como artista, pois ele é; um artista medíocre? Talvez, mas um artista que tem o direito inalienável de expor sua arte e tela consumida por aqueles que a atribuem valor monetário. Destruir a arte dele porque ele é "ruim" é papo de quem não entende o que é arte.
Então? Estaria Madeleine, a dona do restaurante errada em destruir a peça dele diante de seu autor? Não.
Ai você pode pensar: "mas que paradoxal, todo esse argumento sobre o valor artístico pra defender a destruição de uma obra de arte?" ou "hipócrita do caralho", ambos os pensamentos terão seu valor, um me ofendera mais, mas espero que o que escreverei a seguir traga um melhor entendimento.
Primeiro, a obra era posse da dona do restaurante, isso dá o direito de destrui-la? Não, se eu comprasse a Mona Lisa e queimasse-a, ninguém iria me defender e nem deveriam.
Segundo, ela destruiu a obra em reação ao triste comportamento do autor em seu restaurante, isso da o direito de destrui-la? Não, eu poderia odiar Da Vinci, ninguém iria me defender e nem deveriam.
Então como podemos justificar de maneira positiva a ação daquela moça? Bom...
Ao arremessar a obra no chão e faze-lo diante do autor, Madeleine realizou talvez a maior obra de arte dos últimos tempos, ela provocou emoções que Romero apenas sonha em provocar, ela em seu ato iconoclasta declarou de maneira energética que "arte, em seu valor impossível e o artista, em seu direito pleno de faze-la são ambos infinitamente menores do que o respeito entre seres humanos".
Romero Brito não olhou para sua obra estilhaçada por mais de um simples segundo, seu olhar após perceber a destruição voltou para Madeleine e ali ficou, fixo e não reativo, naquele momento uma mensagem estava sendo entregue, sua arte, sua auto indulgencia e sua pose de grande autor definharam sob a voz daquela mulher. "Nunca desrespeite os meus funcionários" ou, em minha leitura, "tua arte e fama jamais serão mais importantes do que o respeito aos outros".
Por isso iconoclastia, por isso arte, por isso a importância do acontecimento. Que não deveria ser reproduzido nem aplaudido, mas respeitado como a mais bela obra de arte que já saiu, literalmente, das mãos de Romero Brito.
A arte não possui valor, por mais que botemos preço. A arte possui valor infinito, por mais que possamos desgosta-la. Mas, independente de sua importância, independente de que possamos considerar uma obra melhor que a outra, em momento algum e sob circunstância nenhuma a arte pode ser maior do que o ser humano, artista ou não artista.
E... Talvez... Você diga: "mas cometer uma violência contra a arte é também falta de respeito com o artista".
Sim, eu poderia concordar, mas acho que um artista que se orgulha em ter suas obras estampadas em toalhas de praias enquanto as vende por milhares de dólares não possui mais respeito por sua própria arte do que o misero segundo para vislumbrar seu fim antes de voltar sua atenção a verdadeira destruição que importava a ele... A de seu ego.
_________________
Com amor, Kapa51
submitted by Kapa51 to brasil [link] [comments]


2020.08.04 22:42 Mr_Libertarian Meia entrada, inteira estupidez, nenhuma vergonha

Por: Paulo Kogos
A legislação concernente ao “direito à meia-entrada” engloba uma quantidade desanimadora de projetos de lei, de medidas provisórias e de decretos-lei — um verdadeiro emaranhado jurídico. Trata de temas como emissão de carteiras estudantis, qualificação jurídica de estudante, definição dos tipos de estabelecimento e eventos que serão enquadrados. É a prova de que o estado, ao interferir nas trocas voluntárias das pessoas, gera erros que antes não existiam. Potencializa falhas que os legisladores insistem em remendar com leis adicionais, as quais geram novas falhas, sendo que bastava apenas revogar as anteriores. Defendo aqui a revogação da lei da meia-entrada.
Deparei-me com diversos sites de movimentos estudantis, e nele estão resumidos os sentimentos bárbaros que permeiam a mentalidade daqueles que aprovam essa determinação.
O primeiro argumento é o de que a meia-entrada é lei, como se algumas das maiores atrocidades da História não houvessem sido cometidas em nome das leis impostas pelos estados. Elas violam os direitos naturais dos indivíduos. Trata-se de legislação criminosa. É impossível concluir que há o dever de cumpri-la por meio de um argumento legal positivista. Ao contrário: há um dever moral de descumpri-la. Conforme lembra Thomas Jefferson, quando a injustiça se torna lei, a resistência se torna um dever. Uma solução bonita já praticada em alguns eventos é estender a meia-entrada a todos, afinal não há legislação que impeça isso. Basta dizer que o preço base é o dobro do preço praticado e não há nada que os legisladores possam fazer a respeito.
Outro bordão repetido constantemente é: “meia-entrada: um direito do estudante brasileiro”. Falácia. O estudante não possui direito à meia-entrada. Aliás, ele sequer possui o direito de entrar em um cinema ou teatro. Uma casa de espetáculos é propriedade privada do seu dono, assim como uma residência, plantação ou consultório médico. O uso econômico que o proprietário faz de seu imóvel não altera sua natureza privada e ele deve poder decidir quem nele entra. Ninguém tem o direito de entrar na residência de uma pessoa, e o mesmo vale para um cinema.
É possível, contudo, que o proprietário de um estabelecimento, ao buscar o lucro, firme um contrato com um indivíduo, permitindo que ele adentre o local mediante um pagamento. O dono do local tem o direito de exigir a quantia que quiser, e o consumidor decide se aceita ou não a oferta. O preço justo é aquele que resulta de um acordo voluntário entre as partes. Obrigar o empreendedor a adotar uma determinada política de preços é um ato de agressão. É uma violação do seu direito à propriedade privada, um direito negativo que impõe aos agentes externos a obrigatoriedade de não violá-lo. Direitos positivos tais como “direito à meia-entrada” impõe a terceiros uma obrigação de supri-los, conflitando com o direito negativo à propriedade. A lei deve proteger os direitos negativos apenas. Conforme nos explica Frédéric Bastiát em A Lei, um uso alternativo da legislação terá efeitos indesejáveis:
Quando a lei e a força mantém um homem dentro dos limites da justiça, elas o impõe nada mais que uma mera negação. Apenas o obrigam a se abster de causar dano. (…) Mas quando a lei, por intermédio de seu agente necessário – a força – impõe uma forma de trabalho, um método ou matéria de ensino, uma crença, uma adoração, ela não é mais negativa, ela age positivamente sobre os homens (…) Eles não mais terão necessidade de consultar, comparar ou prever; a lei faz tudo por eles. O intelecto se torna um fardo inútil; eles deixam de ser homens; eles perdem sua personalidade, sua liberdade, sua propriedade.
Há um órgão chamado Delegacia da Meia-Entrada, da UJE (União dos Jovens e Estudantes), cuja função é incitar estudantes a denunciar os estabelecimentos culturais e esportivos que não se adequarem à legislação da meia- entrada. Uma sirene de polícia serve como vinheta para o vídeo institucional do órgão. O empreendedor é visto como um inimigo em potencial, senão como um criminoso, sendo que tudo o que ele faz é sacrificar seu tempo e arriscar seu capital para fornecer serviços de entretenimento e cultura ao consumidor, visando o lucro. No auge da opressão socialista na Alemanha Oriental, um em cada seis adultos era informante do governo. A atitude dos movimentos estudantis lembra a dos informantes da Stasi, a polícia secreta da República Democrática Alemã.
Thomas Sowell certa vez disse que “A primeira lei da economia é a escassez. A primeira lei da política é ignorar a primeira lei da economia”.
A constatação de Sowell é clara no que diz respeito à Lei da Meia Entrada. Cinemas, teatros e shows são escassos. Qualquer intervenção estatal nos preços do setor gerará distorções que prejudicarão produtores e consumidores dos serviços de entretenimento.
Podemos deduzir da praxeologia que as empresas de cinema, teatros e shows estão lucrando menos do que lucrariam na ausência da lei, pois do contrário seus gestores aplicariam suas determinações voluntariamente. Empresários buscam maximizar o lucro de suas empresas. Menor lucratividade em um setor da economia implica necessariamente menor reinvestimento, menor atratividade para potenciais concorrentes e menores salários.
Menor reinvestimento acarreta redução na implantação de novas tecnologias e de métodos gerenciais que aumentariam a qualidade dos serviços prestados ou que reduziriam custos devido ao aumento na eficiência das operações. A menor atratividade reduz a concorrência, que é justamente a força que pressiona as organizações a inovar, abaixar seus preços e melhorar seus serviços. Pequenos empreendedores ficarão de fora do mercado. Hoje algumas poucas empresas controlam a quase totalidade dos cinemas. Salas baratas em bairros de periferia ou cidades do interior enfrentam dificuldades de se manter, sendo que muitas fecharam as portas. Antes desta legislação não só havia salas de cinema mais acessíveis como também era comum que pessoas de baixa renda fossem às mesmas salas frequentadas por pessoas de alta renda. Hoje, o Brasil, único país com lei de meia-entrada, apresenta os ingressos mais caros do mundo. Uma ida ao teatro, por exemplo, requer certo grau de planejamento financeiro.
Os menores salários pagos aos empregados do setor, um efeito que a esquerda estudantil se recusa a comentar, afetam todos os salários da economia. Os assalariados de outra indústria poderiam querer migrar para o ramo de eventos se a remuneração fosse maior, o que forçaria os empregadores a aumentar os salários daquela indústria se quisessem reter a mão-de-obra.
A lei da meia-entrada nada mais é que uma discriminação de preços imposta pelo estado. Essa prática já é adotada voluntariamente por empreendedores em diversos mercados. Casas noturnas costumam cobrar um ingresso menor de mulheres. Uma maior proporção de mulheres aumenta a atratividade da balada e o dono do local aufere maiores lucros ao discriminar preços por gênero. O mesmo acontece com as promoções do tipo “leve 3, pague 2”. Aqui a discriminação é relativa à quantidade comprada. O comerciante percebe uma elevada elasticidade na demanda de parte da sua clientela e lucra com esse tipo de oferta. Alguns estabelecimentos americanos oferecem descontos para veteranos de guerra. O motivo pode ser um apelo de marketing ou o patriotismo do empresário, mas o fato relevante para a economia é que, sendo uma decisão voluntária, é ela que maximiza a utilidade dos agentes envolvidos na troca.
Cabe ao empreendedor decidir se adotará uma estratégia de discriminação de preços, qual será ela, qual será o público-alvo e como ela será implantada. Em um mercado desregulamentado de cinemas, por exemplo, poderia haver cinemas especializados no público infantil, que exibiriam animações e ofereceriam descontos às babás. Outros seriam voltados para pessoas idosas e teriam maior facilidade de acesso. Haveria promoções de dia dos namorados, com filmes românticos o dia inteiro e desconto para os homens. Poderíamos nos deparar com salas especializadas em filmes cult ou mesmo em documentários. Estas seriam as principais candidatas a ter parcerias com escolas e universidades, oferecendo descontos aos estudantes de forma voluntária (e com uma genuína razão de existir).
O modus operandi estatal, porém, engloba todos os indivíduos com uma regulação que mina a iniciativa, a flexibilidade e a imaginação empreendedora. A precisão do cálculo econômico do empreendedor, sua propensão a assumir riscos e a necessidade de inovar são prejudicados, dificultando a existência desses arranjos.
Quando o estado força uma política de discriminação de preços, ele está se apoderando do papel do empresário, mas sem o seu incentivo de alocar recursos eficientemente para auferir lucros, e sem o conhecimento específico do mercado onde ele atua. O burocrata é um ignorante de todos os mercados. A lei da meia-entrada é um ato de planificação econômica que necessariamente terá um efeito predatório sobre a economia.
Engana-se o estudante que acredita estar obtendo alguma vantagem com a meia-entrada. A legislação não pode alterar os custos do produtor. Se o governo obrigá-lo a cobrar meio ingresso de uma pessoa, ele aumentará o preço base do ingresso para minimizar a perda de receita. Todos os outros pagantes arcarão com o custo. No Brasil, quase a totalidade dos ingressos vendidos em cinemas, teatros e shows são meias-entradas, que por isso custam praticamente o dobro do que poderiam custar imediatamente após a revogação dessa lei. O mercado ainda absorveria efeitos benéficos adicionais advindos da desregulamentação, que reduziriam ainda mais os preços.
A Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei que limita a meia-entrada a 40% dos ingressos vendidos. Segundo os autores do projeto, a imprevisibilidade da demanda por meias-entradas é assim mitigada, permitindo que o empresário reduza os preços da admissão. Embora este argumento seja verdadeiro, o projeto de lei não resolve o problema. A agressão continua existindo, juntamente com todos os efeitos encarecedores do ingresso gerados pela menor lucratividade do setor e pelo ajuste do preço para mitigar a perda de receita.
Haverá ainda outra consequência nefasta. As pessoas correrão para comprar os ingressos com antecedência antes que a cota de 40% acabe. É provável que haja um esgotamento mais rápido de todos os ingressos, o que exigirá do consumidor um maior gasto com informação e planejamento. A corrida também poderá induzir um aumento dos preços, bem como a maior presença de cambistas.
Uma pessoa racional deve enxergar a hipocrisia por trás desta legislação, que diz proteger o idoso e o estudante, mas faz exatamente o contrário. Esta segregação das pessoas em categorias é uma mera abstração, que serve apenas à estratégia do estado de dividir para conquistar. Na prática, todos arcam com os custos do intervencionismo, mais cedo ou mais tarde. Um estudante não será estudante para sempre. Durante a maior parte da sua vida ele não o será, sendo obrigado a pagar um ingresso maior que o de um mercado desimpedido, seja o preço maior inteiro para si próprio ou a metade de um preço maior para os seus filhos.
O idoso pagará metade de um preço maior utilizando a poupança que acumulou ao longo da vida. Esta poupança é menor do que seria sem a lei da meia-entrada, pois ele passará a maior parte da vida pagando o preço maior inteiro. Aritmeticamente a legislação não faz o menor sentido.
Por derradeiro, refuto a ideia de que a lei da meia-entrada incentiva à educação. Tal afirmação é autocontraditória. Consideremos que a sólida ciência econômica e o forte senso de ética e moral fazem parte de um bom processo educativo. Uma legislação baseada em falácias econômicas e que incita à aquisição de vantagens gratuitas mediante agressão é, logicamente, antieducativa.
Mas nem todos saem perdendo. As organizações emissoras da carteirinha de estudante, que terão seu oligopólio assegurado pelo novo projeto de lei, ganharão muito dinheiro. Os políticos e burocratas também se beneficiam com os votos do curral eleitoral estudantil. É este o único objetivo dos legisladores. Se a intenção fosse nobre, bastaria reduzir os impostos, que são responsáveis por quase metade do preço dos ingressos. Os defensores de uma lei de meia-entrada, com ou sem cotas, estão apoiando estes interesses impudicos e indo contra os interesses legítimos dos indivíduos honestos.
submitted by Mr_Libertarian to Libertarianismo [link] [comments]


2020.07.23 10:38 diplohora Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte III – A PREPARAÇÃO INTRODUÇÃO pt 11 a 4ta fase do CACD e recursos

QUARTA FASE
Em 2011, as duas provas da quarta fase foram aplicadas simultaneamente: questões de 1 a 10 de Espanhol (com dois textos para interpretação) e questões de 11 a 20 de Francês (também com dois textos para interpretação, o que difere da tendência de apenas um texto dos concursos anteriores). Para cada matéria, são cinco questões sobre cada texto, cada questão com valor máximo de 5 pontos. Não há previsão em edital com relação à divisão das pontuações dessas provas, mas, no concurso de 2011, a pontuação foi assim dividida:
- Espanhol: foram quatro critérios de correção com valor de 1,25 pontos cada: CG (Correção Gramatical), CT (Compreensão Textual), OI (Organização de Ideias) e CL (Qualidade da Linguagem).
- Francês: foram três critérios de correção: R (Resposta – adequação do conteúdo da resposta à pergunta, no caso de pergunta interpretativa, ou pertinência da argumentação apresentada nas questões de opinião), G (Gramática – ortografia, verbos, concordância, regência, acento etc.) e S (Estilo – qualidade da redação e da estrutura das frases da resposta do candidato). R vale, em geral, 2 pontos (nas questões interpretativas) e 1 ponto (nas questões de opinião). G vale, sempre, 2 pontos (penalização: -0,25 pontos para erro grave, -0,1 pontos para acento errado ou faltando e -0,5 pontos para palavra inventada). S vale, em geral, 1 ponto (nas questões interpretativas) e 2 pontos (nas questões de opinião). Na prova de 2011, a terceira e a oitava perguntas não tiveram nota S, apenas R (3 pontos) e G (2 pontos), sem motivo explícito para isso.
Muitos preferem escrever apenas as três linhas (que são o mínimo exigido), para evitar o risco de errar. Acho que os pontos que você pode perder por erros em uma linha não compensam os que você pode deixar de ganhar em uma resposta mais completa. No mais, acho que a única recomendação (bem óbvia) é evitar, ao máximo, repetir as palavras do texto. Paráfrase é, sempre, a melhor opção (às vezes, o próprio texto apresenta, em outras partes, sinônimos para uma palavra ou expressão). Cópias do texto podem ser penalizadas.
INTERPOSIÇÃO DE RECURSOS
Assim que é liberado o gabarito provisório da primeira fase, os candidatos têm cerca de 48h para a interposição de recursos ao gabarito. Os recursos devem ser apresentados de maneira sucinta e objetiva, em até mil caracteres para cada recurso, sem possibilidade de uso de aspas para citações (informações de 2011). Não tenho outra recomendação específica sobre esses recursos, apenas uma informação acerca de uma dúvida comum: os recursos da prova de Inglês (assim como os recursos à correção das provas de Inglês da terceira fase e de Espanhol e de Francês da quarta fase) devem ser escritos em Português.
A correção da segunda fase é dividida, como visto acima, em Gramática e Texto. Como eu havia sido aprovado com boa nota na segunda fase, os professores de Redação aconselharam-me a nem entrar com recurso à nota de texto, ainda que certa nota da parte de texto da redação estivesse, segundo a professora do cursinho, um pouco incoerente em face das notas nos demais quesitos. De todo modo, acabei arrependendo-me um pouco de não haver pleiteado recurso quando vi que um conhecido que também havia ficado muito bem colocado conseguiu mais de um ponto de texto. Faça o que eu digo, não o que faço, e entre com recurso contra tudo o que você achar possível (isso vale para todas as fases do concurso, na verdade). No concurso de 2011, a maior concessão de pontos por recurso à correção da prova de Redação foi de quase cinco pontos, a maior que já vi, o que pode fazer enorme diferença na pontuação final para a aprovação (muitos candidatos não passam por poucos pontos ou décimos). De maneira geral, acho que a média dos candidatos que conseguem alguma coisa é de cerca de 1 a 2 pontos adicionais. Dado o princípio jurídico da proibição da “reformatio in pejus”, o examinador n~o poder reduzir sua nota, se você entrar com recurso; poderá apenas mantê-la ou aumentá-la.
O grande problema para a interposição de recursos na terceira fase é que, à exceção da prova de Inglês, não há nenhuma marcação ou comentário em seu espelho de provas, apenas a nota. Assim, para fazer o recurso, você deve argumentar que a nota obtida não está consistente com a argumentação apresentada, não vejo outro jeito. Acho que, se eles dificultaram nossa vida com isso, temos o direito e o dever de dificultar a vida deles também, solicitando revisão da correção de praticamente todas as questões da terceira fase, de todas as matérias. É óbvio que muitos recursos lhe serão negados, mas só consegue quem tenta. Como você não perde nada por tentar, recomendo que tente tudo o que puder. Fiz recurso para quase todas as questões em que tirei menos de 80% (nas demais, acho que seria pouco provável que me dessem mesmo, então nem tentei). No fim das contas, de 15 recursos, acataram 3, e ganhei 7 pontos a mais (mas um ponto não foi computado por erro do Cespe; como não me fez falta, não tomei maiores providências a respeito). Na terceira fase de 2011, cerca de metade dos candidatos conseguiu aumentar sua pontuação com os recursos. Mais da metade dos que tiveram algum sucesso no pleito ganhou 3 ou menos pontos, e a média de concessão foi de 3,8 pontos. O candidato que ganhou mais aumentou em 13,5 pontos sua nota. Com isso, pode-se ter uma ideia aproximada do que pode mudar com os recursos.
A seguir, algumas indicações e recomendações para os recursos na terceira fase.
Além de não haver nenhuma marcação ou comentário nas provas (exceto na de Inglês), o espaço disponível para recurso é de apenas mil caracteres por questão. O recurso deve, portanto, ser escrito de maneira objetiva e clara. Não adianta nada usar expressões prolixas e vocabulário rebuscado, seja simples e direto. Acho que n~o é um tom muito agradvel dizer algo como “a resposta apresentada cobre, integralmente, todos os pontos abordados pela quest~o” ou coisa parecida. Não tenho experiência com isso, afinal não sou professor e só precisei fazer esses recursos uma vez na vida, mas acho que, se o examinador tirou alguns pontos de sua resposta, é muito pouco provável que ele vá te dar todos os pontos de volta (exceto em questões mais pontuais, como erros de Inglês que são corrigidos ou eventuais contas de Economia corrigidas de maneira errada). Uma vez que você aceita o fato de que é quase impossível que o examinador te restitua todos os pontos que descontou de você, fica mais fcil n~o ser t~o “agressivo”. Acho que um tom bom pode ser algo do tipo: “o candidato reconhece que n~o abordou, integralmente, todos os pontos suscitados pela questão, mas solicita revis~o, por acreditar que a apenaç~o foi excessiva”. Depois disso, é necessário argumentar o motivo pelo qual sua resposta mereceria mais pontos.
Como já disse acima, você tem até mil caracteres para o recurso de cada questão. Nas questões de Inglês, por exemplo, tome cuidado, pois, se você quiser contestar a correção de vários erros de uma mesma questão (da redação, por exemplo), deverá fazê-lo tudo junto, nos mil caracteres. Economizar palavras é, portanto, essencial.
A argumentação deve levantar os principais aspectos tratados em sua resposta que dão conta da proposição sugerida pelo enunciado. Se você não cumpriu parte do que o enunciado pedia, errou conceitos, fatos e dados ou não abordou integralmente algum aspecto, acho desnecessário dizer que não é recomendável citar isso na resposta. Cite apenas os aspectos positivos, aquilo que você apresentou e que responde, satisfatoriamente, ao tópico central da questão. Se o examinador quiser ter o trabalho de ler sua questão de novo, para identificar o que ficou faltando, o trabalho será dele, mas não dê munições para que ele possa, sumariamente, recusar seu recurso.
A argumentaç~o deve ser, preferencialmente, do tipo: “foram abordados os seguintes pontos da resposta: xxxx (linhas 3-5), yyyy (linhas 8-10) e zzzz (linhas 15-25). Além disso, o candidato ainda apresentou discussão acerca da temática kkkk (linhas 30-37), relacionando-a aos pontos anteriormente descritos (linhas 40-50)”. É óbvio que essa n~o é uma fórmula mgica, deve ser adaptada a cada circunstância particular, mas acho importante demonstrar quais são seus argumentos fortes e onde eles estão no texto, para o caso de o examinador querer ler sua resposta novamente. Para ganhar espaço, ao invés de escrever “(linhas 3-5)”, prefira “(l. 3-5)”. Só parafrasear a resposta também não é suficiente. É necessário tentar, na medida do possível, argumentar um pouco sobre os motivos pelos quais aquela resposta deveria ter maior pontuação. A seguir, transcrevo o recurso de minha questão de Geografia que teve a nota majorada em cinco pontos. A questão tratava da navegação de cabotagem no Brasil, e, em minha resposta, fiz algumas referências a hidrovias. Segundo o professor do cursinho de terceira fase, muita gente foi penalizada (até mesmo com a nota zero), por tratar apenas de hidrovias. Como, em meu caso, eu havia tratado não só das hidrovias, mas também da navegação de cabotagem propriamente dita, procurei ressaltar, no recurso, que a menção às hidrovias não está fora de contexto:
Estou ciente de que nem todos os aspectos importantes do tema foram discutidos na resposta, mas, como há diversos elementos de conteúdo relativos à temática, como indicado a seguir, solicito revisão da pontuação atribuída. As hidrovias podem ser consideradas cabotagem quando conectadas a portos marítimos, o que valida a análise apresentada. Entre os aspectos favoráveis à cabotagem no Brasil, destacam-se tópicos como a eficiência energética, menores preços (linhas 38-44) e a alternativa do transporte aquaviário em face das rugosidades dos meios rodoviários, historicamente priorizados no país (linhas 20-29). Por outro lado, como desafios, há a histórica opção rodoviária (linhas 20-29 e 45-47) e a escassez de investimentos de grande porte na infraestrutura portuária (47-49). Nos últimos anos, investimentos no setor têm contribuído para parcial superação de tais dificuldades, ainda que diversos obstáculos ainda persistam à plena expansão do modal aquaviário no país (49-54).
A banca terá de ler dezenas e dezenas de recursos, o que faz necessário tornar o trabalho do examinador mais fácil e menos desagradável. Não se esqueça, portanto, de indicar as linhas em que as respostas indicadas por você podem ser encontradas (não adianta tentar inferir algo e dizer que “est implícito” também; lembre-se de que a banca pode recusar seu recurso sumariamente, sem explicações muito convincentes, então evite motivos para irritar o examinador). Além disso, não acho aconselhável indicar quantos pontos você acha que devem ser majorados ou quantos pontos você precisa para a aprovação, para tentar convencer a banca emocionalmente. Se tem uma coisa que a banca não tem é coração, e esse tipo de informação pode implicar recusa imediata do recurso, com o argumento de que houve identificação do candidato.
Ao fim da resposta, caso ainda haja espaço, você pode indicar algo do tipo: “Por acreditar, portanto, que os pontos acima apresentados foram corretamente discutidos na resposta, solicito, respeitosamente, majoraç~o da nota” ou algo do tipo. Além disso, se você houver tirado menos da metade da pontuação da questão, pode, ainda, alegar que solicita a alteração para maior da pontuação, já que as principais temáticas suscitadas pela questão foram apresentadas, o que não justificaria o fato de a nota atribuída ser menor do que a metade da pontuação máxima da questão. Obviamente, mais uma vez, seja, sempre, cordial.
Quanto ao fato de o recurso ser feito em primeira ou em terceira pessoa, não há diferença, use o que achar melhor (pode, também, alternar). Com relação a alternar o tipo de recurso, vale, também, lembrar que não é recomendável usar a mesma introdução em todos os recursos de uma mesma matéria. Às vezes, o mesmo corretor faz a correção de mais de uma questão de uma disciplina, razão pela qual dois recursos com início idêntico, por exemplo, podem irritar o examinador e implicar recusa dos recursos. Não acho que seja obrigatório citar bibliografia no recurso, a menos que seja para pontos mais específicos. Fazer muitas referências bibliográficas pode parecer que você está tentando ensinar o examinador, o que pode não soar muito bem (embora isso pareça, muitas vezes, bastante necessário).
Os recursos são interpostos por meio de uma plataforma online disponibilizada na página do concurso, no site do Cespe. Você não precisa fazer os recursos todos de uma vez. Pode fazer um, salvá-lo e voltar depois, que os recursos já feitos estarão disponíveis (você poderá, inclusive, editá- los posteriormente, dentro do prazo de elaboração de recursos). Com a divulgação do resultado final da terceira fase, o Cespe também libera as respostas dos examinadores aos recursos pleiteados. Leia todas com atenção para o seguinte: confira, de acordo com as questões em que o examinador disse que iria deferir seu pedido, se sua nota naquela matéria foi, de fato, majorada. Nas respostas a meus recursos de Inglês, os examinadores indicaram que iriam me restituir 2 pontos, mas reparei que minha nota total na prova havia subido apenas 1. Entrei em contato com o Cespe, e fui instruído a solicitar recontagem de pontos pelo SAC, via email (apenas enviei o email solicitando a recontagem, constando, em anexo, cópia do CPF e da identidade). Depois de três dias, responderam que não havia nenhum problema de contagem de pontos, e tornei a entrar em contato, reclamando da contagem errada. No fim das contas, o ponto que me faltou não fez diferença para o resultado final, mas fiquem cientes de que, se isso acontecer com vocês, é recomendável entrar com recurso judicial.
Para a quarta fase, é mais tranquilo fazer os recursos, pois há, teoricamente, indicação clara dos erros e das notas parciais em cada quesito. Caso haja alguma discordância, você pode recorrer facilmente. O problema, na prova de 2011, é que as marcações da maioria das questões de Espanhol estavam ilegíveis. Por isso, não havia como fazer recursos pontuais. O recomendado foi que fizéssemos recursos mais gerais, solicitando revisão das correções atribuídas e recontagem dos pontos. Apesar disso, salvo engano, acho que não houve nenhuma modificação nas pontuações dos candidatos aprovados (os mesmos 26 primeiros colocados após o resultado provisório da quarta fase continuaram em suas posições e foram aprovados).
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.23 10:36 diplohora Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte III – A PREPARAÇÃO INTRODUÇÃO pt 10 a 3ra fase do CACD

Em primeiro lugar, lembro uma coisa muito simples: terceira fase não é segunda fase. Você não precisa se preocupar com propriedade vocabular, vírgulas antes de orações subordinadas reduzidas de infinitivo e coisas do tipo. É óbvio que não vale escrever completamente errado também, mas o que eu quero dizer é que a banca da terceira fase nem sabe das exigências da segunda fase direito, então não precisa se preocupar tanto com aspectos formais da escrita. Obviamente, a necessidade de ter uma tese central e alguns argumentos que a comprovem de maneira coerente permanece, mas isso não é novidade para ninguém. A importância do aspecto formal da terceira fase não está nas palavras e nos termos de uma oração, mas na sequência lógica de argumentos.
Algo bastante importante nas provas de terceira fase é destacar um argumento central, uma tese que responda à questão e que lhe permita apresentar exemplos/construções teóricas e desenvolver argumentos que a comprovem. Nessa situaç~o, vale a velha “fórmula” de dissertaç~o: introdução (com a tese central), argumentação (com uma ideia central por parágrafo, com argumentos que comprovem sua tese central) e conclusão (com retomada da tese e com articulação dos argumentos apresentados). Não há um número ideal de parágrafos, vale o bom senso (evitar parágrafos com apenas uma frase ou excessivamente grandes, mas não é necessário que tenham quase o mesmo tamanho, por exemplo, como ocorre na segunda fase).
Evite juízos de valor muito expressivos. Obviamente, tudo o que você escreve contém um pouco de subjetividade, mas evite adjetivações excessivas e algumas construções, como “é importante ressaltar que…”, “vale lembrar que...” ou “fato que merece destaque é…”.
Evite listagens longas e/ou imprecisas. Por exemplo: se você não se lembra de todos os países que fazem parte de determinado grupo, ou se eles são muitos, evite citações de todos os países (na verdade, não sei por qual motivo alguém iria querer citar os membros de um grupo assim, mas vai que precisa de algumas linhas de “enrolaç~o”, não é?). Ex.: “A UNASUL é composta por Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela”.
Preferir: “A UNASUL é composta pelos doze países latino-americanos (à exceção da Guiana Francesa)” ou “A UNASUL é composta pelo agrupamento dos membros do MERCOSUL e da CAN, acrescidos do Chile, do Suriname e da Guiana”. Quanto a imprecisões, evitar, por exemplo: “A UNASUL é composta por Brasil, Argentina, Venezuela, entre outros”. Se você n~o se lembra de todos ou se o número de países é relativamente grande para citar todos, opte ou pelas alternativas anteriormente apresentadas ou, pelo menos, por algo como “Na UNASUL, destacam-se o Brasil – por sua dimensão territorial, por sua população e por seu peso político-econômico –, a Argentina – importante mercado emergente, com forte setor agrícola voltado à exportação e com indústria diversificada – e a Venezuela – detentora de recursos naturais estratégicos e grande exportadora de petróleo”.
Evite, também, citações e menções excessivas. Elas não devem constituir a base de sua resposta. Excesso de citação de eventos pode ser um problema. Obviamente, citar datas, conceitos e períodos é fundamental, mas o problema começa quando essas referências ocupam frases inteiras, sem argumentação e sem sequência lógica de relações. Veja os Guias de Estudos antigos, para ter uma noção do tipo de resposta preferido pela banca. O importante é não exagerar, para o texto não ficar carregado de informações que, ainda que úteis, não sustentam a tese que responde à questão de maneira consistente. Para conceitos menos conhecidos, convém citar a fonte (de todo modo, ainda que certos conceitos, como “Estado normal”, sejam consagrados na literatura sobre política externa brasileira, dizer que “o país entrou, assim, no período que Amado Cervo define como ‘Estado normal’” me parece boa estratégia – até porque o próprio Amado Cervo já foi da banca corretora vez ou outra; o José Flávio Sombra Saraiva é outro que tenho certeza de que irá adorar ver seu nome mencionado em uma resposta).
Algo bastante útil é evitar criar (e cair em) armadilhas. Se você sabe, por exemplo, que o Pacto Andino foi firmado em 1969, mas não tem certeza se a organização aí criada já se chamava Comunidade Andina de Nações, por exemplo, opte por uma formulação de resposta que evite comprometer-se quanto a isso. Uma sugest~o seria, por exemplo: “Firmado em 1969, o Pacto Andino consubstanciou importante passo para a criaç~o da Comunidade Andina de Nações (CAN)”. Desse modo, você evita incorrer no erro de atribuir ao Pacto a responsabilidade pela criação da CAN, sem deixar de destacar sua importância para que isso ocorresse posteriormente. Evite, também, conceitos “politicamente incorretos” ou em desuso, como “governo neoliberal” (preferir “governo associado aos princípios do Consenso de Washington”, por exemplo), “país subdesenvolvido” (preferir “país de menor desenvolvimento relativo”, por exemplo) etc.
Para boa parte dos argumentos a ser empregados na terceira fase, a leitura atenta e o fichamento das melhores respostas dos Guias de Estudos anteriores podem ajudar bastante. Eu tive um professor de cursinho, o Ricardo Macau, que gostava de dizer que o intuito de fichar os Guias de Estudos era, simplesmente, roubar argumentos. Ninguém precisa inventar novos argumentos, para tentar “chocar” a banca. Se a banca publica um Guia de Estudos anualmente, dizia ele, é para mostrar a todos os candidatos o que ela queria ler como resposta naquela questão e o que ela quer ler nas respostas dos concursos dos anos seguintes. Dessa maneira, não há nenhum constrangimento em fichar os principais argumentos das provas dos anos anteriores e em usá-los nas questões pertinentes da terceira fase. Alguns desses argumentos foram muito úteis para mim, especialmente nas provas de História do Brasil, de Política Internacional e de Direito.
Uma coisa que pouca gente fala é que os Guias de Estudos nem sempre são cópias fidedignas das respostas dos candidatos. A organização do concurso entra em contato com os autores das respostas selecionadas e solicita que os próprios autores digitem suas respostas. Os candidatos podem fazer eventuais alterações pontuais de algumas imprecisões, mas alguns poucos acabam exagerando. Para quem está se preparando para o concurso, não poderia haver nada pior, já que não podemos ter uma noção exata de qual tipo de resposta foi avaliado como suficiente pelos examinadores (por saber que era possível alterar, eu sempre ficava em dúvida: será que ele/ela ganhou essa nota escrevendo tudo isso mesmo?). J vi gente dizendo que “quem consegue fazer as melhores respostas deu sorte, porque fez mestrado ou doutorado no assunto, pelo menos”, e isso é completa mentira. O que ocorre é que essas pessoas souberam conjugar estudo eficiente e capacidade de desenvolvimento analítico diferenciada que sejam convertidos em uma argumentação clara e consistente. Para isso, não tem mestrado ou doutorado que adiante. Em algumas questões, você sente ser capaz de escrever o dobro ou ainda mais sobre aquele assunto (principalmente, nas questões de 60 linhas), mas o que mais conta, no fim das contas, é a forma, o modo como você organiza suas ideias, os argumentos de que você faz uso etc.
Na prova de História do Brasil, alguns temas são mais ou menos recorrentes. Definição das fronteiras nacionais, política externa do Império, política externa dos governos Quadros-Goulart (Política Externa Independente), política externa dos governos militares (especialmente, Geisel), relações do Brasil com a América do Sul (destaque para as relações Brasil-Argentina desde o século XIX), relações do Brasil com a África (do período da descolonização até a década de 1980). Obviamente, há inúmeros outros temas (bastante pontuais às vezes) que também são cobrados, mas eu acho que, se eu tivesse só uma semana, para estudar tudo de História do Brasil, eu escolheria esses temas. Ainda que eles não sejam cobrados diretamente, podem ser encaixados em muitas outras questões.
A prova de Inglês consiste de uma tradução do Inglês para o Português (valor: 20 pontos), de uma versão do Português para o Inglês (valor: 15 pontos), de um resumo de texto em Inglês (valor: 15 pontos) e de uma redação sobre tema geral (valor: 50 pontos). As notas de Inglês são, geralmente, bem mais baixas que as das demais provas, o que, considerando que boa parte dos candidatos que chega à terceira fase tem alguma experiência no domínio avançado da língua inglesa (acredito eu), é claro sinal de que a cobrança é bastante rigorosa, e apenas conhecimentos básicos da língua não são suficientes.
Quanto à tradução e à versão, não tenho muito a dizer. Há dedução de 1,00 ou de 0,50 pontos (dependendo do tipo de erro) do valor total do exercício para cada erro de tradução13. O vocabulário cobrado nem sempre é muito simples (um ou outro termo pode ser mais complicado), mas, em geral, não há muitos problemas. Normalmente, as notas da tradução são bem maiores que as notas da versão. Um pequeno “problema” nas traduções e nas versões é o seguinte: o examinador escolhe, tanto nas traduções para o Português quanto nas versões para o Inglês, algumas expressões que ele quer, obrigatoriamente, que o candidato use determinados termos que correspondam àquela palavra ou expressão na outra língua. Assim, por exemplo, se há o termo “vidente”, para ser traduzido para o Inglês, e se o examinador escolheu essa palavra, para testar os candidatos, você ser penalizado, se tentar dizer isso com uma express~o como “a person who foresees” ou coisa do tipo. Se o examinador, entretanto, não houver escolhido essa palavra como teste, você poderá não perder nenhum ponto por isso. O maior problema é que, obviamente, você não sabe quais são as expressões que serão escolhidas enquanto faz a prova. Pode ser que uma expressão para a qual você não conhece a tradução exata não seja uma das escolhidas pelo examinador, e dizer a mesma coisa de outra maneira (com uma frase ou com uma expressão mais longa que exprima o mesmo sentido) pode não implicar penalização. Enfim, não há como saber isso antecipadamente, então a melhor alternativa é, sempre, a tradução o mais fidedigna possível. De toda forma, se não souber, aí não tem jeito, invente alguma coisa, pode ser que seja aceita. Só nunca, nunca, deixe um espaço em branco, pois isso atrai os olhos do examinador, e ele saberá que já tem algo faltando ali. Mesmo que você não tenha nenhuma ideia do que alguma coisa signifique ou de como traduzir, invente palavras, crie sinônimos que não existem, faça qualquer malabarismo linguístico que estiver a seu alcance, só não deixe espaços em branco. Como os examinadores corrigem mais de duzentas provas (números de 2010 e de 2011), pode ser que alguns erros acabem passando despercebidos.
13 Segundo o Guia de Estudos: menos 1,00 pontos por falta de correspondência ao(s) texto(s)-fonte, erros gramaticais, escolhas errôneas de palavras e estilo inadequado; menos 0,50 pontos por erros de pontuação ou de ortografia. Apesar dessa previsão no Guia de Estudos, a banca também tem considerado, nos últimos concursos, que também se subtraem 0,50 pontos por erro de preposição, ao invés de 1,00 pontos.
O resumo do texto em Inglês costuma surpreender alguns candidatos com baixas notas. A atribuição de pontos é feita de acordo com uma avaliação subjetiva que considera várias coisas: quantidade de erros, abrangência de todos os pontos selecionados pelo examinador como os mais importantes do texto etc. Não é necessário incluir exemplos no resumo, que deve, com suas palavras, abranger todos os principais temas discutidos no texto, seus argumentos e sua linha de raciocínio (os temas e os argumentos podem ser apresentados na ordem que você considerar mais interessante, não é necessário seguir a ordem do texto). No resumo, não se emite opinião sobre o texto, e n~o é necessrio dizer “o autor defende”, “segundo o autor” (em Inglês, obviamente). Como se trata do resumo de um texto, é evidente que tudo o que está ali resume as opiniões do autor. Não é necessário fazer uma introdução e uma conclusão, você perderá muito espaço, e não é esse o objetivo do resumo. Seja simples e direto, acho que é a melhor dica.
O comando indica um máximo de 200 palavras, mas eles não contam. Já vi professores dizendo para que os alunos fizessem, obrigatoriamente, entre 198 e 200 palavras, mas, se você buscar os Guias de Estudos anteriores, verá que há resumos que fogem a esse padrão (para baixo ou para cima) e que foram escolhidos como o melhor resumo daquele ano. É claro que você não vai escrever 220 palavras, mas acho que umas 205, mais ou menos, estão de bom tamanho (escrevi um pouco mais de 200, acho que 203, não sei). A professora do cursinho de terceira fase dizia que podíamos fazer até cerca de 210 (desde que a letra não fosse enorme, para não despertar a curiosidade do examinador) que não teria problema. É claro que o foco deve estar nos 200, esse valor superior é apenas para o caso de lhe faltarem algumas palavras, para encerrar o raciocínio.
Em 2011, os 15,00 pontos do resumo foram divididos em duas partes: 12,00 pontos para a síntese dos principais aspectos do texto e 3,00 pontos para linguagem e gramática. O examinador determinou que havia seis tópicos principais do texto que deveriam ser incluídos no resumo e atribuiu até dois pontos para a discussão de cada um desses tópicos. Obviamente, não há como saber quantos serão esses tópicos. O melhor a fazer é tentar tratar de todos os aspectos mais importantes do texto com o mínimo possível de palavras. Se sobrarem 10 ou 15 palavras, não desperdice, faça uma frase a mais, quem sabe isso pode lhe render alguns preciosos décimos a mais.
A redação em Inglês é de 45 a 60 linhas, com valor de 50 pontos. Esses 50 pontos são distribuídos em: planejamento e desenvolvimento (20 pontos), qualidade vocabular (10 pontos) e gramática (20 pontos), com penalização de 1,00 ou de 0,50 pontos por erro, de acordo com o tipo de erro14 (descontados da parte de gramática). Nota zero em gramática implica nota zero na redação (logo, cuidado para não zerar). Há penalização de 1,00 pontos para cada linha que faltar para o mínimo estabelecido.
Normalmente, a redação trata de temas internacionais de fácil articulação. Não há recomendações de número de parágrafos, de número de linhas por parágrafo ou coisa do tipo. As principais coisas a observar são: ter uma tese central, usar argumentos que a sustentem, e, sobretudo, fornecer exemplos. Ao ver espelhos de correção de concursos anteriores no cursinho, fica evidente que muitas notas de planejamento e desenvolvimento são mais baixas devido à ausência ou à insuficiência de exemplos, como indicam os comentários dos examinadores em provas anteriores (a prova de Inglês é a única da terceira fase que vem com comentários e com marcações). Eu diria, portanto, que é necessário prestar atenção na argumentação coerente que comprove a tese, é claro, e no fornecimento de vários exemplos que sustentem a argumentação apresentada. É claro que só listar dezenas de exemplos pode não adiantar nada, mas, se você souber usá-los de maneira coerente, como complemento à argumentação, acho que poderá ser bem recompensado por isso. Ao contrário do que já vi dizerem por aí, não há penalizaç~o por “ideologia” discrepante daquela da banca. Aproveitando a temática da prova de 2001, não interessa se você é contra ou a favor da globalização, o importante é elencar argumentos fortes e sustentá-los com exemplos pertinentes.
14 Segundo o Guia de Estudos, menos 1,00 pontos por erro (exceto para erros de pontuação ou de ortografia, para os quais há subtração de 0,50 pontos). Apesar dessa previsão no Guia de Estudos, a banca também tem considerado, nos últimos concursos, que também se subtrai 0,50 pontos por erro de preposição, ao invés de 1,00 pontos.
Por fim, a parte de qualidade vocabular não se refere só ao uso de construções avançadas de Inglês (inversões, expressões idiomáticas etc.). De nada adianta usar dezenas de construções avançadas, se você tiver muitos erros de gramática. Os 10 pontos de qualidade vocabular levam em consideração tanto o número de construções avançadas que você usou quanto o número de erros de gramática que você teve. Ainda que você use poucas construções avançadas, se não errar nada de gramática (ou se errar muito pouco), sua nota nesse quesito deverá ser bem alta. Dessa forma, acho que o melhor a fazer é preocupar-se, primeiramente, com gramática. Uma pequena lista de expressões idiomáticas passíveis de se empregar, combinada com o uso de construções mais avançadas (como inversões, por exemplo), já pode significar boa nota de qualidade vocabular, se você não perder muitos pontos de gramática. Não vou dizer quais usei, senão todo mundo vai usar as mesmas e ninguém vai ganhar pontos. Usem a criatividade: vejam expressões diferentes, palavras conotativas apropriadas, verbos e palavras mais “elaborados” etc.
Em resumo, acho que o principal da redação é: errar pouco em gramática e fornecer exemplos. Com isso e com bons argumentos, sem fugir ao tema, eu diria que há boas chances de uma nota razoável.
A prova de Geografia é, a meu ver, uma das mais chatas e imprevisíveis. Cada ano, a prova é de um jeito, ora cobra Geografia física, ora cobra teoria da Geografia etc. No geral, acho que a banca não tem muita noção de que está avaliando conhecimentos importantes para o exercício da profissão de diplomata, não de geógrafo. Assim, frequentemente, aparecem algumas questões bem loucas. O bom das questões mais chatas de Geografia é que a banca costuma ser mais generosa na correção. Há alguns anos, uma questão sobre minérios na África, por exemplo, aterrorizou muitos candidatos, mas, na hora da correção, segundo um professor de cursinho, as notas não foram tão baixas. Por isso, não se preocupe tanto com essas questões mais espinhosas que, eventualmente, aparecem na terceira fase de Geografia.
Em 2011, uma das questões (sobre navegação de cabotagem no Brasil, na década 2001-2010) havia sido tema de uma reportagem do programa Globomar duas semanas antes da prova. Para falar a verdade, eu não sabia nem o que era Globomar, se era uma reportagem do Fantástico, um quadro do Faustão ou a nova novela das sete, mas, como um raio pode cair duas vezes no mesmo lugar, não custa nada informar para que você fique atento a algumas dessas questões mais recentes. Não precisa gravar e tomar notas de todo Globomar daqui para frente. Dar uma olhada nos temas desse tipo de programa, de vez em quando, já deve ser mais que suficiente. Vale dizer que o mais importante é, sempre, Geografia do Brasil. Não precisa assistir o National Geographic sobre monções no Sri Lanka, porque não vai cair. De todo modo, assuntos relativos à costa e ao litoral brasileiros são reincidentes no concurso.
Muitos falam sobre a necessidade de usar o “miltonsantês”, como s~o conhecidos os conceitos de Milton Santos, nas respostas de terceira fase. É algo meio batido, mas acho que todo mundo que faz, pelo menos, o cursinho preparatório para a terceira fase deverá ouvir alguma coisa a respeito, então não se preocupe com isso. Se der para usar alguns conceitos em determinadas questões, use sem exageros. Esses termos podem render bons olhos com a banca, mas ninguém tira total só porque escreveu dez conceitos miltonianos na resposta.
Algumas argumentações s~o “coringas” em Política Internacional. Alguns conceitos, como “multilateralismo normativo”, “postura proativa e participativa”, “articulaç~o de consensos”, “reforma da ordem”, “juridicismo”, “pacifismo”, “pragmatismo”, “autonomia pela participaç~o” etc., poderão ser encaixados em quase todas as respostas de terceira fase. Relações Sul-Sul, América do Sul, BRICS, IBAS, África também são temas que poderão ser empregados em diversos contextos (temáticas recorrentes nos últimos concursos). Desse modo, saiba usar esse conhecimento a seu favor. Se há uma questão que pede comentário sobre algum aspecto da política externa brasileira contemporânea, citar esses conceitos já pode ser bom começo.
Não custa nada lembrar que você está fazendo uma prova para o Ministério em que você pretende trabalhar pelo resto da vida. Criticar a atuação recente do MRE não é sinal de maturidade crítica ou coisa do tipo, pode ter certeza de que n~o ser bem visto pela banca corretora. N~o precisa “puxar o saco” do governo atual descaradamente, mas considero uma estratégia, no mínimo, inteligente procurar ressaltar que, apesar de eventuais desafios à inserção internacional do Brasil, o país vem conseguindo alçar importantes conquistas no contexto internacional contemporâneo, como reflexo de sua inserção internacional madura, proativa e propositiva. Na prova de 2011, a prova da importância de saber a posição oficial do MRE com relação a temáticas da política internacional contemporânea ficou evidente em uma questão que pedia que se discutisse a situação na Líbia, apresentando a posição oficial do governo brasileiro e os motivos para a abstenção do Brasil na votação da resolução 1.973 do Conselho de Segurança da ONU. Saber a posição oficial do governo sobre os principais temas da agenda internacional contemporânea é fundamental na terceira fase. Na primeira fase também: em 2011, um item dizia que o MRE usava a participação na MINUSTAH como “moeda de troca” para o assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. Por mais que a mídia sensacionalista diga isso e por mais que você, porventura, acredite nisso, não é essa a posição oficial do Ministério, então isso não está correto e ponto. Seja pragmático e tenha, sempre, em mente que você está fazendo uma prova para o governo. Em dúvida, pense: o que o governo brasileiro defende nessa situação? Essa posição vale tanto para a primeira fase quanto para a terceira.
Com relação à prova de Direito, é uma avaliação, a meu ver, bastante tranquila e uma das mais bem formuladas. Não há grandes segredos, e a leitura (acompanhada do fichamento) dos Guias de Estudos antigos é fundamental. Muitos estilos de questões repetem de um ano para o outro, e alguns argumentos gerais sobre o fundamento de juridicidade do Direito Internacional Público, por exemplo, são úteis quase sempre. Ultimamente, a probabilidade de questões sobre Direito interno propriamente dito tem sido reduzida a temáticas que envolvam o Direito Internacional (como a questão sobre a competência para efetuar a denúncia a tratados, cobrada em 2010). Em Direito Internacional Privado, o que já foi cobrado do assunto, em concursos recentes, esteve relacionado à homologação de sentença estrangeira, assunto bastante básico e tranquilo de estudar. Em Direito Internacional Público (DIP), atenção especial à solução de controvérsias (meios pacíficos, meios coercitivos, meios jurídicos e meios bélicos), ao sistema ONU e ao sistema de solução de controvérsias da Organização Mundial do Comércio, além do supracitado fundamento de juridicidade do DIP (“afinal, por que o DIP é Direito?”). Uma dica que vale tanto para as questões de Direito quanto para as de Economia é tomar cuidado com o número de linhas. Como há questões de 60 e de 40 linhas, corre-se o risco de perder muito espaço com argumentos e ilustrações não necessários à questão. Nas provas dessas duas matérias, não acho que seja tão necessário preocupar-se tanto com a introdução e com a conclusão nas questões de 40 linhas (nas de 60, se houver, devem ser bem curtas), pois não há espaço suficiente para isso. Em minhas provas de terceira fase, apenas respondi a essas questões de 40 linhas diretamente.
A prova de Economia mudou muito, se você comparar as provas de 2008-2009 às de 2010-2011, por exemplo. Anteriormente, havia questões enormes de cálculos, equações de Microeconomia etc. Em 2010, a única questão que envolvia cálculo era ridiculamente fácil. Em 2011, para melhorar a situação daqueles que não gostam dos números, não havia um único cálculo nas questões, todas elas analíticas. Além disso, as cobranças anteriores de Economia Brasileira focavam, especialmente, no período da República Velha (isso se repetiu em 2010). Em 2011, até mesmo o balanço de pagamentos atual do Brasil e a economia dos BRIC na atualidade foram objetos de questões. Talvez seja uma tendência da prova de Economia dos próximos anos, de priorizar o raciocínio econômico, em detrimento dos cálculos matemáticos que aterrorizavam muitos no passado. Ainda que eu não tenha problemas com cálculo (e goste bastante, inclusive), devo admitir que me parece muito mais coerente cobrar economia dos países do BRIC do que insistir nos cálculos de preço de equilíbrio, quantidade de equilíbrio, peso-morto etc., se considerarmos que se trata de uma prova que visa a selecionar futuros diplomatas (aí está uma lição que a banca de Geografia precisava aprender).
Ainda que, à primeira vista, esse novo tipo de prova possa parecer mais fácil, pode não ser tão tranquilo quanto parece. Por mais contemporâneas que as questões sejam, acho que os candidatos correm o sério risco de confundir a prova de Economia com uma prova de Política Internacional (por envolver BRIC, por exemplo). Lembre-se, sempre, de que quem corrige as provas de Economia são economistas. Como economistas, eles valorizam o raciocínio econômico, com o uso de conceitos econômicos, e é isso o que deve ficar claro, em minha opinião, em questões como essa. Tenho maior facilidade com esse raciocínio econômico e com os conceitos da disciplina, por haver participado da monitoria de Introdução à Economia da UnB por quatro semestres. A quem não teve essa experiência, para acostumar-se a esse “economês”, nada melhor que bons noticirios de Economia:
- Brasil Econômico: http://www.brasileconomico.com.b
- Financial Times: http://www.ft.com/home/us
- IPEA: http://agencia.ipea.gov.b
- O Globo Economia: http://oglobo.globo.com/economia/
- The Economist: http://www.economist.com/
- Valor Econômico: http://www.valoronline.com.b, entre vários outros.
Obviamente, não precisa ficar lendo todas as notícias postadas em todos esses sites, todos os dias. Já tentei o esquema de ler uma notícia por dia de uns cinco sites de notícias e cansei facilmente. Não acho que seja possível dizer um número ideal de notícias econômicas lidas por semana, mas sei lá, umas duas ou três já são melhor que nada.
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.23 10:24 diplohora Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte III – A PREPARAÇÃO INTRODUÇÃO pt 6 Quantas horas devo estudar por dia?

Quantas horas devo estudar por dia? Quantos meses/anos são necessários para a aprovação? Acho que todo mundo já deveria saber isso, mas sempre vejo essa pergunta em fóruns na internet. É óbvio que não existe “receita de bolo”. Se alguém falar “estudei duas horas por dia” ou “estudei quinze horas por dia”, isso n~o quer dizer nada. Se você estudar o que n~o deve, pode ficar um ano inteiro com quinze horas ininterruptas diárias de estudos que não adiantará muita coisa. Eu, mesmo, nunca cronometrei e nunca parei para pensar direito sobre quantas horas eu estudava por dia. O que importava, de fato, era ter conseguido render bastante, e isso não se mede em horas de estudo, em páginas lidas, em exercícios feitos ou em livros resumidos. Para quem tem problemas de concentração ou mora com a família, por exemplo, pode ser aconselhável estudar em uma biblioteca ou em uma sala de estudos (de cursinhos preparatórios, por exemplo). Como morava sozinho em Brasília e consigo me concentrar facilmente, estudei em casa mesmo (apesar da maldita reforma do revestimento externo do bloco exatamente em frente à minha sacada, que começou semanas antes da primeira fase e durou até depois do fim do concurso, com barulho de furadeira, com rádio ligado no volume máximo e com pedreiro gritando o dia todo).
Não vou fazer propaganda contra ou a favor de nenhum cursinho. Em vários sites e blogs e nos grupos do Facebook e do Orkut informados acima, há bastante informação sobre dinâmica de cursinho, professores recomendados etc. Falando da utilidade dos cursinhos de maneira geral, é, obviamente, tudo muito relativo. Depende de sua familiaridade com a matéria e de sua facilidade de aprendizado. Muitas vezes, se você estudar sozinho, aprenderá mais e ganhará mais tempo que fazendo cursinho, especialmente para a primeira fase (além de economizar dinheiro, já que os preços dos cursinhos não são, em geral, muito camaradas). Nada como sentar na cadeira e estudar, observando, sempre, alguns pontos mais importantes, como: temas de maior recorrência nos últimos concursos, temas contemplados no Guia de Estudos etc. Cuidado apenas com a segunda fase (para Redação, sugiro que todos façam, sim, curso preparatório).
A gente tende a achar que há algumas coisas que só aprenderemos no cursinho (macetes de prova, orientação teórica que a banca prefere), mas, por incrível que pareça, há alguns professores que, por mais que (às vezes) saibam a matéria, não conhecem bem as provas do concurso. Tive, por exemplo, um professor (bem recomendado por alguns) que falou tanta coisa errada, mas tanta coisa errada, que, quando fui revisar as anotações, acho que perdi mais tempo conferindo tudo e corrigindo todos os erros do que se houvesse apenas estudado sozinho. No fim das contas, desisti das anotações e ignorei-as por completo. Outro professor (também muito bem recomendado por algumas pessoas) dava a matéria muito superficialmente e mostrava desconhecer completamente o concurso, a banca e a própria matéria. No fim das contas, acabei abandonando a matéria no meio. É frustrante, principalmente, porque os cursinhos são, em geral, bastante caros.
Não adianta um professor saber bem a matéria (a propósito, nem todos sabem), é necessário conhecer as provas a fundo. Isso significa não apenas saber todas as questões da primeira e da terceira fases dos últimos concursos ou todos os Guias de Estudos de cor, mas também, especialmente para a segunda e para a terceira fases, experiência tanto com relação às preferências acadêmicas da banca quanto com relaç~o { “jurisprudência” das correções. Esta última habilidade só se adquire vendo muitos espelhos de prova e recursos (deferidos e indeferidos). Como os espelhos de prova não têm vindo com marcações (você recebe apenas a nota nas questões, sem nenhuma marcação ou comentário), acho que, pelo menos, o estudo detido dos Guias de Estudos anteriores já é um passo importante.
Há, sim, alguns professores muito bons que valem cada um dos muitos centavos que você paga pela aula, mas meu alerta é: não se deixe levar por preço (já vi gente fazendo matérias em alguns cursinhos, sem sequer saber se os professores eram bons ou não, apenas porque era mais barato), por aulas experimentais (em um dos casos que eu citei acima, eu achava as primeiras aulas excelentes; só depois fui perceber o tanto de “abobrinha” que ele falava e o tanto de datas, de informações e de argumentos errados que ele passou) ou por fama do cursinho. Procure, sempre, onde quer que seja, informações sobre o professor (e, de preferência, com mais de uma indicação). Não vou falar de quais gostei e de quais não gostei porque acho que este não é o meio adequado para isso, mas, caso você não conheça alguém que já tenha feito algum cursinho, procure em fóruns na internet e nos grupos do Facebook e do Orkut indicados acima, sempre há alguma coisa útil (encontrei várias informações que estava procurando de professores em diversos cursinhos).
Para quem pensa em mudar-se para Brasília, por exemplo, para fazer um curso preparatório, as maiores dúvidas são, frequentemente, relativas ao custo de vida e à relação custo-benefício de morar na capital. O aluguel de imóveis em Brasília não é dos mais baratos (consulte, por exemplo, http://www.wimoveis.com.bdf), o que, somado aos preços um pouco “salgados” de alguns cursos preparatórios, pode implicar altos gastos. Como eu já morava na cidade antes de iniciar a preparação para o CACD, não sei se há alternativas de moradia mais próxima a algum dos cursinhos (são quase todos bem distantes um do outro). Sei que o curso O Diplomata oferece aluguel de apartamentos, mas não sei como funciona direito [informações: (61)3349-0311]. Acho que boa parte das pessoas que optam por mudar-se para Brasília tem diversos objetivos: concentrar-se mais nos estudos (o que pode ser difícil em uma casa com os familiares, por exemplo), ter acesso aos cursos preparatórios, conhecer outras pessoas que estão estudando para o CACD etc. Não foi meu caso, pois já morava em Brasília anteriormente, portanto não posso dizer se acho que, realmente, vale a pena por esses motivos. De todo modo, na comunidade “Coisas da Diplomacia”, no Orkut, j vi diversos comentários a respeito. H, também, o grupo do Facebook “Moradia – IRBr”, voltado para a discussão desses assuntos: http://www.facebook.com/groups/168135273239644/.
Principalmente para aqueles que não conhecem muita gente que também está se preparando para o concurso, o ambiente de cursinho pode ser interessante, para conhecer outras pessoas que estão na mesma situação que você e que podem contribuir com algumas dicas e sugestões úteis para a preparação. De todo modo, se você for daqueles que preferem estudar sozinhos a gastar tempo e dinheiro indo para o cursinho, ótimo! Para a primeira fase, eu diria que o cursinho pode ser, se você tiver boas orientações, disciplina de estudos e/ou boa bagagem de conhecimentos, dispensável.
Quanto à segunda fase, considero quase indispensáveis os cursos de Redação Português. Acho muito difícil alguém conseguir passar na segunda fase, se não houver feito cursinho preparatório. Há, obviamente, alguns casos de que já ouvi falar, mas são a minoria. Não vou falar sobre o já batido tema das idiossincrasias da banca da segunda fase, mas, mesmo quanto a coisas que não são “frescuras” da banca, achei muito bom o tanto de coisas (sobre Português de uma maneira geral) que aprendi no cursinho preparatório para a segunda fase. Desde os anos de colégio, sempre fui cético quanto à eficácia das aulas de Redação, mas devo admitir que valeu a pena: é inegável que a escrita melhora muito (nos padrões requeridos pela banca) com o cursinho. Se é necessário fazer um curso regular, que dura vários meses, ou se basta só o intensivo, às vésperas da segunda fase, depende de cada um. Acho desnecessário dizer que fazer cursinho também não é garantia de nada. Fiz tanto o curso regular quanto o curso intensivo e não me arrependi.
Com relação à terceira fase, também acho o cursinho muito importante. Em primeiro lugar, porque alguns professores realmente levam o trabalho a sério e ficam alucinados, procurando tudo o que os membros da banca têm estudado, escrito etc., e isso rende bons frutos, como alguns professores que acertam algumas questões que serão cobradas nas provas da terceira fase. Em segundo lugar, ainda que alguns professores não acertem muitas questões (o que não é uma tarefa muito fácil), a oportunidade de treinar a resolução de questões é fundamental por dois motivos: aprender a escrever na forma requerida pela banca e conseguir controlar o tempo de resolução das questões. Muitas pessoas têm problemas com o tempo para algumas provas da terceira fase (especialmente, para as provas de História do Brasil, de Geografia e de Política Internacional, que são as mais extensas). Não tive grandes problemas com isso e consegui escrever e revisar todas as questões de todas as provas, mas sei que muitos mal têm tempo de terminar de escrever.
Dito isso, já adianto: para essas três provas, é impossível fazer rascunho. Se você fizer, é muito provável que não conseguirá passar a limpo no tempo estabelecido. Para as provas de Direito e de Economia, não diria que é impossível (o número de linhas é menor, logo há tempo de sobra, pelo menos foi assim comigo), mas também considero desnecessário. No CACD, fiz rascunho apenas das provas de Português, de Inglês, de Francês e de Espanhol (em todas, sobrou algum tempo, mas não muito, após as revisões), pois são provas que eu alterava muito depois da redação inicial, trocava frases, palavras etc. Eu já sabia disso por causa de minha experiência com a resolução de questões no cursinho preparatório para a terceira fase, razão pela qual estive, sempre, atento ao relógio, para não perder tempo. Para todas as demais provas, o que se recomenda é, no máximo, um esquema inicial dos principais tópicos a ser discutidos nas questões, como um “brainstorming”. N~o fiz esse esquema em quase nenhuma questão, porque funciono melhor escrevendo direto, mas reconheço que nem todo mundo consegue fazer isso. Alguns podem preferir, ao menos, um momento de reflexão inicial, para fazer um esquema mental dos tópicos que serão desenvolvidos na questão, mas também não consigo fazer isso. A vida inteira, escrevi sem pensar, e deu certo. Não tive grandes problemas com isso no CACD, mas já alerto que não aconselho isso a todos. Muitos não conseguem manter o raciocínio, se não houver um planejamento a ser seguido, e acabam perdendo- se no meio da questão. Cuidado!
Conhecer os concursos anteriores é fundamental por várias razões. Não apenas para saber o que já foi objeto de cobrança, o que mais se repete, o que está ausente há algum tempo (e pode ser, eventualmente, trazido de volta), mas também para entender a lógica de formulação das questões em função dos contextos internacionais recentes, por exemplo. Isso é mais útil para a prova de Política Internacional, as demais não são tão influenciadas por acontecimentos recentes dessa maneira (Geografia e Economia também podem levantar alguns tópicos mais ou menos em voga, em face do que aconteceu em suas respectivas áreas nos meses anteriores ao concurso, mas não é uma regra tão forte quanto em Política Internacional).
Com relação aos conteúdos a ser estudados, atenção especial aos aniversários (10, 20, 30, 40... anos) dos principais tratados, organizações internacionais, acontecimentos marcantes etc., que costumam ser objetos de questões de Direito e de Política Internacional na primeira fase (na terceira fase, também podem ser cobrados, mas com menos frequência; em 2011, os cinquenta anos da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas foram lembrados em uma das questões). Visitas presidenciais a países mais importantes e visitas de chefes de Estado de outros países ao Brasil (destaque para EUA, China, Índia, Argentina...) no ano da prova, por exemplo, podem ser indícios de que poderá haver alguma questão nesse sentido. Obviamente, tudo isso não é regra (a pedra mais cantada de 2011, que foram os 20 anos do MERCOSUL, não apareceu em nenhuma questão da terceira fase; de todo modo, as relações com a Argentina, destino da primeira viagem presidencial de Dilma Rousseff, foram tema de questão da prova de Política Internacional).
Para a quarta fase, não há muito mistério. A cobrança de Francês e de Espanhol é bem básica, e conhecimentos de nível intermediário nos dois idiomas podem garantir uma nota razoável. De todo modo, vale observar que, nos últimos concursos, a quarta fase tem tido um peso enorme para a colocação final (especialmente, para as últimas vagas). Dessa maneira, confiar nos aprendizados de última hora de Francês e no Portunhol pode custar-lhe caro. Não recomendo deixar para estudar as duas línguas apenas após a segunda fase (como já vi que muita gente faz). Se você nunca estudou Francês e/ou Espanhol, recomendo começar um pouco antes (professores particulares podem ser mais úteis nesse caso, uma vez que você não precisará de atenção excessiva à conversação e à compreensão auditiva, como ocorre em muitos cursos em grupo). É difícil dizer quantas aulas ou meses são necessários, pois isso, obviamente, depende do rendimento e da facilidade de cada um.
De qualquer maneira, as provas não têm nada de complicado: não é necessário dominar os dois idiomas perfeitamente, as provas são instrumentais (leitura e compreensão de textos). Na prova de Espanhol, tive certo problema com algumas questões pontuais sobre o texto que poderiam ser respondidas em menos de uma linha (há previsão de mínimo de três linhas, máximo de cinco, sem copiar do texto), ou que não estavam, diretamente, no texto. Optei pelo tradicional método da “enrolaç~o”. Adicionei informações que não estavam sendo pedidas, só para conseguir escrever todas as cinco linhas. Em Francês, não tive grandes problemas com isso, a prova estava mais tranquila nesse aspecto. As duas correções foram pesadas, e notas acima de 40/50 foram raridade.
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.07.23 10:07 diplohora Bruno Rezende : mesu estudos para o CACD Parte II – O CACD

Parte II – O CACD
O Concurso
O Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata (CACD) é, como o nome indica, o concurso público de entrada no cargo de diplomata do Ministério das Relações Exteriores (MRE). O CACD é, há algum tempo, realizado anualmente, composto por quatro etapas e realizado pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe – site: http://www.cespe.unb.br). Para poder assumir o cargo, as principais exigências, são: ser brasileiro nato e possuir diploma universitário de qualquer formação (há mais pré-requisitos, mas esses são os mais importantes). Essas exigências, entretanto, aplicam-se apenas aos aprovados, para que possam assumir o cargo. Qualquer pessoa pode, independentemente de já possuir o diploma em mãos, fazer o concurso (isso é comum a pessoas que tentam o CACD durante a universidade, por exemplo). Nesse caso, se for aprovado, o candidato deverá apresentar o diploma. Obviamente, se não o fizer, perderá a vaga.
O CACD é dividido em quatro fases, que são as seguintes:
· 1ª FASE: duas provas objetivas (com questões de Certo ou Errado e de múltipla escolha, com penalização para erros) com questões de: Português, Inglês, História Mundial, História do Brasil, Geografia, Política Internacional, Noções de Direito e de Direito Internacional Público e Noções de Economia6. De 2008 a 2010, a prova valia 80 pontos; em 2011, voltou a valer 65 pontos (o número de pontos equivale ao número de questões; questões de Certo ou Errado são compostas por quatro itens; questões de múltipla escolha têm cinco alternativas). As duas provas são realizadas no mesmo dia, normalmente um domingo, pela manhã e pela tarde. A primeira fase também é conhecida como TPS (Teste de Pré-Seleção), seu antigo nome – que, apesar de abandonado pela banca organizadora, continua no vocabulário dos cursinhos preparatórios e de muitos candidatos.
· 2ª FASE: uma prova discursiva de Português, que consiste de uma redação sobre tema geral (80-120 linhas), com valor de 60 pontos, e de duas interpretações, análises ou comentários sobre temas específicos (15-25 linhas), valendo 20 pontos cada, com valor total de 100 pontos. Para ser aprovado, o candidato precisa fazer, no mínimo, sessenta pontos na prova.
· 3ª FASE: seis provas discursivas de: Geografia, História do Brasil, Inglês, Noções de Direito e de Direito Internacional Público, Noções de Economia e Política Internacional. Essas provas, exceto Inglês, consistem de quatro questões (os números de linhas variam entre as matérias: duas questões de 90 linhas e duas de 60 linhas para as provas de Geografia, de História do Brasil e de Política Internacional; duas questões de 60 linhas e duas de 40 linhas para as provas de Direito e de Economia; uma redação em Inglês de 45 a 60 linhas, uma versão do Português para o Inglês com cerca de 150 palavras, uma tradução do Inglês para o Português com cerca de 150 palavras e um resumo de até 200 palavras de um texto de cerca de 1000 palavras7 para a prova de Inglês). Cada prova da terceira fase tem o valor de 100 pontos. Para ser aprovado na terceira fase e ter suas notas da quarta fase divulgadas, o candidato precisa somar, ao menos, 360 pontos no total das seis provas, independentemente da distribuição desses pontos em cada uma dessas provas. Se não conseguir esse limite mínimo, o candidato está, automaticamente, desclassificado
6 O termo “noções” para as provas de Direito e de Economia n~o significa, obviamente, que sejam provas fceis ou que não seja necessário estudar tanto, apenas indica que a cobrança não é tão aprofundada quanto nas demais.
· 4ª FASE: provas discursivas de Francês e de Espanhol (cada prova contém, normalmente, dez questões de interpretação de texto, cada questão valendo 5 pontos; são, normalmente, um ou dois textos para interpretação; o valor total de cada prova é de 50 pontos, somando 100 pontos as duas provas juntas). Os candidatos devem fazer as provas dos dois idiomas, não é possível escolher apenas um. Não é necessário atingir um mínimo de pontos na quarta fase, raz~o pela qual ela é chamada de “classificatória”, n~o “eliminatória”. Nos últimos concursos, entretanto, essa fase tem tido grande relevância, sendo decisiva para definir os aprovados no concurso e a classificação final no certame. Passar para a quarta fase não significa estar aprovado no concurso (afinal, há um limite de vagas). É necessário somar as notas da segunda, da terceira e da quarta fases, para obter a pontuação final do concurso e para calcular a colocação final.
Logo após a primeira fase, o Cespe libera o gabarito preliminar (cerca de dois dias após a realização da prova). Após a liberação do gabarito preliminar, os candidatos têm, normalmente, outros dois dias, para elaborar os recursos ao gabarito preliminar das questões (na última seção da Parte III, tratarei dos recursos mais detidamente). A banca examinadora do concurso leva cerca de três semanas, para, então, divulgar o gabarito definitivo e o resultado final da primeira fase do concurso. Questões anuladas têm a pontuação concedida a todos os candidatos, e questões com alteração de gabarito também têm efeito para todos os candidatos (ou seja, sua nota pode variar para cima ou para baixo entre o gabarito provisório e o gabarito final da primeira fase, de acordo com as modificações no gabarito).
É desnecessário dizer que não há como prever qual será a nota necessária à aprovação na primeira fase, uma vez que são aprovados, como regra geral, os trezentos primeiros candidatos (em caso de empate na última colocação, são convocados todos os candidatos empatados com aquela pontuação). Desse modo, antes da divulgação dos resultados finais da primeira fase, não há como ter certeza da aprovação para a próxima fase. De qualquer forma, veja a porcentagem mínima (valores arredondados da nota do 300º colocado) para aprovação na primeira fase dos últimos concursos realizados na tabela ao lado. Vale observar que, em 2007, não houve questões de Economia e de Direito na primeira fase, o que pode justificar a nota de corte mais elevada em relação aos demais anos.

Os cursinhos costumam elaborar rankings (também disponíveis em grupos como o “Instituto Rio Branco”, no Facebook, e o “Coisas da Diplomacia”, no Orkut) com as notas obtidas pelos candidatos, de acordo com o gabarito preliminar. Esses rankings, obviamente, não são precisos, e, visto que grande parte dos candidatos em condições de ir à segunda fase fica com pontuações muito próximas (no chamado “limbo”), passar ou n~o passar pode dever-se a poucos décimos (ou seja, para muitos, as mudanças no gabarito oficial fazem toda a diferença). Apesar disso, com base nesses rankings, é possível ter uma noção de como o candidato está em relação aos demais, para saber se deve estudar para a segunda fase. Isso é extremamente importante, pois o resultado oficial da primeira fase sai, normalmente, na mesma semana da prova da segunda fase. Assim, se o candidato não começar a preparar-se com antecedência, não terá tempo suficiente para fazê-lo apenas após o resultado oficial da primeira fase.
7 Os números aproximados de palavras das traduções e do texto para resumo foram baseados na prova de 2011. Nada impede que esse valor mude de um ano para o outro. Em concursos anteriores, já houve textos maiores e menores. Vide provas anteriores (todas as provas de 2003 para c est~o disponíveis no “REL UnB”: http://relunb.wordpress.com).
Os cursinhos preparatórios também costumam divulgar uma previsão de margem de erro (ex.: de x% a y%, há alguma chance; de y% a z%, há boas chances etc.). Mesmo que você não tenha feito cursinho (ou queira saber as médias dos candidatos de um cursinho que você não frequentou), basta ligar em algum deles e perguntar. Outros candidatos disponibilizam essa informação na fóruns virtuais como a comunidade “Coisas da Diplomacia” (Orkut) e o grupo “Instituto Rio Branco” (Facebook). Se vir que tem alguma chance de ser aprovado, não perca tempo e comece a estudar para a segunda fase (especialmente para a segunda fase, considero o cursinho essencial, mas digo isso apenas com base em minha experiência; cada um, é claro, deve saber o que é melhor para si, dentro de suas condições). Acho que é melhor estudar e não ser aprovado que não estudar e ser aprovado no susto, desperdiçando a oportunidade. De qualquer modo, não é conhecimento perdido. Ainda que não seja aprovado, você já adianta os estudos para a segunda fase do concurso seguinte. Há, também, alunos que, mesmo sabendo que não passaram (ou mesmo nem havendo feito o concurso), matriculam-se nos cursos intensivos, para não ter de fazer os cursos regulares, que duram vários meses.
Na primeira fase, o Cespe divulga os nomes e as pontuações apenas dos aprovados. Teoricamente, as folhas de respostas de todos os candidatos também são divulgadas. Para as fases seguintes, os respectivos resultados finais apresentam os nomes e as notas de todos os candidatos que foram aprovados para aquela fase, ainda que não tenham obtido a pontuação mínima exigida. Erro comum (principalmente de amigos e de familiares desavisados) é achar que só porque o nome do candidato saiu na relação do Cespe significa que foi aprovado naquela fase. Não é bem assim. Na segunda e na terceira fases, é necessário fazer o mínimo de 60% na nota total da respectiva fase. Além disso, o resultado final do concurso também apresenta as notas finais dos candidatos classificados, com a respectiva classificação. Ser classificado não significa ser aprovado no concurso. É necessário observar o número total de vagas oferecidas. O número de candidatos classificados é divulgado em edital (em 2011, 60 candidatos foram classificados), o que significa que, caso haja uma expansão das vagas, o número máximo de convocados será igual ao número de classificados (em 2011, houve grande expectativa em relação a isso, já que, com a iminência de aprovação de um projeto de lei que prevê a expansão das vagas para a carreira diplomática, os candidatos classificados no concurso – aqueles que não foram aprovados, mas que ficaram entre a 27ª e a 60ª colocação – poderiam ser chamados8).
Com relação à segunda fase, se você olhar os resultados dos últimos concursos, verá que uma “simples” prova de Redação pode ser muito mais complicada do que parece. Não vou me estender quanto às idiossincrasias da banca, disponíveis aos montes em vários fóruns na internet. Ressalto apenas o seguinte: não se deixe enganar, achando que Redação é algo tranquilo ou que “se n~o sou bom em Português, compenso em outras matérias”. Na segunda fase, isso n~o é possível. Muita gente boa não passa na segunda fase por um motivo que, no fim das contas, é relativamente simples. A segunda fase não é uma prova que testa toda a criatividade e a capacidade inventiva dos candidatos. Pelo contrário, é uma prova bastante técnica. Você não está fazendo uma redação para entrar em uma universidade, ocasião em que se quer provar sua capacidade de raciocínio e sua criatividade, cobrando-se narrações, fábulas ou dissertações politicamente engajadas. Trata-se de uma redação para ser admitido em um concurso público, e, como tal, a avaliação visa a verificar a capacidade de os candidatos lidarem com a modalidade culta da língua portuguesa de maneira (por falta de termo melhor) “diplomtica”. Isso envolve, entre inúmeras outras coisas, n~o usar linguagem conotativa, evitar preciosismos, ter argumentos claros e explícitos em cada parágrafo etc. Olhe as melhores respostas dos Guias de Estudos dos concursos anteriores, para ter uma noção do “estilo” de escrita preferido pela banca (todos os Guias de Estudos podem ser encontrados na pgina do Instituto Rio Branco, no site do Cespe ou no “REL UnB”9, uma página com diversos textos úteis sobre Relações Internacionais e sobre o CACD – falarei mais sobre essa página na seção de leituras recomendadas, na Parte IV).
8 Até o fechamento deste documento, não havia maiores novidades com relação a esse tema. O Projeto de Lei que cuida dessa temática é o PL 7579/2010. Atualmente (agosto/2001), o PL está em tramitação na Câmara dos Deputados.
Entre a realização da segunda fase e o início das provas da terceira fase, há um intervalo relativamente grande, de quase dois meses. Nesse período de tempo, ocorrem: correção da prova da segunda fase, divulgação dos resultados provisórios, período para interposição de recursos à correção, análise dos recursos interpostos e divulgação do resultado final da segunda fase.
Os candidatos aprovados na segunda fase (ou seja, aqueles que fizerem mais de 60 pontos de 100 na prova de Redação) passam à terceira fase, na qual são avaliados conhecimentos mais específicos nas seis provas que a compõem. A terceira fase é aplicada, normalmente, em três finais de semanas consecutivos, com uma prova no sábado e outra no domingo. Assim, esgotam-se as seis provas. A aplicação da quarta fase costuma ser concomitante à da terceira (em 2011, por exemplo, as duas provas da quarta fase foram aplicadas na tarde do último domingo de provas da terceira fase, mas isso pode variar; em 2010, por exemplo, as duas provas foram feitas em dias separados) – embora só sejam divulgadas as notas das provas da quarta fase dos candidatos que obtiverem o somatório mínimo de 360 pontos na terceira fase, como já indicado anteriormente. Em síntese, a terceira e a quarta fases são aplicadas em três finais de semana consecutivos, mas a ordem das provas costuma variar todos os anos.
O resultado final do concurso é dado pelo somatório das notas da segunda, da terceira e da quarta fases (como se pode ver, a nota da primeira fase é descartada, contando apenas como último critério de desempate, após vários outros). A seguir, veja uma tabela com as pontuações de alguns candidatos dos últimos concursos realizados. Estão discriminadas as pontuações totais dos candidatos que ficaram no 1º, no 25º, no 50º, no 75º e no 100º lugar, nos últimos seis concursos.

Dúvidas Frequentes: o concurso
- Ainda há entrevista/prova oral? Não existe mais.
- É possível passar no concurso enquanto trabalha 8h por dia? Já vi vários casos assim. É óbvio que isso deve requerer uma disciplina ainda maior, estudos ainda mais puxados etc., mas nem todo mundo que passa no CACD teve tempo de estudos integral. Casos de quem é aprovado com 6 ou 8 horas diárias de trabalho são mais frequentes do que se imagina.
- Quanto vou gastar com cursinho? É impossível fazer uma estimativa, tudo depende muito de diversos fatores, entre eles: a quantidade de matérias que você irá cursar, o cursinho que irá frequentar (há grande diferença de preços e de qualidade, não necessariamente proporcionais), o tempo gasto até a aprovação, as eventuais despesas de morar fora etc. Mesmo se alguém quiser só uma estimativa, uma margem de gastos, não tem como dar. Você pode gastar R$2.000, R$10.000, R$20.000 ou mais só com cursinho, então, infelizmente, essa informação é muito relativa.
- Vou começar a estudar do “zero”. Por onde começo? Não sei o que dizer nessa situação. Talvez, por História Mundial. Fazer uma prova de primeira fase antiga, só para ter uma noção geral do nível da prova, pode ajudar (mas também pode desanimar, e muito). Tente equilibrar as coisas: um pouco de História, Geografia e Português (que são revisões dos tempos de colégio), passe para as demais disciplinas (Economia e Direito) e acho que Política Internacional pode deixar para começar um pouco depois, já que muita coisa depende de conhecimentos de todas as outras disciplinas. Só não se esqueça de dar atenção, também, às línguas: Inglês, Francês e Espanhol têm sido essenciais. Não as despreze.
- Posso ter tatuagem? N~o h nenhuma proibiç~o. Alguns diziam: “mas eles podem implicar na hora da entrevista”. Problema resolvido, pois n~o h mais entrevista. H, apenas, exame médico e psicológico, que só impedem a posse se houver alguma doença séria que incapacite o candidato ao eficaz exercício da profissão.
- Preciso fazer Direito ou Relações Internacionais? Não. Qualquer curso superior reconhecido pelo MEC é válido. De todo modo, acho que predominam, entre os aprovados, os formados nessas áreas. Em 2011, foram 9 graduados em Direito e 7 graduados em Relações Internacionais. Apesar disso, houve, também, aprovados graduados em: Filosofia, Comunicação, Psicologia, Publicidade, Antropologia, Economia, Jornalismo, Administração e Letras – Alemão.
- Se eu tiver mais de uma graduação/especialização/mestrado/doutorado/PhD, levo vantagem no concurso? Não. Ter mais de uma graduação, especialização, mestrado, doutorado, PhD, experiência profissional, tudo isso não acrescenta nada à pontuação do candidato no concurso. A única coisa que conta para a aprovação é a nota nas provas do concurso e ponto. Não sei se existe uma estatística quanto à parcela dos aprovados que tem um adicional à formação do curso superior, mas eu, mesmo, não tenho nada além de minha graduação e não acho que isso tenha prejudicado ou dificultado em absolutamente nada minha preparação.
- No CACD, é possível escolher entre Francês OU Espanhol? Não! Francês E Espanhol. Não sei se muitos se confundem porque, há alguns anos, era diferente, mas ambas as línguas são obrigatórias na quarta fase (em 2011, as provas das duas línguas foram realizadas simultaneamente, com as questões de 1 a 10 de Espanhol e de 11 a 20 de Francês).
- Há cotas no concurso? Mais ou menos. Não há reserva de vagas para afrodescendentes, se é o que você pensou. Em 2011, o concurso passou a contar com um bônus para afrodescendentes. No momento da inscrição, os candidatos podiam declarar-se afrodescendentes. Além de convocar para a segunda fase os 300 candidatos mais bem colocados na primeira fase, os próximos 30 candidatos que se houvessem declarado afrodescendentes também foram convocados, com um total de 330 aprovados na primeira fase (mais os aprovados portadores de deficiência, mas eles têm reserva de vaga, os afrodescendentes não). Da segunda fase em diante, não houve qualquer vantagem para os candidatos afrodescendente que foram aprovados na primeira fase entre as trinta vagas adicionais, competindo de igual para igual com os demais.
- E as bolsas de estudos para afrodescendentes? Todos os anos (normalmente, no segundo semestre do ano), o Instituto Rio Branco realiza um processo seletivo para candidatos à carreira diplomática que se considerem afrodescendentes e que necessitem de ajuda financeira, para bancar os estudos (“Bolsa-Prêmio de Vocação para a Diplomacia”), que d bolsa de estudos de R$25.000 aos selecionados. Maiores informações podem ser conseguidas na página do Instituto Rio Branco (http://www.institutoriobranco.mre.gov.bpt-bprograma_de_acao_afirmativa.xml) ou no site do Cespe (página do processo de 2010: http://www.cespe.unb.bconcursos/IRBRBOLSA2010/)
Várias outras perguntas frequentes são respondidas no site do Instituto Rio Branco, no endereço: http://www.institutoriobranco.mre.gov.bpt-bperguntas_freq%C3%BCentes.xml
Consulte, também, a “FAQ do Godinho”, indicada anteriormente e disponível no endereço:
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.06.29 20:20 throwaway2159861 Fracassei em todos os aspectos da minha vida

Boa tarde, estou precisando desabafar e resolvi contar aqui grande parte da minha história e talvez fazer uma auto-análise. Imagino pelo que vi e vivenciei que é possível que muitas pessoas se identifiquem com os assuntos que eu vou falar, então pode até ser uma leitura interessante.
Antes de começar, recomendo essa música pra quem por ventura vier a ler o texto abaixo. Ela não tem nada de especial, mas eu gosto bastante dela.
https://www.youtube.com/watch?v=7NLvmr7zpso
Pois bem, atualmente tenho 28 anos, quase fazendo 29 e estou terminando a minha segunda faculdade. Provavelmente algumas coisas em relação a datas serão confusas pois além da minha memória ser bastante ruim, ela se restringe aos últimos 5 anos da minha vida. Então, as últimas memórias que eu tenho são da copa de 2014 no Brasil onde consegui assistir a alguns jogos. Eu não sei se isso é neurológico, mas estou pra ver isso tem alguns anos já. Antes que perguntem, eu tenho memórias de situações anteriores, mas em vez de lembrar do fato em si eu me lembro de alguma outra pessoa me contando, então é uma espécie de memória de segunda mão.
Enfim, quando eu tinha cerca de 10 anos eu tive depressão crônica e comecei a tomar medicamentos para tratar isso. Por volta dos 13~14 além do tratamento da depressão, eu comecei a ter ataques de pânico intensos, de modo que eu tive que abandonar o colégio por cerca de 6 meses pois eu não conseguia sair de casa. Também desenvolvi um distúrbio de personalidade esquizóide. Felizmente acabei não perdendo o ano pois a direção entendeu a minha situação e eu tinha boas notas, esporadicamente eu arrumava a matéria do colégio e lia em casa pra tentar aprender alguma coisa. Curiosamente um amigo meu me contou anos depois que a minha mãe por volta dessa época pediu pra ele e alguns outros amigos tentarem me convencer de ir numa excursão do colégio que seria durante um feriado prolongado.
Avançando um pouco, por volta dos 17 anos e perto de prestar o vestibular, eu não tinha a menor idéia de qual curso eu deveria escolher. Cheguei a perguntar para o meu pai se ele poderia me dar mais um ano pra escolher a carreira enquanto eu fazia um cursinho mas ele só riu e achou que eu estivesse de sacanagem. Por fim, acabou falando pra eu fazer Direito pois ele sempre achou que todo mundo deveria saber o básico das leis, além do fato de ter trocentos concursos públicos disponíveis pros graduados. Nesta época, eu já estava de saco cheio de estar indo no psicólogo e no psiquiatra com regularidade, além de ter que tomar os medicamentos todo dia. Pra ser sincero, comecei a tomar os medicamentos em dias alternados em vez de diariamente e cada vez mais fui espaçando, até o ponto de achar que eu não precisava tomar mais. Não notei mudança nenhuma no meu comportamento, apenas uma grave insônia. Depois de um tempo então revelei que eu não estava mais tomando os medicamentos para os médicos e para os meus pais e como aparentemente não fazia diferença nenhuma porque ninguém percebeu, eu só parei de frequentar o psicólogo e psiquiatra de um dia pro outro.
Como eu não sabia pra qual curso prestar vestibular, acabei acatando a idéia do meu pai, só que eu não tinha motivação nenhuma pra estudar. Aliás, eu nunca tive e sempre fiz parte da grande maioria dos alunos que estudam apenas na véspera. Para a minha grande surpresa, acabei passando no vestibular e só fiquei sabendo aos 45 do segundo tempo, no penúltimo dia da pré-matrícula quando um amigo meu veio me dar parabéns. Foi uma conversa engraçada, ele me deu parabéns mas eu não sabia pelo quê, já que eu não tinha acompanhado o resultado do vestibular pelo fato deu não ter estudado durante o ano. Foi uma grande sorte, que aliás é um tema recorrente na minha vida. Dei sorte do meu colégio dar o conteúdo inteiro durante o 1º e 2º anos do ensino médio, deixando o 3º ano apenas pra revisão da matéria toda, então querendo ou não, eu assistindo as aulas acabei fazendo uma revisão sem querer. Dei muito mais sorte do meu amigo ter me avisado, já que sem ele eu perderia a matrícula e só deus sabe o que aconteceria. Talvez eu conseguisse o meu sonhado ano pra descobrir o que eu queria fazer da vida, mas me conhecendo, acho que eu apenas procrastinaria por mais um ano.
Já no começo da faculdade eu percebi que as carreiras legais não eram pra mim. Na verdade, analisando friamente, tenho certeza de que eu seria um bom juiz, devido à minha personalidade e jeito de ser. Infelizmente nasci sem a motivação necessária para traçar objetivos de longo prazo e perseguí-los. É bem verdade que eu considero que não se nasce com isso e que é tudo uma questão de disciplina, mas não me vejo mudando isso na minha personalidade no curto, médio ou longo prazo. Talvez seja um mecanismo de defesa pra me prevenir do fracasso, afinal de contas, ninguém pode dizer realmente que fracassou se nem tentou.
Enfim, apesar de achar a área da advocacia algo bastante chato, passei a me interessar moderadamente pela área acadêmica, mais especificamente pelo jusnaturalismo. Na época da faculdade comecei a ler um pouco sobre religião comparada e sempre achei que o direito sem uma base metafísica não passa de um jogo de poder onde quem possui mais faz a lei e quem não possui apenas obedece. Até hoje tenho vontade de realizar uma pesquisa acadêmica sobre isso, mas as chances beiram a zero pois a vida acontece.
Também durante a faculdade eu comecei a ter recaídas da depressão, mas como eu já conhecia os sintomas, eu sempre tomava medidas contra a minha própria vontade para tratar o problema no início. Eu tinha que manter um horário de sono regular, fazer algum tipo de exercício físico diariamente e ter uma alimentação mais saudável. Isso realmente funciona, então se alguém estiver passando por isso, recomendo fazer isso antes de partir para algo mais radical. O problema é que isso é chato demais e eu não conseguia manter essa disciplina por muito tempo, então eu ficava alternando períodos bons e ruins. Na verdade, isso acontece até hoje, mas aos poucos fui aprendendo a lidar com isso.
Vou abrir um parêntese aqui pois pelos anos de experiência, percebo que muitas pessoas passam pelo mesmo problema que eu, sobretudo aqui que é um lugar para desabafos anônimos. Também não é um assunto fácil de conversar com as pessoas, a não ser que você tenha ótimos amigos ou uma família bem estruturada que se importa realmente com você. A minha família sempre me deu essa abertura, mas por conta da minha personalidade eu nunca fui capaz de falar nada disso com eles. Aliás, não sei nem se adiantaria alguma coisa falar com eles. Acredito que o melhor meio mesmo seja apenas ler relatos na internet de pessoas que passam por uma situação semelhante pra saber que isso não acontece só com você. Acho que isso foi o grande motivador pra eu escrever este texto.
Gostaria de falar sobre sentimentos. É bastante paradoxal, visto que eu sou literalmente analfabeto em matéria de sentimentos e não sinto quase nada devido à minha TPE. Ainda sim, acredito que ajuda bastante saber que alguém tem a mesma sensação que você, pois é algo difícil de colocar em palavras. A pior delas é justamente esse algo que não tem nome. É como se fosse alguma coisa queimando, mas não queimando num sentido físico. Está mais para uma dor na alma, ainda que paradoxalmente a dor pareça física. Desde pequeno eu sinto isso e não consigo imaginar a minha vida sem sentir isso. A melhor forma que eu encontrei de descrever essa sensação até hoje foi como se existisse um buraco negro em algum lugar aqui dentro e que ele estivesse sugando tudo, até mesmo a tristeza, só que como ela está em maior quantidade, é o que acaba sobrando pra gente, ainda que essa tristeza não seja tão intensa quanto já foi em outros momentos.
Voltando, já no meio da faculdade eu sabia que teria problemas caso eu decidisse mudar de carreira pois seria bem mais difícil a minha entrada no mercado de trabalho sem experiência e com uma idade avançada, sem contar psicologicamente, já que os meus amigos estariam numa posição mais avançada da carreira profissional e consequentemente ganhando muito mais dinheiro que eu, o que é difícil pra qualquer pessoa, ainda que você não se importe muito com isso. Eu decidi não abandonar o curso no meio pois era um curso de renome numa excelente faculdade, então ainda tive que aturar mais 2,5 anos estudando algo que eu não gostava só pra pegar o diploma no final tendo certeza que eu não iria usá-lo.
Pois bem, prestei o enem no último ano da faculdade e consegui emendar um curso no outro. Não pra minha surpresa, descobri que o segundo curso que eu escolhi também era horrível e confesso que até cogitei em voltar pra advocacia. O problema é que eu não tive nenhuma experiência profissional em escritórios de advocacia e já esqueci o conteúdo da faculdade anterior, o que basicamente me impossibilita de voltar pra carreira anterior.
Ao menos arrumei um estágio e estou ganhando um salário mínimo por mês até eu me formar, que eu espero que seja daqui a dois meses. A parte ruim é que provavelmente não vão me contratar e eu vou ficar desempregado, a parte boa é que eu odeio o meu trabalho e provavelmente não vou aguentar nem mais 1 ano trabalhando lá.
Dito isto, vamos aos problemas e ao real motivo do desabafo. De uns tempos pra cá o negócio do meu pai está indo muito mal, de modo que tivemos que pegar alguns empréstimos com o banco e o coronavírus acabou forçando o negócio a ficar parado desde março. Então, já estamos numa situação periclitante.
Não bastasse isso, recentemente meu pai teve que operar para tirar um tumor e ao que tudo indica, provavelmente ele está com câncer. Além disso o meu pai está no limite de fazer parte do grupo de risco do covid e trabalha com atendimento ao público. Não sei como faremos pra tomar conta do negócio, já que ele provavelmente vai ter que parar de trabalhar pra fazer o tratamento.
A minha mãe por sua vez é aposentada por invalidez. A minha irmã tentou abrir um negócio também mas foi paralisado pelo coronavírus, sendo que ele já não ia bem. Desde o ano passado ela veio com uma proposta deu tomar conta da parte administrativa da coisa e tirar um dinheiro para mim do que entrar, mas a verdade é que ainda não consegui tirar sequer 1 real da coisa pois essa é a única fonte de sustento da minha irmã, então tudo o que eu consegui foi trabalhar de graça e um monte de dor de cabeça.
Eu por minha vez estou trabalhando entre 10 e 14h por dia ganhando um salário mínimo, fora o estresse e ainda tenho cerca de 5 semanas pra escrever o TCC que eu nem comecei pra me formar na faculdade daqui a 2 meses.
A única notícia boa que eu tive recentemente foi um conhecido meu ter me contado que só não se matou porque há uns anos atrás eu liguei e conversei com ele bem no dia em que ele tinha pretendido se suicidar.
Dada a minha situação é difícil não pensar em se matar constantemente. Não que isso seja algo novo, tenho esses pensamentos recorrentes desde os 13 ou 14 anos de idade, mas entre pensar e fazer existe um abismo infinito de modo que eu nunca cogitei seriamente fazer isso. Ainda sim, deixo sempre a opção aberta muito embora eu tenha me decidido a fazer isso só depois dos meus pais e da minha irmã morrerem.
Sendo bem sincero, motivos mesmo pra continuar vivendo eu não tenho nenhum. A única coisa que ameniza um pouco é eu tentar deixar a vida um pouco menos merda para os meus familiares, só que o fato é que eu tenho 28 anos na cara e não consigo nem me sustentar sozinho. Se o meu pai morrer, seja de câncer ou de coronavírus, imediatamente teremos que vender o apartamento e ir morar de aluguel ou com algum parente.
Eu acho que isso tudo é culpa minha, mas no fundo eu sei que não é, já que ninguém é capaz de prever o futuro. Também sei que a minha situação não é tão ruim quanto a de outros, já que eu ainda tenho um teto e comida, mas também sei que a coisa pode ficar feia muito rápido.
Acho que o maior agravante é que eu não tenho sequer 1 área da vida onde eu tenho um desempenho satisfatório. Fracassei economicamente, já que não consigo me sustentar; Fracassei amorosamente, visto que não tenho perspectiva nenhuma de constituir família; Fracassei socialmente pois o meu já pequeno círculo de amizades está se tornando cada vez menor muito pela perda de contato, já que eu não tenho mais como acompanhar os meus amigos com tanta frequência devido à falta de tempo e dinheiro; e a pior de todas, é a sensação de que fracassei como filho. Sim, é verdade, e eu tenho certeza que ninguém nunca vai falar isso, mas não existe nada mais natural que os filhos tomarem conta dos pais na velhice. Infelizmente pra mim, esse tempo chegou e eu não fui capaz de resolver esse problema à altura.
Quem não gostaria de bancar os pais para eles pararem de trabalhar, depois de uma vida inteira de trabalho? No meu círculo social já há pessoas que conseguiriam fazer isso, ao menos durante esse período de quarentena. É inevitável a comparação, mesmo sabendo que cada um é cada um. Eu sempre soube que seria difícil não ficar chateado com esse tipo de coisa quando eu escolhi mudar de carreira, mas está beirando o impossível. Não apenas no aspecto econômico, mas também no aspecto afetivo. Desde sempre a minha família soube que eu era praticamente um autista no quesito de relações sociais, ainda que eu esteja infinitamente melhor do que quando eu era mais novo. O que pega mais, é que no meu íntimo eu sequer considero a minha família como família propriamente dita. Eu entendo que eu tenho um dever moral para com eles, mas não vejo diferença entre eles e os outros seres humanos. É por isso que eu nunca falei eu te amo para eles e nem para ninguém. Não tenho certeza se eu vou chegar a falar isso pra alguém na minha vida, mas tudo indica que não.
Enfim, eu tinha mais coisas pra falar, mas infelizmente tenho que voltar a trabalhar. Desabafar aqui não foi ruim, eu deveria fazer isso mas vezes. Dito isto, eu estou juntando um dinheiro pra me consultar com um psicólogo online depois de quase 10 anos. Eu gostaria de ter dinheiro pra fazer pelo menos 2 meses, mas é difícil achar um psicólogo bom na faixa de preço que eu posso pagar.
Se possível, eu também gostaria de um feedback sobre o texto em si. Eu tenho uma conta anônima no medium e escrever lá, ainda que infrequentemente por falta de tema ou tempo, acabou se tornando uma das poucas diversões que eu tenho, muito embora eu ache que seja difícil alguém chegar a ler até o final, dado o tamanho imenso do texto.
É isso, excelente dia pra vocês.
submitted by throwaway2159861 to desabafos [link] [comments]


2020.06.27 15:10 AntonioMachado [2005] Domenico Losurdo - Marx, a tradição liberal e a construção histórica do conceito universal de homem

Artigo: http://www4.pucsp.bneils/downloads/v13_14_losurdo.pdf
submitted by AntonioMachado to investigate_this [link] [comments]


2020.06.08 20:03 KiwiTaBravo O Pior Ex que Já Tive

Olá Luba, amáveis editores, psi psi gatinhas, falecidos papelões e pessoas à ler. A história que irei contar é do meu primeiro namoro, quando eu tinha por volta de 13 à 14 anos. Naquela época eu sofria de 3 coisas bem significativas: depressão profunda, começo de anorexia severa e fobia social específica. Eu conheci o garoto que, vamos censurar the name, chama-se Vars. Nós começamos a nos falar por termos amigos em comum. No começo nosso assunto era preso ao fato dele ter GRANDES problemas com sua namorada, mas logo fomos abrindo novos temas. Com o tempo viramos melhores amigos e até era considerada sua “irmãzinha”. Depois de 7 meses de amizade, depois que ele supostamente terminou seu namoro, nós começamos a ficar. Aí começa a merda. Nos dois primeiros meses o único problema que me fazia evitar conversar com ele era que não parava de falar da ex, que queria falar com ela, voltar com ela, só citava como ela era com ele antes e etc. Okay, beleza, pra alguém sem auto estima que tinha medo de ficar só, aquilo foi aceitável pra mim. Logo, ele começou a jogar na minha cara que conhecia crianças mais gostosas do que eu, que meu corpo não era tão bom, que tais meninas mais bonitas do que eu pediam pra ficar com ele e que eu devia ser grata por ele recusar todas. Patético. Quando finalmente fizemos 4 meses eu percebi que minha saúde mental piorou muito, constantemente ele dizia pra eu me matar e que deveria fazer isso direito. Eu estava cansada. Então, peguei as poucas gotas de sanidade e amor próprio que me sobraram então... Eu terminei. Finalmente. Me senti livre mas isso durou pouco tempo. Como eu resisti as ameaças e chantagens emocionais dele para que voltássemos, paguei por um preço horrível. Ele espalhou cada um dos meus nudes e dados pela internet. Tinham no Facebook, em vários grupos de whatsapp de gente que eu nunca conheci, no twitter, etc... Então eu tive uma crise e fiz o que ele tanto pedia, tentei me matar. Eu, graças aos meus pais que choraram e cuidaram de mim em desespero, estou bem hoje. Mas, até hoje, tenho as piores crises de ansiedade e desenvolvi ataque de pânico. Quando penso na idéia de um dia tudo isso voltar pra mim tenho outro ataque, ao menos hoje namoro com alguém que me ama e me protege de tudo que é ruim A história não é lá grande coisa mas é isso, beijos Lubixco e turma 2> <4
submitted by KiwiTaBravo to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.22 12:35 diplohora Grupo Ubique - curso de PI com diplomata Romulo Neves_ CACD2020

Post original do Facebook
Detalhes sobre o Curso Preparatório de Política Internacional para o CACD 2020, que começa no próximo sábado, dia 23/05.
O curso foi elaborado para que você estude de maneira inteligente para o CACD e esteja habilitado a discorrer com segurança sobre os principais temas da agenda internacional, sem perder tempo selecionando temas e selecionando material relevante. Nós organizamos o conteúdo de maneira coerente e sintética para você.
Um dos objetivos do curso é o de ajudá-lo a superar aquela sensação de estar deixando algo para trás ou de se sentir afogado por tanta informação.
As aulas cobrirão os 30 principais temas da agenda internacional. Uma aula semanal, com dois temas, com duração de 2h a 2h30, para cobrir toda a agenda internacional contemporânea.
Por favor, leia atentamente as informações abaixo, sobre os detalhes do curso. Se não encontrar alguma informação relevante, não hesite em entrar em contato novamente pelo e-mail [email protected]
A matrícula estará disponível a partir de quarta-feira, dia 20/05, e poderá ser paga por meio de cartão de crédito ou Pay Pal na página do Grupo Ubique.
Como está organizado o curso? Quem é o professor? Qual é a frequência das aulas? Com funcionam as aulas? Com funciona o acesso às aulas? Quando começa o curso? Posso assistir à aula várias vezes? Por que é um curso específico de Política Internacional? Por que as aulas sobre cada tema têm apenas 1h-1h15 de duração? Como devo assistir às aulas? Além das aulas, haverá alguma outra interação com o professor? As aulas tratarão dos temas em relação ao Brasil? Posso interromper o curso? Qual a duração do curso? Quanto custa o curso? Tem desconto de lançamento? Que recursos complementares terei acesso como aluno do curso de Política Internacional? Haverá biliografia complementar? Quais são os temas das aulas do curso?
Como está organizado o curso? São 16 aulas, uma por semana, cobrindo os 30 assuntos mais importantes da agenda internacional. As aulas sintetizam e estruturam os principais elementos de cada assunto, habilitando o aluno a responder questões de múltipla escolha, mas também, e principalmente, a discorrer com segurança em questões discursivas sobre os assuntos abordados. Além dos 30 principais temas da agenda internacional, haverá uma aula sobre o método de preparação e uma aula bônus, sobre as alterações nos fluxos do comércio global nos últimos 10 anos.
Quem é o professor? O professor Rômulo Neves é diplomata de carreira, há 15 anos, tendo servido na Venezuela, Suriname, Etiópia e, atualmente, no Paquistão. Fui ainda Chefe da Divisão da Sociedade da Informação e da Divisão de Oceania. Tem 14 anos de experiência docente, tendo lecionado nos curso de Sociologia na UnB; de Relações Internacionais no IESB, UDF e UniCeub e de Direito na Uniplac. É formado em Ciências Sociais, pela USP, com especialização em Economia e Relações Internacionais e mestrado em Sociologia, pela mesma universidade. É mestre em Diplomacia pelo Instituto Rio Branco, tendo ganhado o Prêmio Araújo Castro pela dissertação de Mestrado. Foi aluno do curso de doutorado em Sociologia, da UnB, tendo trancado em função de transferência ao exterior. Foi jornalista, cobrindo Economia, nos jornais Gazeta Mercantil e Folha de São Paulo.
Qual é a frequência das aulas? Uma aula semanal, cobrindo dois temas da agenda internacional.
Com funcionam as aulas? As aulas com duração de 2h a 2h30 estão estruturadas para dar ao aluno um completo panorama de cada tema, habilitando-o a compreender os principais elementos dos assuntos tratados e montar sua própria linha de raciocínio. Por essa abordagem, detalhes e informações complementares, que também aparecerão nas aulas, podem ser usados como ilustração dos pontos, mas não são o foco da preparação. Não se trata de um compêndio de detalhes, mas de compreender as chaves de compreensão dos temas. Cada aula apresenta os fatos relevantes para cada tema da agenda, os interesses subjacentes, as disputas em andamento e a estrutura dos principais problemas em cada um dos temas. As aulas foram estruturadas para que não seja necessário recorrer a material externo para que o estudante domine a estrutura do tema e possa elaborar um texto próprio sobre cada um dos temas tratados. As provas subjetivas do CACD não são testes de memória, mas uma avaliação sobre a sua capacidade de compreensão dos principais temas da agenda internacional e sua habilidade em elaborar um texto estruturado sobre esses temas. As aulas trabalham essa capacidade. Ao final de cada aula, é apresentada uma lista com os principais pontos tratados, para auxiliar o processo de fixação da estrutura. Os alunos poderão enviar questões por e-mail, logo depois da aula. As respostas às questões estruturais mais importantes e relevantes serão enviadas a toda a turma ao longo da semana seguinte. Espera-se que, se o candidato tem uma curiosidade pessoal específica sobre alguma questão pontual ou detalhes complementares, ele possa buscar a informação por meio de pesuisa própria. Recorda-se, porém, que o concurso cobre uma quantidade muito abrangente de disciplinas, e todo o tempo disponível deveria ser dedicado à preparação eficiente em todas elas. No caso da disciplina de Política Internacional Contemporânea, com pouquíssimas exceções, detalhes complementares não são relevantes para a preparação para as provas do CACD.
Com funciona o acesso às aulas? Depois de efetivada a matrícula, o aluno receberá uma senha para acessar a área do aluno na página do Grupo Ubique (www.grupoubique.com.br), onde suas aulas poderão ser acessadas.
Quando começa o curso? O curso começa no sábado, dia 23/05. A aula do sábado será ao vivo, mas quem não puder assistir a aula no sábado, poderá assistir a reprise que estará acessível da manhã da quarta-feira seguinte até a noite de sexta-feira, para acesso no horário mais conveniente do aluno. Quem adquirir o curso posteriormente, vai iniciar o curso a partir do momento da aquisição, com a disponibilização de uma aula por semana, na ordem dos outros alunos.
Posso assistir à aula várias vezes? Os alunos terão acesso uma vez à aula da semana em horário à sua escolha no período de quarta à sexta, posterior à aula ao vivo no sábado. Os alunos que assistirem à aula ao vivo, terão acesso mais uma vez no período citado. Os alunos que optarem por assistirem no período de quarta à sexta, terão acesso apenas uma vez à aula. Durante o acesso, é possível pausar e voltar a apresentação quantas vezes quiser, mas uma vez desconectado, não haverá a possibilidade de novo acesso. Esse formato foi definido em razão de 3 fatores: i) o curso foi desenvolvido para você economizar tempo e estudar de maneira eficiente. Não é esperado que você decore o conteúdo, mas que consiga, a partir de suas anotações desenvolver sua própria narrativa sobre o ponto, incluir o conhecimento em seu repertório, num formato que faça sentido para você; ii) não é desejável que o aluno fique assitindo várias vezes o mesmo conteúdo, levando em consideração a quantidade de material a ser estudado para o concurso e; iii) infelizmente, o compartilhamento e a pirataria de material didático é uma constante no ambiente dos concursos. Mesmo matendo o preço o mais acessível possível, o risco de compartilhamento indevido de material é muito alto, mesmo que a prática seja desonesta e pouco inteligente, já que aumenta artificialmente a vantagem dos concorrentes (o termo de uso assinado no momento da matrícula citará o impedimento de reprodução). Assim, como uma aula presencial, o aluno terá acesso uma vez ao conteúdo, com exceção daqueles que assistirem à aula ao vivo no sábado. Mas todos os alunos que participarem do curso vão ter acesso uma vez mais a todas as aulas do curso, ao final das aulas. Assim, uma última revisão de algum tema específico será possível para todos os alunos.
Por que é um curso específico de Política Internacional? Porque se trata da disciplina mais trabalhosa para o candidato selecionar o material relevante e organizar seus estudos. Muitas vezes os estudantes perdem mais tempo garimpando material do que propriamente estudando. Como a disciplina é formada por pontos nos quais os 2 ou 3 anos anteriores podem ser cruciais, não há biliografia atualizada para cobrir todos os pontos essenciais de cada tema. Assim, o acompanhamento do material publicado na imprensa é essencial. E seguirá sendo. O curso, entretanto, vai habilitar o candidato a identificar rapidamente o que é relevante no material publicado na imprensa em cada tema, bem como agregar eventuais novas informações a uma análise estruturada, que estará habilitado a realizar a partir do curso. Em suma, o estudante não apenas estará preparado para discorrer sobre os temas estudados em qualquer circunstância, como também a economizar tempo, identificando o que é e o que não é relevante no material publicado na imprensa em cada tema. O curso é indicado para todos os estudantes que queiram economizar tempo para cobrir a bibliografia das outras disciplinas cobradas no concurso. Para as outras disciplinas, a bibliografia contida nos editais cobre bem o conteúdo.
Por que as aulas sobre cada tema têm apenas 1h a 1h15 de duração? As provas discursivas nos concursos públicos não são compostas de perguntas que avaliam apenas o conteúdo da disciplina, mas a capacidade de articulação e expressão dos candidatos. Assim, tão ou mais importante do que conhecer todos os detalhes de determinado assunto, é crucial identificar quais são os principais pontos de inflexão e como é possível interligar os diferentes assuntos da agenda internacional. Aulas expositivas de 3h ou 4h geralmente se perdem em detalhes que podem parecer centrais, mas são apenas acessórios e prejudicam a preparação do candidato, roubando foco e tempo. O objetivo é habilitar o candidato a articular os temas, discorrer sobre os principais aspectos que conformam aquela agenda e não a escrever um compêndio de detalhes. Lembre-se, você fará provas de outras disciplinas cuja natureza - de conteúdo estruturado em livros texto - é mais própria ao tratamento do detalhe do detalhe do que a prova de Política Internacional. É improvável que as questões de uma prova discursiva de Política Internacional se limitem a detalhes de aspectos secundários. O foco deve ser a compreensão da agenda, dos principais interesses em jogo e dos pontos de transição e inflexão. Fatos pitorescos podem ser um adendo interessante, mas dificilmente serão o cerne de uma resposta bem avaliada nessas provas. Assim, o foco do curso é na compreensão da estrutura dos assuntos, onde os pontos de inflexão servem para o encadeamento da análise e não como curiosidades secundárias. Obviamente, informações complementares estarão presentes nas aulas, mas como ilustração da estrutura do tema e não como a estrutura em si. Quanto mais claro estiverem os conceitos centrais, mais o estudante pode compreender a função de informações complementares na estutura de sua resposta. As aulas são relativamente curtas exatamente para ajudá-lo a controlar e aproveitar melhor o seu tempo. Não se perca no planejamento.
Como devo assistir às aulas? As aulas estão estruturadas com a apresentação de um conjunto de eventos e informações que se interligam e se conectam para uma compreensão da agenda de maneira integral. Assim, espera-se que o estudante: i) separe o tempo para assistir à aula de maneira integral, evitando interrupções ou distrações durante a aula. ii) tome notas dos principais temas apresentados. A tomada de notas estrutura o tema a partir de sua percepção. As notas fixam em sua memória o encadeamento e o desenvolvimento dos fatos. Não se trata de reescrever a totalidade da aula, mas de anotar os principais conceitos e tópicos para fixação e recuperação futura. iii) posteriormente, releia suas anotações e escreva um texto de três laudas sobre a sua compreensão sobre o tema. Este texto é a base de sua compreensão daquele tema da agenda. É o conteúdo que fará parte permanentemente de seu repertório. Em qualquer questão da prova que trate daquela temática, esses elementos poderão ser usados, com pequenas variações de ênfase, para estruturar sua resposta.
Além das aulas, haverá alguma outra interação com o professor? As principais perguntas do conjunto de estudantes, de elementos estruturais dos temas tratados nas aulas, recebidas por e-mail, serão respondidas antes da próxima aula e serão disponibilizadas em área específica no site do Grupo Ubique. Além disso, o estudante terá direito a submeter um de seus textos a cada 4 semanas para correção e comentários da equipe do Ubique.
As aulas tratarão dos temas em relação ao Brasil? Nos temas em que for relevante, serão tratadas as posições internacionais do Brasil em relação ao tema. Na maioria dos temas, será apresentada de maneira sintética como aquele tema afeta o Brasil e seus interesses.
Posso interromper o curso? Caso tenha algum problema que o impeça de seguir o calendário de aulas, é necessário que informe por e-mail sobre a impossibilidade de seguir o calendário e solicite a suspensão da disponibilização das aulas. Para retomar a disponibilização, será preciso enviar um novo e-mail. O curso será retomado no ponto onde foi suspenso.
Qual a duração do curso? O curso terá duração de 16 semanas, a fim de habilitar os candidatos a participarem da 3.a fase do CACD 2020 tendo assistido a todas as aulas.
Quanto custa o curso? O curso custará R$ 1.200,00, com duração total de 4 meses, ou seja R$ 300 por mês. O pagamento poderá ser feito por meio de cartão de crédito ou Pay Pal.
Tem desconto de lançamento? Sim. Para os alunos que contratarem o curso até 22/05, há um desconto de 10%, o que resultado no custo total de R$ 1.080,00, ou seja R$ 270,00 por mês
Que recursos complementares terei acesso como aluno do curso de Política Internacional? Alunos do curso de Política Internacional terão direito a i) uma correção por mês de um texto de um tema, à escolha do candidato; ii) desconto de 40% na primeira compra dos serviços de correção do Ubique de textos e redações; iii) uma aula de mentoria para preparação do concurso, com o Prof. Marcílio Falcão, do Ubique; iv) 30% de desconto na correção do simulado de prova de PI a sere realizado pelo Ubique, no final do curso. Os candidatos inscritos no curso também receberão 2 aulas bônus: uma no início do curso, com dicas sobre como estudar Política Internacional, e outra no final do curso sobre Alterações no Fluxo Global de Comércio nos últimos 10 anos.
Haverá bibliografia complementar? O objetivo do curso é economizar o tempo do candidato. O curso parte da avaliação que a bibliografia existente não dá conta dos temas a serem estudados, pois precisariam obrigatoriamente ser complementada com muito material estruturado da imprensa, então não faz sentido indicar bibliografia que, por ser incompleta, não resolve o problema do candidato e, ainda toma tempo de preparação para outras disciplinas cujo material sim está organizado numa bibliografia de referência. Cada candidato poderá, caso seja de seu interesse, se aprofundar em determinado tema, mas o objetivo do curso é preparar os alunos para estruturar as grandes linhas dos principais temas da agenda internacional e não discorrer sobre os detalhes complementares de cada um desses temas. Em suma, o curso não seguirá nenhuma bibliografia de referência, porque já é a síntese de extensa bibliografia, complementada pela estruturação do material publicado na imprensa internacional, cuja leitura integral neste momento não é produtiva para a preparação do aluno.
Quais são os temas das aulas do curso? A lista com os 30 principais temas da agenda internacional, que serão tratados nas aulas, será enviada para os alunos no momento de sua matrícula. A lista é extensiva e almeja cobrir todos os principais pontos da agenda internacional. A própria lista é um plano de estudos detalhado, que ajudará o candidato a se sentir seguro e preparado para a prova de Política Internacional Contemporânea
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.05.22 12:33 diplohora Curso de PI com Romulo Neves -Grupo Ubique (2020)

Post original no Facebook
Detalhes sobre o Curso Preparatório de Política Internacional para o CACD 2020, que começa no próximo sábado, dia 23/05.
O curso foi elaborado para que você estude de maneira inteligente para o CACD e esteja habilitado a discorrer com segurança sobre os principais temas da agenda internacional, sem perder tempo selecionando temas e selecionando material relevante. Nós organizamos o conteúdo de maneira coerente e sintética para você.
Um dos objetivos do curso é o de ajudá-lo a superar aquela sensação de estar deixando algo para trás ou de se sentir afogado por tanta informação.
As aulas cobrirão os 30 principais temas da agenda internacional. Uma aula semanal, com dois temas, com duração de 2h a 2h30, para cobrir toda a agenda internacional contemporânea.
Por favor, leia atentamente as informações abaixo, sobre os detalhes do curso. Se não encontrar alguma informação relevante, não hesite em entrar em contato novamente pelo e-mail [email protected]
A matrícula estará disponível a partir de quarta-feira, dia 20/05, e poderá ser paga por meio de cartão de crédito ou Pay Pal na página do Grupo Ubique.
Como está organizado o curso? Quem é o professor? Qual é a frequência das aulas? Com funcionam as aulas? Com funciona o acesso às aulas? Quando começa o curso? Posso assistir à aula várias vezes? Por que é um curso específico de Política Internacional? Por que as aulas sobre cada tema têm apenas 1h-1h15 de duração? Como devo assistir às aulas? Além das aulas, haverá alguma outra interação com o professor? As aulas tratarão dos temas em relação ao Brasil? Posso interromper o curso? Qual a duração do curso? Quanto custa o curso? Tem desconto de lançamento? Que recursos complementares terei acesso como aluno do curso de Política Internacional? Haverá biliografia complementar? Quais são os temas das aulas do curso?
Como está organizado o curso? São 16 aulas, uma por semana, cobrindo os 30 assuntos mais importantes da agenda internacional. As aulas sintetizam e estruturam os principais elementos de cada assunto, habilitando o aluno a responder questões de múltipla escolha, mas também, e principalmente, a discorrer com segurança em questões discursivas sobre os assuntos abordados. Além dos 30 principais temas da agenda internacional, haverá uma aula sobre o método de preparação e uma aula bônus, sobre as alterações nos fluxos do comércio global nos últimos 10 anos.
Quem é o professor? O professor Rômulo Neves é diplomata de carreira, há 15 anos, tendo servido na Venezuela, Suriname, Etiópia e, atualmente, no Paquistão. Fui ainda Chefe da Divisão da Sociedade da Informação e da Divisão de Oceania. Tem 14 anos de experiência docente, tendo lecionado nos curso de Sociologia na UnB; de Relações Internacionais no IESB, UDF e UniCeub e de Direito na Uniplac. É formado em Ciências Sociais, pela USP, com especialização em Economia e Relações Internacionais e mestrado em Sociologia, pela mesma universidade. É mestre em Diplomacia pelo Instituto Rio Branco, tendo ganhado o Prêmio Araújo Castro pela dissertação de Mestrado. Foi aluno do curso de doutorado em Sociologia, da UnB, tendo trancado em função de transferência ao exterior. Foi jornalista, cobrindo Economia, nos jornais Gazeta Mercantil e Folha de São Paulo.
Qual é a frequência das aulas? Uma aula semanal, cobrindo dois temas da agenda internacional.
Com funcionam as aulas? As aulas com duração de 2h a 2h30 estão estruturadas para dar ao aluno um completo panorama de cada tema, habilitando-o a compreender os principais elementos dos assuntos tratados e montar sua própria linha de raciocínio. Por essa abordagem, detalhes e informações complementares, que também aparecerão nas aulas, podem ser usados como ilustração dos pontos, mas não são o foco da preparação. Não se trata de um compêndio de detalhes, mas de compreender as chaves de compreensão dos temas. Cada aula apresenta os fatos relevantes para cada tema da agenda, os interesses subjacentes, as disputas em andamento e a estrutura dos principais problemas em cada um dos temas. As aulas foram estruturadas para que não seja necessário recorrer a material externo para que o estudante domine a estrutura do tema e possa elaborar um texto próprio sobre cada um dos temas tratados. As provas subjetivas do CACD não são testes de memória, mas uma avaliação sobre a sua capacidade de compreensão dos principais temas da agenda internacional e sua habilidade em elaborar um texto estruturado sobre esses temas. As aulas trabalham essa capacidade. Ao final de cada aula, é apresentada uma lista com os principais pontos tratados, para auxiliar o processo de fixação da estrutura. Os alunos poderão enviar questões por e-mail, logo depois da aula. As respostas às questões estruturais mais importantes e relevantes serão enviadas a toda a turma ao longo da semana seguinte. Espera-se que, se o candidato tem uma curiosidade pessoal específica sobre alguma questão pontual ou detalhes complementares, ele possa buscar a informação por meio de pesuisa própria. Recorda-se, porém, que o concurso cobre uma quantidade muito abrangente de disciplinas, e todo o tempo disponível deveria ser dedicado à preparação eficiente em todas elas. No caso da disciplina de Política Internacional Contemporânea, com pouquíssimas exceções, detalhes complementares não são relevantes para a preparação para as provas do CACD.
Com funciona o acesso às aulas? Depois de efetivada a matrícula, o aluno receberá uma senha para acessar a área do aluno na página do Grupo Ubique (www.grupoubique.com.br), onde suas aulas poderão ser acessadas.
Quando começa o curso? O curso começa no sábado, dia 23/05. A aula do sábado será ao vivo, mas quem não puder assistir a aula no sábado, poderá assistir a reprise que estará acessível da manhã da quarta-feira seguinte até a noite de sexta-feira, para acesso no horário mais conveniente do aluno. Quem adquirir o curso posteriormente, vai iniciar o curso a partir do momento da aquisição, com a disponibilização de uma aula por semana, na ordem dos outros alunos.
Posso assistir à aula várias vezes? Os alunos terão acesso uma vez à aula da semana em horário à sua escolha no período de quarta à sexta, posterior à aula ao vivo no sábado. Os alunos que assistirem à aula ao vivo, terão acesso mais uma vez no período citado. Os alunos que optarem por assistirem no período de quarta à sexta, terão acesso apenas uma vez à aula. Durante o acesso, é possível pausar e voltar a apresentação quantas vezes quiser, mas uma vez desconectado, não haverá a possibilidade de novo acesso. Esse formato foi definido em razão de 3 fatores: i) o curso foi desenvolvido para você economizar tempo e estudar de maneira eficiente. Não é esperado que você decore o conteúdo, mas que consiga, a partir de suas anotações desenvolver sua própria narrativa sobre o ponto, incluir o conhecimento em seu repertório, num formato que faça sentido para você; ii) não é desejável que o aluno fique assitindo várias vezes o mesmo conteúdo, levando em consideração a quantidade de material a ser estudado para o concurso e; iii) infelizmente, o compartilhamento e a pirataria de material didático é uma constante no ambiente dos concursos. Mesmo matendo o preço o mais acessível possível, o risco de compartilhamento indevido de material é muito alto, mesmo que a prática seja desonesta e pouco inteligente, já que aumenta artificialmente a vantagem dos concorrentes (o termo de uso assinado no momento da matrícula citará o impedimento de reprodução). Assim, como uma aula presencial, o aluno terá acesso uma vez ao conteúdo, com exceção daqueles que assistirem à aula ao vivo no sábado. Mas todos os alunos que participarem do curso vão ter acesso uma vez mais a todas as aulas do curso, ao final das aulas. Assim, uma última revisão de algum tema específico será possível para todos os alunos.
Por que é um curso específico de Política Internacional? Porque se trata da disciplina mais trabalhosa para o candidato selecionar o material relevante e organizar seus estudos. Muitas vezes os estudantes perdem mais tempo garimpando material do que propriamente estudando. Como a disciplina é formada por pontos nos quais os 2 ou 3 anos anteriores podem ser cruciais, não há biliografia atualizada para cobrir todos os pontos essenciais de cada tema. Assim, o acompanhamento do material publicado na imprensa é essencial. E seguirá sendo. O curso, entretanto, vai habilitar o candidato a identificar rapidamente o que é relevante no material publicado na imprensa em cada tema, bem como agregar eventuais novas informações a uma análise estruturada, que estará habilitado a realizar a partir do curso. Em suma, o estudante não apenas estará preparado para discorrer sobre os temas estudados em qualquer circunstância, como também a economizar tempo, identificando o que é e o que não é relevante no material publicado na imprensa em cada tema. O curso é indicado para todos os estudantes que queiram economizar tempo para cobrir a bibliografia das outras disciplinas cobradas no concurso. Para as outras disciplinas, a bibliografia contida nos editais cobre bem o conteúdo.
Por que as aulas sobre cada tema têm apenas 1h a 1h15 de duração? As provas discursivas nos concursos públicos não são compostas de perguntas que avaliam apenas o conteúdo da disciplina, mas a capacidade de articulação e expressão dos candidatos. Assim, tão ou mais importante do que conhecer todos os detalhes de determinado assunto, é crucial identificar quais são os principais pontos de inflexão e como é possível interligar os diferentes assuntos da agenda internacional. Aulas expositivas de 3h ou 4h geralmente se perdem em detalhes que podem parecer centrais, mas são apenas acessórios e prejudicam a preparação do candidato, roubando foco e tempo. O objetivo é habilitar o candidato a articular os temas, discorrer sobre os principais aspectos que conformam aquela agenda e não a escrever um compêndio de detalhes. Lembre-se, você fará provas de outras disciplinas cuja natureza - de conteúdo estruturado em livros texto - é mais própria ao tratamento do detalhe do detalhe do que a prova de Política Internacional. É improvável que as questões de uma prova discursiva de Política Internacional se limitem a detalhes de aspectos secundários. O foco deve ser a compreensão da agenda, dos principais interesses em jogo e dos pontos de transição e inflexão. Fatos pitorescos podem ser um adendo interessante, mas dificilmente serão o cerne de uma resposta bem avaliada nessas provas. Assim, o foco do curso é na compreensão da estrutura dos assuntos, onde os pontos de inflexão servem para o encadeamento da análise e não como curiosidades secundárias. Obviamente, informações complementares estarão presentes nas aulas, mas como ilustração da estrutura do tema e não como a estrutura em si. Quanto mais claro estiverem os conceitos centrais, mais o estudante pode compreender a função de informações complementares na estutura de sua resposta. As aulas são relativamente curtas exatamente para ajudá-lo a controlar e aproveitar melhor o seu tempo. Não se perca no planejamento.
Como devo assistir às aulas? As aulas estão estruturadas com a apresentação de um conjunto de eventos e informações que se interligam e se conectam para uma compreensão da agenda de maneira integral. Assim, espera-se que o estudante: i) separe o tempo para assistir à aula de maneira integral, evitando interrupções ou distrações durante a aula. ii) tome notas dos principais temas apresentados. A tomada de notas estrutura o tema a partir de sua percepção. As notas fixam em sua memória o encadeamento e o desenvolvimento dos fatos. Não se trata de reescrever a totalidade da aula, mas de anotar os principais conceitos e tópicos para fixação e recuperação futura. iii) posteriormente, releia suas anotações e escreva um texto de três laudas sobre a sua compreensão sobre o tema. Este texto é a base de sua compreensão daquele tema da agenda. É o conteúdo que fará parte permanentemente de seu repertório. Em qualquer questão da prova que trate daquela temática, esses elementos poderão ser usados, com pequenas variações de ênfase, para estruturar sua resposta.
Além das aulas, haverá alguma outra interação com o professor? As principais perguntas do conjunto de estudantes, de elementos estruturais dos temas tratados nas aulas, recebidas por e-mail, serão respondidas antes da próxima aula e serão disponibilizadas em área específica no site do Grupo Ubique. Além disso, o estudante terá direito a submeter um de seus textos a cada 4 semanas para correção e comentários da equipe do Ubique.
As aulas tratarão dos temas em relação ao Brasil? Nos temas em que for relevante, serão tratadas as posições internacionais do Brasil em relação ao tema. Na maioria dos temas, será apresentada de maneira sintética como aquele tema afeta o Brasil e seus interesses.
Posso interromper o curso? Caso tenha algum problema que o impeça de seguir o calendário de aulas, é necessário que informe por e-mail sobre a impossibilidade de seguir o calendário e solicite a suspensão da disponibilização das aulas. Para retomar a disponibilização, será preciso enviar um novo e-mail. O curso será retomado no ponto onde foi suspenso.
Qual a duração do curso? O curso terá duração de 16 semanas, a fim de habilitar os candidatos a participarem da 3.a fase do CACD 2020 tendo assistido a todas as aulas.
Quanto custa o curso? O curso custará R$ 1.200,00, com duração total de 4 meses, ou seja R$ 300 por mês. O pagamento poderá ser feito por meio de cartão de crédito ou Pay Pal.
Tem desconto de lançamento? Sim. Para os alunos que contratarem o curso até 22/05, há um desconto de 10%, o que resultado no custo total de R$ 1.080,00, ou seja R$ 270,00 por mês
Que recursos complementares terei acesso como aluno do curso de Política Internacional? Alunos do curso de Política Internacional terão direito a i) uma correção por mês de um texto de um tema, à escolha do candidato; ii) desconto de 40% na primeira compra dos serviços de correção do Ubique de textos e redações; iii) uma aula de mentoria para preparação do concurso, com o Prof. Marcílio Falcão, do Ubique; iv) 30% de desconto na correção do simulado de prova de PI a sere realizado pelo Ubique, no final do curso. Os candidatos inscritos no curso também receberão 2 aulas bônus: uma no início do curso, com dicas sobre como estudar Política Internacional, e outra no final do curso sobre Alterações no Fluxo Global de Comércio nos últimos 10 anos.
Haverá bibliografia complementar? O objetivo do curso é economizar o tempo do candidato. O curso parte da avaliação que a bibliografia existente não dá conta dos temas a serem estudados, pois precisariam obrigatoriamente ser complementada com muito material estruturado da imprensa, então não faz sentido indicar bibliografia que, por ser incompleta, não resolve o problema do candidato e, ainda toma tempo de preparação para outras disciplinas cujo material sim está organizado numa bibliografia de referência. Cada candidato poderá, caso seja de seu interesse, se aprofundar em determinado tema, mas o objetivo do curso é preparar os alunos para estruturar as grandes linhas dos principais temas da agenda internacional e não discorrer sobre os detalhes complementares de cada um desses temas. Em suma, o curso não seguirá nenhuma bibliografia de referência, porque já é a síntese de extensa bibliografia, complementada pela estruturação do material publicado na imprensa internacional, cuja leitura integral neste momento não é produtiva para a preparação do aluno.
Quais são os temas das aulas do curso? A lista com os 30 principais temas da agenda internacional, que serão tratados nas aulas, será enviada para os alunos no momento de sua matrícula. A lista é extensiva e almeja cobrir todos os principais pontos da agenda internacional. A própria lista é um plano de estudos detalhado, que ajudará o candidato a se sentir seguro e preparado para a prova de Política Internacional Contemporânea.
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.02.07 10:32 ebaroni83 A reforma tributária será a da Câmara dos Deputados. Proposta do Senado está "enterrada". Governo não vai participar da reforma.

》Fonte《
Resumo da proposta da Câmara 》Fonte《 :
  1. Novo imposto chamado IBS (imposto sobre bens e serviços) e outro Imposto Seletivo (IS? ISe? Imsel? Rsrs)
  2. O IBS incidirá sobre todos os bens e serviços, incluindo a exploração de bens e direitos, tangíveis e intangíveis. Com isso, haverá imposto que incidirá sobre pagamento de aluguel (de imóveis, automóveis, patinetes, banana boat e buggy nas dunas) e também sobre rendimentos com direitos autorais. Muito provavelmente também sobre uber, iFood, netflix, mensalidade da PSN ou XboxLive, etc.... (apesar de não estar explícito)
  3. O valor da alíquota (% sobre o preço) será definido em milhares de leis: uma lei federal, uma lei estadual em cada estado, uma lei municipal em cada município. Portanto, cada cidade terá uma alíquota diferente.
  4. Substituirá 5 impostos :IPI, PIS, Cofins, ICMS, ISS, num futuro longínquo
  5. Não será permitido benefício fiscal (governo subsidiar o valor) de nenhum produto ou serviço. (Enorme impacto no preço do diesel, no preço das passagens de ônibus municipal/intermunicipal, nas mensalidades de escolas privadas e de academias de musculação, só citando alguns).
  6. Poderá ser criada lei complementar para devolver o valor do IBS pago por beneficiários de bolsa família e BPC
  7. Transição: nos primeiros 2 anos, todos impostos atuais permanecem iguais, mas a carga tributária aumenta pq será cobrado um “IBS de teste” de 1% em todos bens e serviços
  8. Depois disso a transição dura 8 anos, sendo os atuais tributos diminuídos em ⅛ ao ano (12,5%) enquanto o IBS (fed+est+mun) aumenta ⅛ (12,5%) ao ano.
  9. Partilha entre Estados e municípios: a transição irá durar 50 anos !!!!
  10. Nos primeiros 20 anos: Estados e Municípios receberão (i) valor equivalente à redução de receitas do ICMS ou ISS; (ii) valor do aumento/diminuição da arrecadação de cada estado e município, conforme alíquotas definidas por cada Estado e por cada município; e (iii) o superávit/déficit de arrecadação, após consideradas as duas parcelas anteriores, será distribuído proporcionalmente pelas regras de partilha do novo IBS (nome da regra é princípio do destino, mediante apuração do saldo de débitos e créditos de cada estado e de cada município)
  11. À partir do 21⁰ ano, a parcela equivalente à redução do ICMS e do ISS (parcela (i)no item 10 acima) será reduzida em um trinta avos (3,33%) ao ano, passando a receita a ser distribuída segundo o princípio do destino (parcela (iii) do item 10 acima)
  12. O outro Imposto, o "ImSel": incógnita total, será aplicável a determinados produtos ou serviços, não se sabe quais, pois serão definidos em lei federal ou medida provisória futura, com as respectivas alíquotas. Não substitui nada, é um novo imposto.
submitted by ebaroni83 to brasilivre [link] [comments]


2019.10.17 20:24 simonekama Você Deveria Melhorar Sua Estratégia De Automação Instagram.

Você Deveria Melhorar Sua Estratégia De Automação Instagram.
Ganhar seguidores no Instagram de maneira fácil com a automação Instagram número 1 do mercado. Conheça o Maisgram. Aprenda também a baixar video do Instagram.
automação Instagram, isso é um assunto importante na nossa área. É preciso levar a sério o que se faz, para que não vender nada não possa ser uma barreira limitante para nós que somos baixar video do Instagram. Por isso, veja Segredos imperdíveis que podem ajudar qualquer cantor nessa jornada de baixar foto Instagram!
Temos certeza que você vai curtir os resultados da automação de Instagram para o seu negócio, por isso resolvemos te dar mais um motivo para escolher a nossa plataforma.
Se durante os primeiros 7 dias de sua assinatura você não estiver satisfeito, por qualquer motivo, devolveremos todo o valor investido.
O serviço de automação realizado pela plataforma, aliado ao gerenciamento de redes sociais como LinkedIn, Facebook e Twitter realizado por nossa equipe, promovem grandes resultados para o seu negócio:
  • Aumento da visibilidade de sua marca no mercado;
  • Novos seguidores da sua cidade, estado e região;
  • Aumento no engajamento do seu perfil;
  • Mais curtidas e comentários em suas postagens;
  • Melhorias no relacionamento com clientes e futuros clientes;
  • Aumento no volume de vendas da sua empresa.
Os seus resultados podem variar de acordo com o seu segmento de mercado, o tipo e a frequência de suas publicações, e as segmentações configuradas na plataforma. Por isso, não deixe de conferir as recomendações dentro do nosso sistema.

Como automação Instagram pode revolucionar o mundo em que vivemos? Pelo menos na nossa área? Já imaginou? Seus filhos e netos falando sobre quando você ajudou muitos baixar video do Instagram?

não vender nada não pode te parar. Veja como contornar isso!
Enfim… baixar foto Instagram é bom e todos gostam. Este é o momento de aprender definitivamente o que fazer quando nos deparamos com não vender nada.
Finalizando… Eu quero deixar aqui bem claro a minha opinião sobre Ganhar seguidores no Instagram…
No artigo de hoje, vamos falar EXCLUSIVAMENTE sobre as vantagens de ser um profissional da área de automação Instagram. Prepare-se, pois Segredos imperdíveis valiosas estão prestes a serem lidas pelos seus olhos de cantor faminto por boas informações sobre esse assunto!

Comunidades Online Sobre Automação Instagram Que Você Deveria Participar.

Como Vender Automação Instagram Para Um Cético?

Como funciona a automação no Instagram

Geralmente as ferramentas de automação para Instagram são utilizadas com o objetivo de crescer o número de seguidores.
Entretanto, antes de contratar uma plataforma, é necessário que você tenha em mente que as ferramentas de automação têm como objetivo executar automaticamente tarefas que você perderia muito tempo fazendo manualmente.
Ou seja, sem um bom planejamento de gestão de mídias sociais, a sua marca não terá o sucesso que você pretende.
Não julgue para não ser julgado. Essa frase mexeu com você? Então, você precisa ler este artigo. Hoje, decidi falar sobre o problema de não vender nada. Se você se identifica com a situação, ou está passando por esse problema nesse momento… Veja essas Segredos imperdíveis.
E então, vai dizer “Adeus” a não vender nada e dar um novo “Olá” a baixar foto Instagram, ficando feliz por ter alcançado seu objetivo!

Treinamento

Área Exclusiva de Treinamento, Vídeos de como configurar o sistema e obter ótimos resultados.

Perfis Concorrentes

Impulsione seu Instagram, para os seguidores e/ou perfis que os seus concorrentes/similares seguem.

Acesso a relatórios de crescimento

A maioria das ferramentas de automação no Instagram oferecem relatórios de crescimento do perfil.
Essa é uma ajuda e tanto para entender quais escolhas estão gerando melhores resultados e trazer mais assertividade para as estratégias.
Com o apoio desses dados, fica mais fácil fazer melhorias no planejamento do conteúdo a ser publicado e também “vender seu peixe” para possíveis clientes.
Conheça os 5* Segredos imperdíveis que permitem que você, cantor, alcance sua missão de baixar foto Instagram mais rapidamente!
Mas, se você quer ser um cantor diferente, você precisa levar em consideração, que precisa fazer coisas diferentes. Seu objetivo até pode ser o mesmo dos demais, ou seja: baixar foto Instagram. Mas, você tem que fazer isso da forma certa, adaptando ao seu modo.
Com a automação Instagram não há dores de cabeça de ficar na frente do computador dia e noite para não perder nenhuma novidade ou cliente, a grande vantagem da automação é dormir tranquilo sabendo que não perderá nenhum cliente durante o sono.
Mas aí você me pergunta, como posso automatizar meu negócio no Instagram? Como fazer para que eu não precise postar conteúdo o dia inteiro e tenha o controle de seguidores e de todo o processo de marketing no Instagram automaticamente?
Se essa é uma das suas dúvidas acerca da automação do marketing no Instagram, você está lendo o artigo certo, pois aqui você entenderá melhor como funciona a automação de marketing e como ela pode ser útil e muito decisiva em seu negócio ou serviço divulgado pelo Instagram.

Seu Pior Pesadelo Sobre Automação Instagram, Saiba Evitar!

Não Acredite No Que Andam Dizendo Sobre Ganhar Seguidores No Instagram.
No artigo de hoje, vamos apresentar {a entrevista} feita com uma das maiores personalidades a respeito de “Ganhar seguidores no Instagram”. Então, Segredos imperdíveis sobre como evitar a tão temida não vender nada e informações sobre baixar foto Instagram vão ajudar bastante você que é cantor!
E sabe o melhor? Nós garantimos um trabalho personalizado, os melhores resultados e você não precisa perder tempo com nada, todo o trabalho é com a gente. Basta nos informar os dados (ou nos pedir ajuda na seleção) e esperar os resultados!
Dj Bill
“Somos uma agência de DJs, festas e entretenimento, fazemos a Automação dos Instagram’s da maioria dos nossos clientes e festas com a Grow Up e temos ótimos resultados. Todos eles crescem muito e ficam super felizes com os ganhos de seguidores, novos clientes e autoridade. Super recomendado!”
Agência Steve
“Sou fotógrafo e a minha esposa tem uma loja de roupas, automatizo minha conta profissional e a da loja dela com a Grow Up Marketing Digital, e o que posso dizer é que mudou as nossas vidas! Temos uma renda muito maior agora pois conseguimos muito mais clientes e aumentamos os nossos preços. Agora contratamos funcionários e sobra mais tempo para ficarmos com nossos filhos. Somos eternamente gratos e não vivemos mais sem. Muito obrigado!”
receba as melhores dicas e últimas notícias no seu celular
Passo 1. Abra a foto que você deseja baixar no Instagram Web no seu computador. Em seguida, clique sobre ela com o botão direito e selecione “Inspecionar elemento”;
Fique atento: Você pode fazer isto em qualquer lugar da página, mas se clicar sobre a foto, a janela de inspeção do código será aberta próxima ao ponto que deseja localizar.
  1. Entre no aplicativo do Instagram;
  2. Na foto que você deseja copiar, clique no botão de menu, representado pelos três pontos no canto superior direito;
  3. Selecione Copiar URL de compartilhamento;
Se você é cantor, você sabe que é difícil passar por cima de algumas dificuldades. Principalmente quando damos de frente com aquela velha e sofrida fase de não vender nada… Isso já aconteceu com você também?

Toda vez que você precisar de baixar foto Instagram recorra a aumentar engajamento com Ganhar seguidores no Instagram.

Podemos concluir que o tema Ganhar seguidores no Instagram, para você que é cantor, pode se resumir nesses 4 Segredos imperdíveis para conseguir baixar foto Instagram.

Como Salvar Fotos do Instagram no PC/Android/iPhone Sem Programas

Nota: Você pode usar tranquilamente esses sites para baixar as fotos do instagram. Mas você não tem permissão para publicar essas fotos sem pedir a permissão para os verdadeiros donos dessas fotos.
Respeite os direitos dos usuários do instagram.
Se você teve problemas com o Instagram nas últimas semanas, fique tranquilo pois este é um problema enfrentado por usuários do aplicativo no mundo inteiro. Problemas como: Bloqueio para seguir pessoas. Falhas totais ou parciais na visualização de storys e linha do tempo. Lentidão de forma geral. Perda enorme e anormal de seguidores reais. Bloqueio para curtir postagens. Exigência para se alterar senha ( mesmo que não usem nenhum tipo de sistema para ganho de seguidores ). Entre outros. O Instagram está sofrendo de uma instabilidade há algumas semanas. Estes problemas estão relacionados aos últimos update em sua plataforma. Não se sabe ainda, quando a situação irá estar totalmente normalizada. Lembrando que o Instagram não costuma mencionar nenhum tipo de problema ou instalidade em suas redes sociais. E também, não costuma emitir nenhum comunicado oficial.
É extremamente necessário cuidarmos de nosso “eu” como cantor. Como cantor. O cuidado com quem nós somos, nossa vida pessoal é primordial no nosso dia a dia. E acredite, isso acaba determinando até se vamos baixar foto Instagram bem ou não…

Será Que O Baixar Video Do Instagram Vai Dominar O Mundo Um Dia?

Quando as ideias acabam, AGIR é a solução! Você já se pegou com não vender nada em algum momento quando estava tentando baixar foto Instagram? Se já… Esse artigo de hoje é justamente para você cantor!
baixar video do Instagram de sucesso costumam ter comportamentos em comum.

Divulgue sua música do jeito certo

Em conclusão, quero convidar você para conhecer o meu livro “Os 7 Verbos do Marketing Musical”. Nele reunímos as principais estratégias de marketing usadas por grandes lendas da música.
Você irá aprender como formar sua identidade como artista, e com isso conquistar muito mais fãs.
A fim de te mostrar o caminho certo para você realizar o seu sonho, reúni neste livro a minha experiência de mais de 10 anos trabalhando no mercado musical. Tudo isso com acesso facilitado pra você que é músico independente.
Atualmente, estamos na fase de lançamento. Por isso estamos oferecendo este material com algumas condições especiais. Porém não sei por quanto tempo essas condições ficarão disponíveis. Então não perca tempo para garantir o seu.
baixar video do Instagram que usam baixar video do Instagram conseguem mais baixar foto Instagram.
Estava sentando no meu sofá, e resolvi deixar esta dica incrível sobre baixar video do Instagram. Eu já tive boas experiências em baixar foto Instagram. Mas, confesso que já enfrentei algumas vezes o fato de não vender nada. Se eu consegui, posso compartilhar com você que está começando como cantor.
Parece que baixar foto Instagram está tão longe para baixar video do Instagram que ainda sofrem por não vender nada. Mas, é possível eliminar esse problema, seguindo Um artigo de qualidade muito simples sobre aumentar engajamento.
Use baixar video do Instagram a favor do seu objetivo.
Se você é cantor, você sabe que é difícil passar por cima de algumas dificuldades. Principalmente quando damos de frente com aquela velha e sofrida fase de não vender nada… Isso já aconteceu com você também?
4 Pilares Do Baixar Video Do Instagram Que São Muito Poderosos.

Quer conhecer a melhor automação Instagram do mercado?

Confira já nosso artigo sobre Automação Instagram para saber mais.
Saiba mais sobre a Automação Instagram Maisgram:
SEGUIDORES INSTAGRAM.

https://preview.redd.it/szt9k4v395t31.jpg?width=400&format=pjpg&auto=webp&s=56d2421549dac2d099e38c64294f49ddcf321fd2
submitted by simonekama to u/simonekama [link] [comments]


2019.09.06 02:30 juniordoce Homofobia nos estádios: mais um pretexto moral para destruir o futebol

Um ataque contra a liberdade de expressão cujo objetivo é atacar as torcidas organizadas
A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) está preparando uma regra que visa parar as partidas no meio caso a torcida estiver cantando algo considerado homofóbico. A primeira vez que isso ocorreu no Campeonato Brasileiro foi no jogo entre Vasco e São Paulo, em São Januário, no último domingo, dia 25. A CBF cogita ainda até mesmo a perda de pontos dos clubes no campeonato, entre outras retaliações.
Diante disso, vários clubes começaram a se manifestar favoravelmente à introdução das novas regras. A imprensa golpista, incluindo aí principalmente a Rede Globo, apoiou com todas as letras tais medidas. Um verdadeiro espetáculo de demagogia por parte da burguesia, tradicional quando se trata de temas como esse da homofobia.
As regras supostamente anti-homofobia caíram na graça das torcidas de esquerda, que nesse momento são formadas em todos os principais clubes em todas as regiões do País. O que mostra o nível de confusão da esquerda sobre o assunto.
Antes de fazer qualquer apreciação é preciso fazer alguns questionamentos: 1) A homofobia será interrompida censurando as torcidas?; 2) Teria a CBF se transformado em uma instituição de esquerda realmente interessada em defender os LGBTs?; 3) A mesma pergunta vale para a Rede Globo e a imprensa golpista: teriam se transformado em grandes corporações progressistas?; 4) Quem terá o poder de decidir qual clube será punido?
Essas são apenas algumas perguntas, mas antes de respondê-las seria importante fazer uma consideração sobre a censura. Sob qualquer pretexto que seja, dar o poder para que uma instituição reacionária como a CBF possa dizer o que deve ou não ser dito no estádio é simplesmente um ataque à liberdade de expressão. Os moralistas da esquerda não irão gostar de tal afirmação, mas fato é que, ao se proibir que seja dito qualquer coisa, isso é censura e por consequência, é uma medida reacionária e portanto contra os interesses do povo, incluindo aí os próprios LGBTs.
Como toda censura, os primeiros que vão sofrer os efeitos serão os próprios oprimidos. Ser contra esse atentado à liberdade de expressão não significa ser a favor ou compactuar com determinados cânticos das torcidas. Qualquer pretexto moral não justifica tal ataque. Cada um grita o que quer dentro do estádio, assim como cada um diz o que quer nas ruas, se outra pessoa não gosta, não é obrigada a gritar junto e tem o direito inclusive de tentar convencer o outro a não fazer. Mas nunca se deve pedir que qualquer instituição controlada por uma corja como é o caso da CBF tenha o poder de censurar uma torcida, com centenas ou milhares de pessoas.
O jornal burguês de Minas Gerais, BHAZ, procurou as duas maiores torcidas de Minas para uma declaração. A Máfia Azul, do Cruzeiro, disse que não iria se pronunciar, já a Galoucura, do Atlético Mineiro, afirmou em nota que “já proíbe bandeira, sinalizador, o que tem em todos os outros países, só aqui que é assim” e continua: “isso não ofende ninguém. A gente não está falando especificamente com o torcedor. Isso só está acabando com o futebol, cada vez mais. Está começando o futebol moderno, e nós não apoiamos”.
Não sabemos qual a posição política da diretoria da Galoucura, mas devemos dizer que concordamos com todas as palavras da nota da torcida. A tentativa de proibir os cânticos é mais uma medida para estrangular as torcidas organizadas, é mais uma proibição absurda, ilegal e arbitrária para esmagar a livre organização do torcedor, e de todo o povo em última instância.
É a política do chamado “futebol moderno” que está destruindo o futebol. É o futebol europeu, imperialista, ou seja, controlado pelos grandes monopólios capitalistas, que quer impor aos brasileiros um comportamento “ético”, ou como gostam de chamar no futebol, o “fair play“. Tudo isso é parte de uma campanha moralista cujo único objetivo é destruir o futebol, e principalmente destruir as torcidas para elitizar o esporte. Se não há torcidas organizadas, não há gritos, nem homofóbicos nem qualquer outro. A classe média alta e a burguesia, que têm dinheiro para pagar os preços exorbitantes das arenas, não canta, apesar de serem os verdadeiros inimigos não só dos homossexuais, mas do pobre, do negro e das mulheres. Ou seja, a homofobia não será combatida com censura. Essa elite, “almofadinha”, poderá ir aos estádios e continuar sendo a escória que é, e ficar sentadinha, calada e comportada.
Outra questão que vem à tona é a seguinte: se uma torcida mandar o atual presidente da república ir tomar naquele lugar como vem sendo comum nas ruas e inclusive nos estádios, teremos punição ao clube e à torcida? Gritar “Ei, Bolsonaro, VTNC!” no estádio também estará proibido ou a esquerda que defende tais censuras acha que apenas os cantos das torcidas serão punidos? É mais fácil uma torcida que xingou Bolsonaro ser punida do que qualquer outro motivo. E Bolsonaro, o maior homofóbico do País, já que está na presidência da República, será transformado em grande vítima da homofobia.
Por fim, é claro que nem a CBF, nem a rede Globo se transformaram em grandes progressistas combatentes do preconceito. O que temos aqui é a velha campanha moralista para justificar um ataque político. Nesse caso, além do ataque às torcidas e ao futebol de maneira geral, a proposta que prevê a interferência em campo caso haja “manifestações homofóbicas” tem também uma questão importante. Esse não é nada mais do que um mecanismo para aumentar o controle dessas instituições sobre os resultados dos jogos. Afinal, quem vai decidir o que foi homofóbico ou não? A própria CBF, os juízes, o maldito VAR talvez. Tudo fica de acordo com as arbitrariedades dessas ilibadas instituições do futebol.
Não há pretexto moral que possa justificar a interferência externa no jogo. O futebol se ganha em campo. Não devem existir fatores externos que interfiram no campeonato, sob pena de termos um verdadeiro vale tudo. Os resultados estarão ainda mais sob o controle daqueles que têm o poder de decidir o que foi homofóbico e o quanto deveria ser a punição. É o reino da arbitrariedade como são todas as leis que visam punir as pessoas pelo que foi dito. O problema da homofobia não será resolvido, pelo contrário, será reforçado e deve piorar, mas o problema da manipulação do futebol e portanto de sua destruição como esporte popular e genuíno da cultura brasileira vai piorar e muito.
submitted by juniordoce to brasil [link] [comments]


2019.08.16 18:21 paralegalweb Administrador sócio de empresa

Sócio Administrador – Responsabilidades
Iremos falar hoje do sócio administrador e suas responsabilidades perante a sociedade. Sabemos que se tem muitas dúvidas sobre o assunto então resolvemos pontuar as principais.

Tipos de sociedades empresariais

Em nosso ordenamento jurídico, existem de forma geral cinco tipos de sociedades empresárias. Uma sociedade empresária é, de forma resumida, uma reunião de pessoas (sejam elas naturais ou jurídicas), com o objetivo de exploração de alguma atividade econômica, mediante registro público e uma pessoa é designada para ser o sócio administrador.
A legislação traz normas que regulamentam cada um dos tipos de sociedades existentes, principalmente em relação às suas responsabilidades e deliberações, com diferenças específicas entre cada uma delas.
De forma sucinta, abordaremos abaixo os tipos de sociedades empresariais mais comumente utilizados pelos empresários brasileiros. Isto será importante para que possamos abordar a responsabilidade do sócio administrador, existente obrigatoriamente em todos os tipos.
Uma das mais comuns no país, a sociedade limitada (LTDA) possui a principal característica de seu nome: a responsabilidade de seus sócios é limitada ao capital social investido, ou seja, não responde com bens pessoais, caso a empresa contraia dívidas e não consiga honrar com os pagamentos, por exemplo.
Sua administração pode ser realizada por um terceiro (não constante do contrato social), mas este terceiro precisa obrigatoriamente ter sido escolhido pela maioria dos sócios.
Também bastante comum em nosso país, a sociedade anônima (S/A) deve possuir no mínimo 07 acionistas. Seu capital não está relacionado aos sócios, mas às ações. A responsabilidade do acionista também fica limitada ao preço de emissão de suas ações.
As condições de funcionamento desta sociedade ficam indicadas no estatuto social, assim como os direitos e obrigações dos acionistas e do sócio administrador.
Seu capital social pode ser denominado “fechado” caso a empresa não negocie suas ações na bolsa de valores, ou “aberto”, caso esta negociação exista.
Neste tipo societário, os sócios respondem de forma igualitária, de acordo com a responsabilidade que foi limitada pelo contrato social.
Diferente dos demais tipos, não pode existir nome empresarial abstrato. Aqui, deve constar os nomes ou as iniciais dos nomes dos sócios, seguido pelo termo “& Companhia”. Somente os sócios podem ser os administradores da empresa.
Trata-se de um tipo misto de sociedade, porque aqui, uma parte dos sócios possui responsabilidade limitada, e a outra parte responde integralmente com seus bens. Os sócios são divididos em duas categorias, quais sejam, os comanditados (responsáveis pelas obrigações financeiras e fiscais – respondem integralmente), e os comanditários, obrigados apenas em relação às suas quota-partes.
A administração desta sociedade é feita pelos comanditados.
Este tipo societário também possui seu capital dividido em ações, tal como acontece na S/A. Contudo, sua diferença está no fato de que ela opera por firma ou denominação, ao invés de operar em conjunto com os acionistas.
O sócio administrador, que exerce os atos deliberativos e as responsabilidades sociais e fiscais, é o diretor nomeado na constituição da sociedade.

A Figura do Sócio

De acordo com o tipo da sociedade empresária, a denominação do sócio pode se diferenciar. Por exemplo, nas sociedades limitadas existem os sócios cotistas; nas sociedades anônimas, temos os sócios acionistas; dentre outras denominações.
O sócio pode ingressar na data de constituição, ou seja, ao abrir empresa, mediante a assinatura do contrato social, estatuto ou ato constitutivo; ou posteriormente, mediante a subscrição do capital social e/ou mediante substituição de um sócio que está se retirando.
Na sociedade de pessoas, podemos dizer que o sócio é de grande importância na sociedade, e cada um dos existentes é figura única na empresa. Já na sociedade de capitais, o mais importante é de fato o capital subscrito e integralizado, e aqui não é importante quem de fato são os sócios da empresa.
De acordo com o Código Civil, artigos 1.002 e 1.003, temos que “o sócio não pode ser substituído no exercício das suas funções, sem o consentimento dos demais sócios, expresso em modificação do contrato social” e “a cessão total ou parcial de quota, sem a correspondente modificação do contrato social com o consentimento dos demais sócios, não terá eficácia quanto a estes e à sociedade”.

Sócio Administrador

O sócio administrador é, como o nome sugere, o responsável pela administração da empresa, considerado assim como sua figura central.
Existe uma definição doutrinária (ou seja, elaborada por autores de livros sobre o tema), que dispõe ser o sócio administrador “a pessoa que pratica com habitualidade os atos privativos de gerência ou administração de negócios da empresa, e o faz por delegação de assembleia, diretoria ou ato constitutivo”.
Ele é assim responsável pelas funções administrativas da sociedade, tais como a assinatura de documentos, contratos, entre outros. Sua atuação também engloba os aspectos civil, trabalhista, tributário e criminal.
É através do sócio administrador que a sociedade desenvolve as suas atividades empresariais. Ele é responsável por conduzir o negócio, e possui o poder de gestão; responde pela empresa legalmente, expressando a sua vontade social; gera direitos e obrigações a terceiros; entre outras ações gerenciais.
A figura do sócio administrador é obrigatória nos seguintes tipos de sociedades empresariais: comandita simples, em nome coletivo, em conta de participação e de capital. Na sociedade limitada a figura é opcional, podendo a função ser efetivada pelo administrador ou um terceiro escolhido pela maioria do quadro societário.
Assim como os demais sócios, caso não seja um terceiro estranho à relação societária, também possui uma parcela no capital social da empresa, e aufere lucros, considerando que houve a integralização do capital.

Nomeação e Destituição do Sócio Administrador

O sócio administrador é definido no contrato social, e deve ser escolhido pelo sócio ou pelos sócios titulares de, pelo menos, ¾ do capital social da empresa. Da mesma forma, só poderá ser destituído de sua função de administrador da sociedade, quando os sócios titulares de 2/3 do capital da empresa assim definam.
Esta destituição pode ocorrer caso o sócio administrador não cumpra com os seus deveres, ou o faça de forma incorreta ou contra os melhores interesses da sociedade. Ainda cabe, contra ele, ação indenizatória, caso fique provado que houve dolo em suas ações.
Ainda segundo o Código Civil, temos no artigo 1.032 disposto o seguinte: “A retirada, exclusão ou morte do sócio, não o exime, ou a seus herdeiros, da responsabilidade pelas obrigações sociais anteriores, até dois anos depois de averbada a resolução da sociedade; nem nos dois primeiros casos, pelas posteriores e em igual prazo, enquanto não se requerer a averbação.”
Ou seja, a responsabilidade do sócio administrador pode perdurar por até dois anos após a sua retirada da sociedade.
Existem empresas limitadas de pequeno e médio porte que preferem que a função da administração seja realizada pelo sócio majoritário. Quando a empresa possui grande porte, contudo, as tarefas são repartidas geralmente entre os sócios majoritários e profissionais qualificados, no caso de contratação de terceiros.
Seja para incluir ou retirar alguém de sua empresa, a ParaLegalWeb pode te auxiliar neste processo. Somos uma plataforma especializada tanto na abertura de novas empresas, quanto na resolução de questões intrínsecas ao contrato, mesmo de empresas já existentes.
Como o processo da ParaLegalWeb é online, você não precisa gastar tempo em trâmites burocráticos como aprovações e certificações, entrega e busca de documentos no órgão responsável do município, entre outros caminhos, que dificultam e atrasam todo o procedimento contratual das empresas.

A responsabilidade limitada dos sócios

Os sócios de uma empresa (comanditário, na sociedade de comandita simples, e quotista, na LTDA) possuem responsabilidade limitada, caso o patrimônio desta se mostre insuficiente para responder por todas as dívidas da sociedade.
O limite de suas responsabilidades é o total do capital subscrito, e não o integralizado. Caso o contrato social estabeleça que o capital já está totalmente integralizado, os sócios não possuem nenhuma responsabilidade pelas obrigações sociais.
É claro que, caso o sócio fraude credores por conta da limitação patrimonial, ele será responsabilidade ilimitadamente pela obrigação da sociedade, com a desconsideração da personalidade jurídica.
Toda essa responsabilidade é aplicável ao sócio administrador. É o artigo 1.016 do Código Civil que estabelece que os administradores (sócios ou não sócios) respondem solidariamente perante a sociedade e aos terceiros prejudicados, por culpa ou dolo no desempenho de suas funções.
Como representam a sociedade, os administradores estão sujeitos à responsabilização pelos atos praticados em desrespeito ao contrato, legislação ou ao estatuto social, sejam de natureza dolosa (com a intenção de lesionar a empresa e seu patrimônio) ou culposa (sem a intenção de lesionar).
Em relação aos sócios administradores, imputa-se a responsabilidade perante terceiros e internamente perante os demais membros da sociedade. A respeito do tema, o art. 158 da Lei das S/A (Lei nº 6.404/76) é expresso ao vincular apenas os administradores como responsáveis pelos atos de gestão praticados na condução da empresa.
O nexo causal é elemento essencial para a responsabilização do sócio administrador por conduta dolosa ou apenas culposa, quando se verifique a vontade de lesar terceiros ou a própria empresa, bem como diante da configuração de negligência ou omissão na condução dos negócios.

Sócio Administrador x Sócio Quotista

É muito comum as pessoas confundirem a figura do sócio administrador com a do sócio quotista. Contudo, eles possuem funções e atribuições diferentes, sendo cada um específico no que faz. Para ilustrar as principais diferenças entre eles, separamos os tópicos abaixo:
O sócio administrador, como já definido neste artigo, recebe o pró-labore de forma mensal, como um tipo de pagamento pelo trabalho que desenvolve na empresa. Sobre este valor, incide o INSS.
O sócio quotista, por outro lado, é remunerado através da distribuição de lucros. Ainda que não trabalhe no dia-a-dia do negócio, ele tem direito ao recebimento destes valores, como forma de compensação pelo tempo em que seu dinheiro ficou investido na empresa, bem como, por ter assumido o risco do empreendimento.
Essa divisão de lucros é feita de forma proporcional às quotas de cada sócio. É claro que também existe a possibilidade de distribuição desproporcional, desde que esteja devidamente descrita no contrato social da empresa, seguindo os parâmetros da legislação societária. Aqui, não existe a incidência de Imposto de Renda, tampouco de INSS.
Como visto, é função do sócio administrador realizar todas as funções administrativas da sociedade, assinando documentos, respondendo legalmente e conduzindo a empresa no seu dia-a-dia.
Mesmo estando na linha de frente da administração da empresa, ele é denominado sócio, porque também possui uma parcela de participação no capital social.
O sócio quotista, ao contrário, não possui qualquer ingerência nas atividades administrativas da sociedade. Mesmo assim, possui direito à divisão dos lucros e resultados, considerando que também integrou uma parte do capital social quando ingressou na empresa.
Lembrando que, se nenhum sócio for definido como administrador, um terceiro deve ser indicado para esta função. Apesar de conseguir exercer todas as atribuições de um sócio administrador, o terceiro não possui participação nos lucros e resultados da empresa tal como os demais sócios, considerando que este não compõe o capital social.
Se a empresa não conseguir honrar, mediante a utilização de recursos próprios, com as dívidas que contraiu em suas atividades, a responsabilidade dos sócios varia de acordo com a sua participação na empresa.
Em caso de total integralização do capital social, o sócio quotista não responde aos prejuízos da empresa com seus bens particulares, considerando que ele não participa da gestão da sociedade; logo, não deve ser penalizado.
Esta regra também é válida para o sócio administrador; contudo, a diferença é que seus bens pessoais podem ser comprometidos, caso seja comprovado que sua gestão tenha sido feita de forma abusiva ou temerária, com a violação da lei e do contrato social.

Conclusão

Como visto, as sociedades empresárias possuem diversos tipos, porém, em todas conseguimos observar a figura do sócio, seja ele quotista, comanditário ou acionista. Suas responsabilidades podem ser limitadas ou ilimitadas, em caso de fraude ou dolo comprovados, e neste caso, o sócio administrador responderá com seus bens pessoais, devido à desconsideração da personalidade jurídica.
Como o sócio administrador responde legalmente pela sociedade, é importante que esta posição seja definida com cautela e com a deliberação de todos os sócios que compõem a sociedade.
Com esta definição, procure a ParaLegalWeb para auxiliá-lo no registro e/ou alteração do contrato social de sua empresa! Nós cuidamos de toda a parte burocrática para você!
Este artigo foi visto primeiro em: Sócio administrador – Paralegalweb
submitted by paralegalweb to u/paralegalweb [link] [comments]


2019.03.17 20:25 fidjudisomada Primeira Liga 2018/9, #26: Moreirense FC 0-4 SL Benfica

FORÇA COLETIVA: O MOTOR DO LÍDER

Quatro golos, quatro marcadores diferentes, uma exibição muito bem conseguida e uma vitória inequívoca do Benfica no reduto do Moreirense na 26.ª jornada da Liga NOS (0-4). Com os três pontos arrancados no terreno da equipa-sensação do Campeonato, as águias seguem no comando da prova. Faltam oito finais!
O encontro começou praticamente com a primeira oportunidade de golo, construída pelo Benfica, com Rafa, um pouco descaído para a esquerda, a receber e depois a servir Pizzi, que, mais à direita, entrou na área e, perante o guarda-redes Trigueira, atirou com força, mas errou o alvo por dois palmos (a bola saiu junto ao poste direito).
Rafa, num movimento da esquerda para o meio, ameaçou fazer estragos na baliza do Moreirense (9'). Grimaldo também beneficiou de um livre direto em boa posição, por falta sobre Jonas, mas o tiro saiu por cima da trave (21'). Depois, no espaço de oito minutos, dois golos anulados por fora de jogo: o primeiro ao Moreirense (22'), o segundo ao Benfica, num lance em que Jonas concluiu, já na área, um passe de Pizzi, que, segundo o videoárbitro, partiu de posição irregular (30').
O Benfica estava melhor no jogo, pese a réplica do Moreirense, forçou a chegada às redes contrárias e foi recompensado aos 37'. Grimaldo fez um passe longo, Ivanildo não conseguiu o corte e João Félix enquadrou-se sobre o eixo para bater o guardião Trigueira. Foi o 10.º golo (só na Liga NOS) do avançado recém-chamado à Seleção A, o quarto mais novo de sempre a alcançar aquela marca no Campeonato com o Manto Sagrado, segundo a plataforma Playmaker Stats.
Confortável no controlo da partida, com uma circulação de bola larga e segura (54% de posse), as águias cavaram uma diferença maior no resultado antes de terminar o primeiro tempo.
No seguimento de mais um dos cinco cantos conquistados pelo Benfica nos 45 minutos iniciais, Pizzi, no lado direito, levantou a bola para a área e Samaris foi soberano nas alturas, cabeceando sem remissão para o fundo das redes. O grego marcou pela segunda vez (e de forma consecutiva) no Campeonato, enquanto o internacional português executou o 15.º passe para golo na Liga NOS. Pizzi é, de resto, o rei das assistências nas principais ligas europeias.
O treinador do Moreirense, Ivo Vieira, optou por uma dupla substituição na equipa no recomeço do encontro: saíram Bruno Silva e Fábio Pacheco, entraram Ibrahima e D'Alberto. Mas quem mandava e comandava era o Benfica.
Jonas, com um excelente passe a rasgar, isolou Rafa na faixa central e, na cara de Trigueira, o camisola 27 picou a bola sobre o guarda-redes, assinando o seu 10.º golo na corrente edição da Liga NOS, o 14.º na temporada. O internacional português está a pulverizar os seus recordes.
Gedson (rendeu Pizzi aos 72'), Florentino (ocupou o lugar de Gabriel aos 77') e Cervi (substituiu Jonas aos 84') também contribuíram no retângulo de jogo para a 20.ª vitória das águias no Campeonato. Mas antes de Jonas ceder a posição na equipa, os benfiquistas celebraram pela quarta vez.
Na execução de um canto à direita, Grimaldo bateu a bola para a área, gerou grande atrapalhação entre os defensores do Moreirense... e quem aproveitou foi Florentino, que, rápido a ler a oportunidade, antecipou-se à tentativa de alívio e usou o pé direito para tocar a bola na direção das redes. Florentino, um estreante a faturar, foi o sexto jogador da Formação do Benfica a marcar em 2018/19.
Com um desempenho de muito bom nível em todas as vertentes num campo onde o Moreirense não sofria quatro golos há mais de dois anos, o Benfica venceu e justificou o estatuto de equipa mais realizadora desta Liga NOS (72 golos marcados).

BRUNO LAGE: “FIZEMOS UM GRANDE JOGO E FOMOS SEMPRE A MELHOR EQUIPA”

Bruno Lage considerou, em conferência de Imprensa e na zona de entrevistas rápidas, o resultado justo perante um Moreirense que é “a equipa-sensação” da Liga NOS. Elogiou, ainda, a capacidade que o Benfica demonstrou em cumprir o que pretendia para a partida: frescura física e mentalidade vencedora.
Volume ofensivo, oportunidades e resultado justo
“A equipa fez aquilo que idealizámos. Tínhamos de fazer um grande jogo e estar no nosso melhor. Foi isso que aconteceu frente a uma grande equipa que nos criou vários problemas, nomeadamente na primeira parte. Soubemos controlar, corremos riscos, principalmente no controlo do jogo interior em que tivemos uma estratégia bem montada, com Pedro Nuno e Chiquinho junto dos nossos dois médios. Tínhamos de ir à procura do resultado. Uma primeira parte boa, uma segunda parte melhor. Marcámos quatro golos, estamos satisfeitos com a exibição e cumprimos o que prometemos: estar no nosso melhor, frescos fisicamente e com uma mentalidade vencedora. Só com os atributos que acabei de identifiquei é que poderíamos vencer a equipa que, para mim, é a equipa-sensação do campeonato.”
“Isto não foi resposta nenhuma. Não temos de responder a ninguém. Fizemos um grande jogo, de princípio a fim, fomos sempre a melhor equipa, criámos várias oportunidades e, sendo assim, daquilo que foi o nosso volume ofensivo, o resultado foi justo. Apresentámo-nos muito bem.”
Adaptação a um Moreirense sem referência ofensiva
“Esperávamos que o Pedro Nuno pudesse jogar na frente. Se assim fosse, o Moreirense ia procurar o espaço ao lado dos nossos médios, não ter ninguém como referência no meio dos nossos centrais, ter esse espaço e depois começar a desenhar diagonais. Em algumas situações atingiram esse espaço, estávamos precavidos.”
“Foi um jogo de forças em que o Moreirense também nos criou problemas. Tentou prender, e fê-lo muito bem, o que é a nossa largura pelos dois alas na linha de quatro e depois com Pedro Nuno e Chiquinho entre os nossos dois médios para ter posse de bola. Independentemente de podermos oferecer algum espaço, mantivemos as nossas ideias, a nossa estrutura, particularmente com os nossos alas a defender à largura; em termos ofensivos, procurámos o jogo de corredores e a partir daí explorar a profundidade. Tentámos circular a bola, levando-a a um corredor e ao outro para depois encontrar espaço entre defesas. Com o nosso volume ofensivo e com as oportunidades criadas, o resultado foi aparecendo.”
Gabriel foi caso pontual em jogo com elevada frescura
“São coisas pontuais que vão acontecendo e temos de estar atentos. Jogar de três em três dias é o preço do sucesso, mas o mais importante é a resposta que a equipa deu, com uma frescura física e qualidade de jogo enormes.”
Paragem para os jogos das Seleções
“O mais importante é trabalhar como temos trabalhado. Há várias formas de desenvolver o nosso trabalho e o recurso às imagens é fundamental. Os jogadores a este nível já têm capacidade de decisão, inteligência e maturidade tática para corresponder. Outra coisa é treinar o que vivenciamos no vídeo. Não basta ver, temos de sentir, treinar, aperfeiçoar e essa intensidade vê-se no treino. Estamos satisfeitos com todos. Há coisas que temos de estar sempre a trabalhar e a evoluir. É o dia a dia, treino a treino, jogo a jogo.”
“As paragens vêm sempre em boa hora… ou não. Estamos com uma dinâmica muito boa. Vamos ter alguns dias para recuperar jogadores, descansar e continuar a trabalhar.”
Bolas paradas da era Bruno Lage
“Na nossa forma de trabalhar, como já puderem verificar, quem coordena as bolas paradas é o Nélson Veríssimo, juntamente com o Alexandre Silva e com o míster Pietra. É um trabalho de equipa e é esse o sucesso. Falo ainda do Marco Pedroso, do Jhony Conceição, que são os analistas, o Fernando Ferreira, que é o treinador de guarda-redes. A nossa equipa técnica é isto. Temos um conjunto de tarefas e o trabalho vai aparecendo. Em relação a esquemas táticos, temos coisas que são padrão e depois há a análise ao adversário e ao seu posicionamento. Nem todos defendem de forma igual, uns atletas são mais altos, outros mais baixos… Esse é um trabalho doloroso, mas que tem trazido frutos e estamos satisfeitos.”
Campeonato vai ser disputado até ao fim
“São quatro equipas e não apenas duas. Já tive a oportunidade de colocar SC Braga e Sporting na luta. É verdade que o SC Braga pode receber os dois primeiros classificados em casa, mas há um facto importante: todos os jogos são difíceis e isto não é uma frase feita. Há equipas a lutar pela vida, no último terço do campeonato estão pontos em disputa que valem a manutenção. Vejam o Chaves que hoje [domingo] foi vencer [à Vila das Aves]. As equipas vão dar tudo e lutar até ao fim pela manutenção. O nosso próximo adversário é o Tondela que, pela qualidade do plantel e do treinador, vai ser um jogo muito difícil. Temos de voltar a fazer um grande jogo com o Tondela para conquistar os três pontos.”

Coisas e Loisas

  • João Félix marca pela 12ª vez em 2018/2019. O avançado marcou em 6 das últimas 8 jornadas;
  • Andreas Samaris marca pela 2ª vez em 2018/2019. O médio fatura pela 2º jornada consecutiva - já tinha feito o gosto ao pé na receção ao Belenenses SAD;
  • Melhores épocas de Samaris no Benfica (golos): 2 - 2015/2016 e 2018/2019; 1 - 2017/2018;
  • O Benfica, depois de três jogos sem marcar golos na 1ª parte, marcou 2 nos primeiros 45 minutos em Moreira de Cónegos: vs Dínamo Zagreb - 0; vs Belenenses SAD - 0; vs Dínamo Zagreb - 0; vs MOREIRENSE - 2;
  • As últimas 8 jornadas de João Félix na Liga: vs Boavista - 1; vs Sporting - 1; vs Nacional - 1; vs Aves - 0; vs Chaves - 1; vs FC Porto - 1; vs Belenenses SAD - 0; vs MOREIRENSE - 1;
  • João Félix é o 4º mais novo de sempre a chegar aos 10 golos na Liga pelo Benfica: Espírito Santo - 17 Anos 4 Meses; Chalana - 18 Anos 3 Meses; António Simões - 19 Anos 3 Meses; JOÃO FÉLIX - 19 Anos 4 Meses;
  • Rafa Silva marca pela 10ª vez na Liga. O extremo português marcou em 5 das últimas 6 jornadas;
  • Últimas 6 jornadas de Rafa Silva: vs Nacional - 1; vs Aves - 1; vs Chaves - 1; vs FC Porto - 1; vs Belenenses SAD - 0; vs MOREIRENSE - 1;

Multimédia

Eleição do MVP

Talking Points

Preparámos uma lista de temas para conversas sobre este jogo, mas estejam à vontade para passar por cima dela, ou pegar num ou alguns, e apresentar as tuas observações e expressar opiniões:
  1. O resultado foi justo? Na tua opinião, o que faltou à equipa para alcançar um resultado ou exibição melhor?
  2. Está satisfeito com a resposta da equipa hoje? Qual foi o aspeto do jogo que mais te impressionou?
  3. Com o benefício da visão a posteriori, que alterações farias ao 11 inicial?
  4. Em retrospetiva, o que farias diferente ao longo do jogo? Como avalia os critérios de substituição? Trouxeram algo diferente ao jogo?
  5. Qual foi o jogador que mais se destacou com a camisola do SL Benfica? Nessa nota, quem foi a maior deceção?
  6. Quais são os aspetos positivos que o SL Benfica pode tirar deste jogo?
  7. Enfrentaremos o CD Tondela na próxima partida, no Estádio Estádio da Luz, em jogo a contar para a 27.ª rodada da Primeira Liga 2018/9. Quais as perspetivas?

Relacionados

submitted by fidjudisomada to benfica [link] [comments]


2019.02.19 16:47 JorgeAmVF 1ª compilação com 503 subreddits tabelados em fevereiro de 2019

Subreddits

nome descrição abreviada membros
1 091Para "Comunidade de Belém do Pará" 12
2 a7arte "Cinema e TV, filmes e séries, notícias e avaliações a filmes" 729
3 AdrianaLima 5871
4 AJS_BR "O objetivo deste subreddit é debater de maneira saudável, respeitando os indivíduos e a liberdade de expressão e pensamento, os problemas advindos dos movimentos caracterizados como Justiceiros Sociais" 274
5 Ajuda "Obtenha ajuda em português, com assuntos relacionados a reddit.com" 5
6 AjudaBrasil "AjudaBrasil, é um subreddit onde você vai tirar suas dúvidas relacionadas ao reddit.com" 151
7 AlessandraAmbrosio 5529
8 Algarve 373
9 AllTuga "Jull chill no subreddit de tugas, faz o que quiseres aqui é anarquia ahhaha welcome" 30
10 AnaBeatrizBarros 442
11 AnarquismoBrasil "Esse fórum é dedicado a discussões sobre a teoria e prática anarquistas, sua história e desenvolvimento, assim como a interação entre anarquistas, aliados e visitantes que desejam conhecer mais sobre o movimento" 83
12 Angola "Debates sobre qualquer coisa que envolva Angola" 406
13 animebrasil "Um sub em português para os fãs de anime, mangá e cultura pop japonesa num geral" 865
14 animeportugal "Subreddit sobre anime e manga" 250
15 Anitta 152
16 AplicacoesUteis "Sites com informações relevantes, ferramentas ou aplicações em geral" 2
17 arco_iris "Esse subreddit se dedica à população LGBTQ+ de lingua portuguesa" 994
18 Arrependinaro "É melhor jair se arrependendo" 1609
19 artebrasileira "O melhor da arte nacional" 652
20 artept "Fotos e comentario sobre: azulejos metalurgia arquitectura tradicional portuguesa" 14
21 askgaytugas "Inspirado no askgaybros surge o askgaytugas, um local onde o grupo LGBTQ+ tuga pode vir partilhar os seus devaneios, piadas, questões, problemas, etc" 94
22 ateismo_br "Um subreddit para os ateus do Brasil poderem divulgar informações e conteúdo" 125
23 ateismobr 24
24 aveiro 367
25 azores 1224
26 bahia "Subreddit dedicado ao Estado da Bahia" 66
27 barba "Tudo sobre barbas e relacionados, barbudos e barbudetes são bem vindos" 6
28 basquete "Conteúdo e notícias sobre ligas oficiais como NBA e CBL" 5
29 batebola "Um lugar para discutir futebol brasileiro" 13
30 batepapo 416
31 Beja "Tudo de interesse em Beja" 30
32 belempa "Redditors de Belém" 40
33 BeloHorizonte 338
34 benfica "Casa do Sport Lisboa e Benfica, 'O Glorioso', no Reddit" 4785
35 bestofbrasil "Uma lista dos melhores comentários em português do Reddit" 226
36 bicicleta 4
37 bicicletariodejaneiro "Um subreddit para o pessoal de 021 conversar de bicicleta, rotas, bicicletaria, ciclovias, proteção, mecânica etc" 5
38 BigBrotherBrasil1
39 Bissau 11
40 bitcoinportugal "Espaço partilha de informação e discussão sobre Bitcoins & Criptomoedas" 204
41 BitoqueCaralho "Se têm um prato de culinária Portuguesa (de Portugal ou qualquer outro), feitos pela vossa avózinha (abençoada) ou algo que inventaram, partilhem" 557
42 boanoite 20
43 bolha "Não somos nem de esquerda nem de direita, somos a favor da liberdade de expressão e contra o discurso de ódio" 287
44 bolsa "Notícias automáticas em Português ou Inglês" 127
45 bolsadevalores "Aprenda a investir na bolsa de valores, traçando o melhor investimento, as melhores opções do mercado com base na análise técnica e fundamentalista" 94
46 bolsocriticabolso "Tipo o TrumpCriticizesTrump, só que da família Bolsonaro" 18
47 Bolsonaro Subreddit de apoio e apreciação à Família Bolsonaro 1701
48 BolsonaroVsBolsonaro "Subreddit para colecionar momentos de hipocrisia de Jair Bolsonaro" 961
49 bomdia 17
50 bomdiagrupo "Um subreddit dedicado a fazer sátiras às mensagens de bom dia do ZAPZAP" 9
51 botafogo 84
52 BR_Events 39
53 br4r "Seja uma pegação leve, um encontro casual, um amigo com benefícios, namoro, casamento, ou apenas uma amizade, este é o subreddit para brasileiros que querem uma companhia" 186
54 braga 399
55 brasil "A casa dos brasileiros no Reddit" 217150
56 brasil_anarquia "Subreddit brasileiro LIVRE, sem tiranias nem censuras politicas presentes em certos subreddits" 52
57 brasil_drama "O lugar para falar sobre brigas, acontecimentos dramáticos e comentários de outros subreddits brasileiros" 2502
58 Brasil_PPG "Neste subreddit você poderá encontrar pessoas para jogar este jogo, basta criacomentar em um post" 27
59 Brasil_reflexivo "Este subreddit é dedicado ao compartilhamento e, ocasionalmente, discussão de material que provoca interesse e reflexão" 32
60 BRASIL_XXX "BRASIL XXX PORNO BRASILEIRO GRATIS SEXO GRATIS VIDEOS PORNO ,NOVINHAS ,AMADOR" 1111
61 brasil10 172
62 brasil2 "Esse reddit agora é sua tumba cibernética, ao aguardo da ressureição de nosso lord, no terceiro dia" 432
63 brasil420 "Pra galerinha do bem q n quer brasil nem brasil2, só quer discutir coisa boa e matar a larica" 190
64 BrasilAnarchy "Regras: Não há regras" 49
65 Brasilandia "Brasilandia é um subreddit criado para que todos os Brasileiros Brasileiras, pessoas do Brasil, no Brazil e etc possam conversar livremente" 47
66 Brasilball "Um subreddit ao estilo Polandball" 999
67 BrasilBitcoin "Tudo sobre Bitcoin aqui e no mundo" 1871
68 BrasilBItcoinOTC "Balcão de anuncios de Bitcoin" 27
69 BRASILCARALHO 41
70 brasildemocratico 31
71 BrasildoB "Subreddit dos maconheiros, homossexuais, comunistas, beneficiários do Bolsa Família e universitários" 4771
72 Brasileiras 40
73 Brasileirinhas "Aqui nós falamos sobre mulheres brasileiras de dimensões reduzidas" 40
74 Brasileiros 13
75 brasileirosIlustres "Sub para demonstrar personagens importantes e marcantes da história do Brasil" 7
76 brasileirosnoreddit 14
77 brasilethereum 15
78 brasilfeliz "O mundo não se resume a esquerda e direita" 7
79 BrasilFilmes "Compartilhe aqui links para assistir filmes online" 16
80 BrasilGamerPRO "Use este espaço para divulgar suas live stream/vídeos" 42
81 brasilgonewild "Simples, envie suas fotos, preze pela sua privacidade não mostrando seu rosto, e aguarde os comentários" 62
82 brasilgw "Agora um subreddit pra exibir as curvas brasileiras" 83
83 brasilia "Brasília, a capital federal do Brasil" 570
84 BrasiliansGoneWild 243
85 brasilisarb "Um sub desenhado para agradar um público-alvo completamente oposto ao brasil" 245
86 brasilivre "Subreddit brasileiro livre de todo tipo de censura" 10048
87 Brasilivrelivre 71
88 BrasilivrelivreFinal "A comunidade feita para aqueles que se cansaram da censura dos outros Subreddits brasileiros" 41
89 brasilN "Subreddit de testes" 21
90 brasilnews "Reddit com notícias importantes sobre o Brasil" 28
91 brasilnoticias "Reddit voltado para notícias exclusivas do Brasil" 274
92 BrasilOnReddit 3788
93 brasilpics "Comunidade para compartilhar e apreciar paisagens urbanas e naturais do Brasil" 429
94 brasilpolitica "Política no Brasil" 100
95 BrasilPorra 25
96 brasilpqp 14
97 BrasilRoyale "É o primeiro subreddit brasileiro de Battle Roayle ideológico" 17
98 BrasilRPG "É uma comunidade voltada para jogadores, mestres, fãs e criadores de conteúdo em RPGs (Role Playing Games) em português" 49
99 brasilsemfrescura "Aqui você pode falar o que quiser" 18
100 BrasilSimulator "Inspirado no SubredditSimulator, o Brasil Simulator cria um ambiente onde bots interagem criando posts e comentários a partir de uma cadeia de Markov treinada com posts de subs brasileiros" 185
101 brasilx 1
102 brasilxxx 12
103 Bratugal "Por causa dos: NewZanada Ameristralia" 92
104 Brazil "Este sub se mudou para o brasil" 8973
105 brazil_tech_expats "Um lugar para juntar os brasileiros da área de tecnologia que estão espalhados por esse mundão de Deus e uns tantos outros que querem saber mais sobre como é viver e trabalhar fora" 13
106 brazil_vs_argentina 176
107 Brazilerias 40
108 BrazilGirlsOnTV "Brazil Girls on TV" 277
109 brazilhotties 294
110 BrazilianArchitecture 195
111 BrazilianBabes 11546
112 brazilianfartporn 56
113 braziliangoddesses 370
114 BrazilianGP2018lives 197
115 brazilianjiujitsu 2193
116 brazilianmalemodel 420
117 brazilianmusic "Musica do Brasil" 3119
118 brazilians 2651
119 brazilianwhores 241
120 BrazilistheWorst 64
121 BrazilOpenSource "Brazil Open Source é a comunidade brasileira para os amantes da filosofia Open Source e Software Livre" 364
122 BrazilorRussia 57
123 braziltourism 82
124 BrazilVapor 12
125 BrazilvsMexicoLives 97
126 brazucas "O Brazuca's existe desde 2006, sempre focado em dar a melhor experiência para os jogadores" 30
127 brdev "Sub em Português dedicado a T.I., desenvolvimento e engenharia software em geral" 969
128 BrDevelopers "O subreddit para os brasileiros que gostam de programação" 123
129 brengracado "Equivalente ao funny mas para postagens em pt-br" 101
130 Brinquedos "Brinquedos antigos, novos, criativos, originais" 1
131 BRSExplica "Um casal que explica coisas na Internet" 150
132 brugal "Aqui é um lugar para postar, ou achar dicas que irão te ajudar a ser mais econômico no dia-a-dia" 196
133 brvideos "Vídeos com idioma em pt-br vamos nos ajudar, poste mesmo se estiver vazio" 72
134 CaboVerde 46
135 cachaca "Se sente livre a postar qualquer coisa relacionada a cachaça" 38
136 CaldoVerde "Como o trees mas com mais vinho tinto e bigode" 68
137 camara 2
138 campismo "Permitidas apenas publicações relacionadas ao campismo, campings, equipamentos, fotos e videos" 2
139 CampoGrande "Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil" 37
140 CapeVerde "A subreddit for links and discussion related to Cape Verde" 280
141 capeverdeancreole 18
142 Carioca "Brasil, Rio de Janeiro, São Paulo, a civilização, a arte, desporto, cultura, futebol, praias, sol, políticos, sociais, clubes, bares, restaurantes, alimentos, medicamentos, educação, governo, instituições, de carnaval, o parlamento, cinemas, teatros , Religião, fé, lindas garotas" 130
143 carreiras "Este sub é voltado para pessoas que não sabem qual curso superior escolher, qual carreira escolher, ou que querem opiniões sobre possíveis novos rumos para uma carreira já existente" 49
144 carros "Bem vindo ao carros, o subreddit dedicado para discussões, notícias, fotos, vídeos ou qualquer assunto relacionado a automóveis e nossa paixão por estas maquinas do asfalto" 33
145 CartoeseClubes "Neste sub compartilharemos informações sobre cartões de crédito e seus benefícios (salas VIP, seguros, pontos etc.) e de clubes de fidelidade (Multiplus, Livelo, KM de Vantagens dentre outros)" 324
146 cascavel "Subreddit da cidade de Cascavel - Paraná" 7
147 casos_isolados 54
148 castelobranco "castelobranco, para os albicastrenses de gema" 52
149 catioros_inspiradores "O melhor subreddit para você postar imagens de catioros sensacionalmente incríveis, sempre com as melhores frases possíveis para a alegria geral da comunidade" 32
150 ccportugal "Reddit sobre a planta cannabis sativa e suas variantes, informações sobre a planta, estudos científicos, activismo, legalização, vantagens da legalização e tributação (aplicação de impostos), comunidade canábica em Portugal" 121
151 Ceara "É quente" 31
152 celebridades "O fantástico mundo das celebridades" 3
153 CelebsBR "Imagens de celebridades brasileiras" 20662
154 cellbit "Enigmas" 1428
155 cerveja "Criado para assuntos relacionados a cerveja" 36
156 cerveja_artesanal "Uma comunidade para os amantes e produtores de cerveja artesanal" 20
157 Chapecoense 310
158 chapeubranco "Discussão sobre privacidade e segurança online em português" 761
159 chapolin "Reddit para fãs do maior herói do mundo" 3
160 chaves "Reddit para fãs do Chaves" 11
161 ChoquedeCultura "Achou que não ia ter subreddit de Choque de Cultura" 115
162 chorinho 4
163 cienciabrasil 18
164 cienciadedados "Fórum de discussão e aprendizado de Ciência de Dados no contexto do Brasil" 37
165 ciencias "Notícias, Avanços Científicos, Informações e Curiosidades em um subreddit no nosso idioma" 563
166 CienciaSemFronteiras "Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional" 150
167 cienciatododia "Reddit oficial do canal e página 'Ciência Todo Dia'" 65
168 CinemaBrasil "Sub brasileiro sobre cinema em geral" 198
169 CintiaDicker 945
170 circojeca "Igual se o circlejerk fosse uma comunidade do orkut" 7323
171 circojeca2 10
172 Coimbra "Tudo sobre e para a cidade dos estudantes e não só" 800
173 ComidasFeia 2
174 Comunismo 314
175 concursospublicos "Novidades sobre concursos públicos no Brasil" 625
176 conselho_amoroso "Um género de versão portuguesa do relationship_advice" 16
177 ConselhosLegais "Um lugar para perguntas questões legais simples" 607
178 conservadorismo "Comunidade de conservadores brasileiros no reddit" 141
179 Contos "Publicação de todo tipo de Conto" 6
180 copiaEcola "Comunidade dedicada a arquivar copypasta em português" 12
181 Copicola "Para copicolas" 57
182 Corinthians "Subreddit para o time brasileiro com mais torcedores no país" 593
183 corretagem 4
184 Corrida "Levanta a bunda gorda da cadeira e vai correr" 18
185 CozinhaPortuguesa "Um sub dedicado à cozinha portuguesa para inspirar, aprender a cozinhar, experimentar ideias novas e descobrir pratos saborosos, rápidos e saudáveis" 200
186 craftmybox "O CraftMyBox ajuda você a montar seu novo PC: escolha as peças que são compatíveis e com os melhores preços do Brasil" 296
187 CriativosdePortugal "Trabalhos, noticias e artigos relacionados com arte e cultura" 105
188 Criciuma "Subreddit para criciumenses e região" 39
189 Cruzeiro "Este é o lugar para os fãs de Cruzeiro" 181
190 CryptoPortugal 489
191 CSGO_Brasil "Esse subreddit foi criado com a intenção de termos uma comunidade ativa de CS:GO brasileira aqui no reddit" 47
192 Cultura "A casa do Clube do Livro e do Clube do Filme" 515
193 curitiba "Subreddit sobre tudo relacionado à cidade de Curitiba" 732
194 Curtas "Filmes com duração de até 30 minutos, de intenção estética, informativa, educacional ou publicitária" 2
195 desabafo 32
196 desabafos "Comunidade para quem quer desabafar" 5097
197 desporto "Tudo sobre o desporto" 74
198 devpt "Subreddit dedicado a todos os developers em Portugal" 838
199 Dicionario "Sub dedicado às palavras e seus significados" 2
200 Dinossauros "Somente Dinosauros" 2
201 DireitaDoBrasil "Subreddit destinado a brasileiros que são favoráveis a direita política" 8
202 direito "Comunidade sobre Direito, para todos de língua portuguesa" 951
203 DireitosDigitais 27
204 direitosdoshomens "Advogando pela igualdade social e legal de homens e rapazes desde 2015" 131
205 DiretoDoZapZap "As 'melhores' ''piadas'' dos Grupos de zapzap da vida" 5430
206 Documentarios "Postagens de filmes não-ficcionais via sites de vídeo legais, notícias, trailers e tudo que for relacionado a documentários, seja com compromisso total ou parcial com a realidade" 5
207 Dota2BRa 21
208 Dota2Brasil "Comunidade Brasileira do Dota 2" 220
209 DrogasBrasil "Nos fundamos na necessidade do uso consciente das drogas para que possa coexistir com a saúde, evitando abusos e mortes" 288
210 educacaofinanceira "Finanças Pessoais, Empresariais, Investimento entre outros" 64
211 EmPortugues "Coleção de subs que utilizam o português como idioma principal no Reddit" 30
212 empreendedorismo "A procura de sócios e projetos" 65
213 empregos "Encontre oportunidades de trabalho em todo o Brasil" 55
214 enem "Discuta sobre o Enem aqui" 36
215 equatorial_guinea 13
216 EquatorialGuinea 37
217 Eristocracia "Cada homem, mulher e criança é um papa" 10
218 Escalada "SubReddit de escalada no Brasil" 60
219 Escola_Austriaca "Comunidade criada com o objetivo de discutir artigos,livros,notícias e questões sob a ótica austríaca" 31
220 escrevasobre "Versão em português do writingprompts" 386
221 escrita "Um espaço para o convívio entre escritores e aspirantes, e a partilha de textos originais em prosa ou poesia" 303
222 EscritoresBrasil "Um espaço amigável para escritores que querem divulgar seus trabalhos, pedir conselhos e feedbacks, ou que se interessa a ler contos de outros users" 553
223 Espiritismo 68
224 EspiritoSanto "Tudo sobre o Estado do Espírito Santo, Brasil" 35
225 EsporteClubeBahia "O SubReddit do Maior Clube do Nordeste" 27
226 esquerda 30
227 estacionamento "Fotos de estacionamentos feitos por digníssimos conterrâneos, que por falta de tempo ou de inteligência complicam a vida ao seu semelhante numa total falta de respeito pelas mais elementares regras de urbanidade" 159
228 EstadoNovo "Estado Novo Regime" 26
229 estudiodobrasil "Um espaço para brasileiros fotógrafos e cinegrafistas compartilharem seus trabalhos e conhecimentos" 111
230 eu_nvr "Selfies da alma" 5014
231 EuTireiUmaFoto "Comunidade para amantes da fotografia, em português" 120
232 fado 157
233 farialimabets "Subdesenvolvimento, agora também no mercado financeiro" 267
234 faustao "Um lugar para todos os amantes das palhaçadas do Faustão" 5
235 favela 8
236 fazdeconta 1
237 fazeramigos "Um subreddit onde o interesse comum é fazer amigos em Portugal" 455
238 fcporto 1944
239 FCT "Bem-vindos ao subreddit da FCT, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, situada no Campus da Caparica" 297
240 feijoada 59
241 Feminismo "Poste qualquer conteúdo contra feminismo e justiça social com áudio de preferencia em português/inglês ou com legendas" 41
242 Festas 2
243 filmes "Comunidade dedicado aos fãs de cinema para discussões sobre filmes, séries e afins" 303
244 filmes_e_series "Dê sua opinião sobre filmes e séries" 15
245 filmeseseries "Comunidade brasileira focada na discussão sobre filmes e séries" 521
246 Filosofia "Reddit voltado às discussões filosóficas" 431
247 FilosofiaBR "Aqui é o subreddit para filosofia" 38
248 Filosofias "Este é um espaço livre dedicado à filosofia" 53
249 financaspessoaispt "Um lugar para falar de dinheiro, especialmente para residentes em Portugal" 993
250 fintas "Um lugar para discussão sobre Futebol sem qualquer tipo de restrição" 77
251 FixeeTuga "Subreddit para partilhar cenas que sao fixes e portuguesas" 5
252 Flamengo "SubReddit dedicado ao Flamengo e à maior torcida do Mundo" 820
253 florianopolis 69
254 floripa "Comunidade para os que residem e os que gostam de Florianópolis/SC - Brasil" 38
255 Fluminense "Torcida pó de arroz, estamos no nense" 58
256 foradecasa "Aqui é onde aqueles que emigraram, os que desejam emigrar ou até mesmo aqueles que já voltaram para casa se reunem para trocar informações" 1590
257 Fortaleza "Se você é de Fortaleza ou pretende visitar a cidade, junte-se à comunidade e escreva uma nova mensagem" 154
258 FortalezaEC "Aqui é um reddit que fala sobre o Campeão Brasileiro de 2018,seus resultados e suas curiosidades" 27
259 francesinhas "Tudo sobre francesinhas, fotos, receitas, dicas" 375
260 funana 35
261 FunkCarioca "Juntando todas as vertentes do funk num lugar só" 2
262 Furacao "Subreddit direcionado para todos os torcedores e fãs do Clube Atlético Paranaense" 42
263 futebol "Bem-vindo ao subreddit oficial do futebol brasileiro" 5127
264 futebolbrasileiro "Aqui nós discutimos sobre o futebol brasileiro, competições, times e jogadores" 312
265 futebolnacional "Subreddit onde se irá debater acerca dos jogos e dos clubes de futebol portugueses, em competições nacionais e internacionais" 24
266 futebolpt "Subreddit sobre tudo Futebol em Portugal" 33
267 g1comments "Achou aquele comentário relacionando o final da novela das 8 ao vice-presidente do PT no melhor estilo 'raciocínio do G1'" 1222
268 Galicia 459
269 Galo 110
270 Gambiarra "Faça você mesmo" 2700
271 Gamebiters "Sub-reddit oficial do Gamebiters" 1
272 gamesEcultura "Um lugar para discutir a cultura que a gente consome, com ênfase no videogame" 5194
273 gamingportugal "Um subreddit feito para a discussão de videojogos e da sua comunidade em Portugal" 799
274 GiseleBundchen 1810
275 globo "Subreddit para notícias e conversas relacionadas ao canal brasileiro Rede Globo de Televisão e canais derivados" 48
276 goiania 50
277 Goias 15
278 gonewildBR 101
279 gororoba "Pra quem perdia aula pra ver o Note e Anote" 467
280 gremio 418
281 GuineaBissau 54
282 GuineBissau "Tudo sobre a Guiné-Bissau" 25
283 hiphoptuga "Hip hop Português" 217
284 HistoriaEmPortugues "HistoriaEmPortugues é o lugar para lusófonos que apreciam história" 1050
285 historias_de_terror "Sub destinado à traduções de conteúdos e criação de conteúdos autorais (contos, histórias, relatos) de terror ou suspense em pt-br" 85
286 HojeEuAprendi "Hoje eu Aprendi (HEA)" 118
287 Idiomas "Essa é uma comunidade destinada a todos que tem interesse em idiomas" 416
288 ilhabela "Ilhabela, a capital da Vela" 12
289 ImagesOfBrazil 386
290 Imoveis "Notícias, informações e discussões sobre o mercado imobiliário brasileiro" 6
291 imperio "Subreddit para a discussão da restauração da Família Imperial Brasileira Orléans e Bragança" 11
292 InesperadoCu "Lugar para postar aqueles cus que não eram cus" 742
293 insonia "Contos de terror em português" 1
294 internacional "O sub do Clube do Povo" 160
295 InternetBrasil "Reunindo links e discussões sobre nossa amada rede em nosso amado país" 2398
296 investimentos "Primeiro subreddit em português dedicado a discutir tudo relacionado a dinheiro no Brasil" 6655
297 IST "Tudo sobre o nosso IST" 1103
298 ItHadToBeBrazil 16913
299 IzabelGoulart 693
300 JairSeArrependendo 7
301 jairsecorrompendo "Coleção de notícias de corrupção envolvendo o governo Bolsonaro" 159
302 jardim "Sub sobre Jardinagem e hortas" 192
303 jogatina "O Jogatina é o espaço dos falantes da língua portuguesa partilharem de uma paixão comum a todos, que são os jogos, seja postando notícias, fazendo reviews, divulgando seu trabalho, combinando partidas multiplayer, ou simplesmente jogando conversa fora" 1574
304 jogos "Discussão sobre jogos em português" 437
305 JogosBrasil "Grupo criado com o intuito de interagir e discutir sobre jogos em geral" 43
306 jornalismo "Referências sobre o jornalismo (não) praticado em Portugal" 50
307 Laranjao "Espaço para os cavalheiros (e damas*) do Laranjão discutirem as ironias da vida" 117
308 leagueoflegendsbrazil "Um subreddit para falarmos sobre o servidor brasileiro de LoL" 732
309 leiria "Espaço comum para Leirienses" 306
310 Lennado "Subreddit apenas para os fans do lennado, e que conspiram que ele vai ser o salvador do universo com seu poder" 12
311 LiberalismoSocial "Todos que queiram discutir civilizadamente sobre políticas e tópicos do ponto de vista do Liberalismo Social são bem vindos" 33
312 Libertarianismo "Do estado mínimo até ao anarco-capitalismo este é o espaço de discussão do libertarianismo em português" 425
313 linuxbrasil "Comunidade Brasileira do Linux" 514
314 lisboa "Tudo sobre a cidade das sete colinas: notícias, eventos, turismo, etc" 3931
315 Lisbon 490
316 literatura "Cada história, uma obra literária" 339
317 Livros "Discussões gerais sobre livros, leitura e literatura em língua portuguesa" 2013
318 lixo 1
319 Luanda 4
320 Lusitania 28
321 lutalivre "Subreddit sobre wrestling, em português" 112
322 Macau 1133
323 maceio 36
324 maconha "Sub-Reddit /trees da Comunidade Brasileira, em Português" 484
325 MadeInPortugal "O GoneWild Tuga, para todas as necessidades de encontrar o produto verdadeiramente português" 168
326 Madeira 541
327 Mamatas "Comunidade dedicada a reunir as principais 'mamatas' do Governo Bolsonaro" 112
328 mapas "Mapas de Portugal" 7
329 maputo 22
330 Maromba "A versão em português do fitness" 206
331 masqueporra "A sua coletânea das notícias e artigos do Brasil e do mundo que nos levam à questão: que porra" 457
332 medonho "Criado para compartilhar histórias de fantasmas, assombrações, avistamentos, fatos estranhos, malassombros, extraterrestres, ovnis, anomalias, lendas urbanas ou qualquer conteúdo que aterrorize o leitor" 7
333 MeirellesPresidente "Sub dedicado a apoiar a candidatura e eleição do nosso melhor brasileiro presidenciável" 45
334 MemesBrasil "Um subreddit inteiro dedicado para postagens de memes em português" 1458
335 MemesPortugal "Colecção de memes feitos a partir da cultura, historia e actualidade portuguesa" 914
336 MercadoDeCriptomoedas "Subreddit para notícias,artigos,discussões do mundo das criptomoedas" 1
337 MercadoViagens "Subreddit para notícias e anúncios relacionados a turismo" 48
338 merdasbrasildiz "Porque algumas coisas são boas demais para desaparecer do Reddit" 56
339 MetalLusitano "Espaço de divulgação do Heavy Metal Português" 36
340 mimimi 83
341 MinasGerais "Subreddit dedicado a cultura e turismo do estado de Minas Gerais" 122
342 Mindelo 15
343 Mocambique 13
344 Monarkia "Tragam suas guilhotinas" 1034
345 Monarquia "Monarquia é um subreddit dedicado aos assuntos relacionados à monarquia no Brasil" 114
346 motoca "Motoca é um subreddit que foi criado para unir brasileiros que possuem (ao menos) um interesse em comum: motociclismo" 136
347 Mozambique 311
348 mozambiquenews 18
349 mulheresbr "Sub feminino BR" 20
350 MulherMelancia 173
351 MUSICA 407
352 musicanova "Descoberta de música em língua portuguesa, de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor Leste, e outros" 1423
353 Musicas "Reddit para apresentação, divulgação e discussões sobre músicas em geral" 86
354 naoesensacionalista "Histórias absurdas e ridículas que não são do Sensacionalista" 629
355 NaoMortoAbraDentro "Versão brasileira do dontdeadopeninside" 52
356 nense "O Fluminense é o único time tricolor do mundo" 200
357 NerdPowerBR "Canal para reunir os Nerds do Brasil, para compartilharmos novidades e discutirmos no nosso próprio idioma, mostrando a força do NerdPower em nosso país" 470
358 niteroi "Subreddit para a cidade de Niterói-RJ, Brasil, conhecida popularmente como Cidade Sorriso, já figurou entre as 10 em qualidade de vida no país" 33
359 noticiasBizarras "Notícias no sense, bizarras, estranhas, diferentes, originais" 2
360 nspot "'Não seguro para o trabalho' vem do termo inglês Not Safe For Work (NSFW) e significa que aqui há conteúdo explícito" 371
361 O_PACOTE "Derivativo do THE_PACK" 914
362 oBitcoin 524
363 omecanismo 79
364 opendata_pt "Neste subreddit pode encontrar notícias e discussões relacionados com dados abertos em Portugal" 354
365 oporto 12
366 OuijaPortugues "Invoque os espíritos é tenha sua resposta definitiva pelo OuijaPortugues, uma versão adaptada à língua lusitana do AskOuija" 144
367 palmeiras "O subreddit do maior campeão do Brasil, a Sociedade Esportiva Palmeiras, e seus milhões de torcedores" 625
368 Parana "Subreddit sobre tudo relacionado ao Estado do Paraná" 157
369 PergunteReddit "Versão brasileira do AskReddit" 260
370 piadas 38
371 pirataria "Base de Dados do MAPiNET" 117
372 podcastbr "Um subreddit brasileiro dedicado ao mundo dos podcasts" 513
373 POESIA "Comunidade para todo conteúdo e discussão relativos à poesia em espanhol/castelhano ou português" 222
374 PokemonGOBrasil "Para jogadores de Pokemon Go no Brasil" 538
375 PokemonGoPortugal "Este é o subreddit da maior comunidade portuguesa de Pokemon Go" 149
376 PokemonGoTuga "Movemos-nos para pokemongoportugal" 88
377 PoliticaBR 54
378 politicabrasil "Sub para discussões políticas no Brasil" 43
379 PoliticaBrasileira "Vamos dialogar sobre política do Brasil" 156
380 politicaportuguesa "Portugal precisa de mais política, de mais debates e de mais opiniões" 312
381 porramauricio "Porra mauricio" 1674
382 porto 2445
383 portoalegre "Leal e Valerosa Cidade de Porto Alegre" 228
384 portugal "Um lugar para discutir apenas artigos relacionados com Portugal ou portugueses no mundo" 60689
385 portugal_economico 26
386 portugal2 586
387 PortugalACultivar 12
388 PORTUGALCARALHO "Subreddit dedicado ao país mais rico da Europa, e o glorioso império Portugues além mar" 10123
389 portugalcirclejerk "Juntos, satirizemos Portugal" 22
390 PortugalConspiracy 29
391 portugalfriends "Se tens falta de amigos e queres conheçer outro portugueses, procura aqui" 14
392 portugalgaming "Bem vindos ao Dominio Sagrado dos Jogos em Português" 63
393 PortugalGaymers "Grupo de Gaymers Portugueses" 55
394 PortugalGoneWild "Para quem conhece ou frequenta o sub gonewild e derivados, as regras são as mesmas" 2514
395 PortugalHive 29
396 Portugaliza "Subreddit para falar sobre Galiza, Portugal, a lusofonía, o reintegracionismo, etc" 14
397 PortugalLaFora "Sub dedicado a todos os emigrantes Portugueses espalhados pelo mundo" 760
398 PortugalMediaNews "Notícias dos meios de comunicação de Portugal" 22
399 portugalnews "Hub de notícias de Portugal" 627
400 PortugalNostalgia "O subreddit para recordar os velhos tempos: tv, cinema, sociedade, etc" 517
401 PortugalOnReddit 792
402 PortugalPics 1119
403 PortugalRPG "Subreddit para Jogadores em Portugal de Role-play de Mesa, tabuleiro e temas relacionados" 22
404 portugaltheman 5852
405 PortugalVegan 236
406 PortugalvsBelgium 17
407 PortuGIF "O local dos GIFs relacionados com Portugal" 259
408 portuguesas 210
409 portuguesbrasileiro "Qualquer coisa em português brasileiro menos spam" 31
410 Portuguese 9183
411 portuguese_tits 74
412 portuguesedoitbetter 26
413 PortugueseFeed 164
414 portuguesegirls 32
415 portugueseliga "Tudo sobre o Futebol Português, desde o Amador até ao Profissional, passando pelo Futsal, a Selecção Portuguesa de Futebol e todos os Tugas que representam o nosso país além fronteiras" 379
416 portuguesepals 19
417 PortuguesePICS "Partilhem fotos interessantes relacionadas com Portugal" 434
418 portugueseproblems 12
419 portugueses "O sub dos portugueses [sem censura]" 255
420 portuguesewaterdogs 74
421 Portusil "Por causa dos: NewZanada Ameristralia" 9
422 PrimeiraLiga "Esta comunidade é dedicada a notícias, resultados e discussão do futebol profissional português, nomeadamente acerca de toda e qualquer competição nacional, bem como acerca das instituições e pessoas que as compõem" 4785
423 PromosBR "Sub dedicado aos redditors brasileiros, para compartilharem promoções com outros usuários" 90
424 Psicanalise "Comunidade em Português de Psicanálise no Reddit" 196
425 punheteiros 15
426 putaria "Essa comunidade foi criada e é mantida exclusivamente para o compartilhamento de pornô e discussões de teor sexual" 1189
427 PutasEVinhoVerde "Só putas e o ocasional vinho verde" 4
428 RadioAmador "Um espaço para discutir e trocar informações sobre o radio amadorismo em Portugal" 40
429 rapidinhapoetica "Sub criado para textos curtos ou poesia escritos em português, sejam escritores profissionais, amadores, ou gente que só escreveu uma vez na vida mas gostou" 875
430 Recife 314
431 ReformaPolitica "Sub criado para discussao de propostas de reforma politica no Brasil" 27
432 ReiDoPaint "O nome é meramente ilustrativo, esse sub se dedica à batalhas e montagens com o PHOTOSHOP e similares" 32
433 restaurantes "Tens algo a dizer sobre um restaurante" 226
434 RevistaMariaResponde "Um sub para resolver problemas sentimentais" 233
435 Rio 19
436 rioave 20
437 riodejaneiro "A cidade maravilhosa" 1724
438 riograndedosul 396
439 rpg_brasil "Espaço brasileiro dedicado à discussão de Role-Playing Games (RPGs) nacionais e internacionais e assuntos pertinentes" 2011
440 salpicao 61
441 Salvador 49
442 samba 97
443 Sampa 2
444 SantaCatarina "Um lugar para compartilharmos notícias e debater assuntos que importem ao estado de Santa Catarina" 65
445 SantosFC 84
446 saopaulo "Subreddit dedicado ao Estado e a Cidade da Garoa: São Paulo" 3003
447 SaoPauloFC 23
448 SaoTomePrincipe 50
449 scbraga 61
450 seducaopt "Todos os conselhos, técnicas e ajuda na arte de sedução, em Portugal" 115
451 selecao 7
452 Semeando "Primeiro subreddit de plantas em português" 157
453 senado 2
454 Sergipe 11
455 Sertanejo 4
456 Setubal "Notícias de Setúbal" 129
457 SitesUteis "Aplicativos com funções úteis para o dia dia em geral" 1
458 Soberano "Maior subreddit sobre o São Paulo FC" 281
459 soccerCARALHO 41
460 solteafranga "Para Redditors que querem ser vistos" 615
461 somluso "Subreddit dedicado à discussão de musica em geral, com especial destaque para a música portuguesa" 1222
462 SPFC 103
463 Sporting 29
464 SportingCP "Tudo sobre o Sporting Clube de Portugal" 2658
465 sportrecife 27
466 standupbrasil "Espaço para brasileiros discutirem tudo sobre Stand Up Comedy" 26
467 SubredditsPortugueses "Um sub para partilhar e apresentar subreddits Portugueses" 17
468 TascaDoZe "Um local para beber um copo e conversar com os amigos em português" 87
469 territoriolivre "Espaço dedicado à cooperação e debate de ideias, projetos e propostas do Movimento Brasil Livre" 145
470 Timor "Timor Leste" 144
471 timorleste "Subreddit sobre Timor Leste" 43
472 TinderBR 690
473 tiodopave "Para as piadinhas feitas pelo seu tio gordo no churrasco da família" 6465
474 TiTiTi "Ok, Ok" 44
475 tuga4tuga "Versão portuguesa do DirtyR4R" 28
476 TuGaOwninG "Reddit aqui pra malta e pronto" 26
477 Tugasnuas "Reddit para postar tugas amadoras nuas, seminuas ou pouco vestidas" 31
478 turismobrasil "Links e discussões sobre viagens e turismo no Brasil" 72
479 ueee "Imagens que fazem você falar 'uéee'" 214
480 uerj "Universidade do Estado do Rio de Janeiro" 3
481 ufmg "Subreddit para alunos, ex-alunos, colaboradores e professores da Universidade Federal de Minas Gerais" 4
482 uminho "Subreddit da Academia e dos habitantes do Minho" 133
483 uporto "Grupo dedicado aos assuntos e notícias relevantes à comunidade da Universidade do Porto" 113
484 URSAL 410
485 USP "Subreddit criado para assuntos relacionados à Universidade de São Paulo, desde festas até protestos, palestras e o que o valha" 171
486 Vagas "Este é um sub focado em compartilhar vagas, relatar experiencias, dar dicas de processo seletivo e entre outros assuntos relacionados" 1386
487 valetudo 169
488 valetudointernacional 77
489 vasco "Sub para assuntos relacionados com o Club de Regatas Vasco da Gama" 170
490 veganismobrasil "Esse é o subreddit brasileiro sobre veganismo" 88
491 velhos_na_internet "Semelhante ao oldpeoplefacebook, mas em português" 114
492 vergonhaalheia "vergonhaalheia é o lugar para vídeos, imagens ou histórias de situações vergonhosas" 227
493 vergonhaalheira "Uma espécie de cringe para os falantes do português, porque há tanto recheio para essa chouriça" 555
494 Vestibular "Subreddit destinado aos jovens brasileiros que pretendem prestar o exame para entrar em universidades" 19
495 viana 85
496 VideosLegais "Vídeos legais, criativos, originais, diferentes" 1
497 vinho "Tudo sobre vinho Português" 83
498 VocePrefere "Popular jogo 'O que você prefere', onde são mostradas duas opções e deve-se escolher uma delas, com uma justificativa" 2
499 WackyZapZap "Um lugar pra postar imagens que saíram do ZapZap mas sofreram mutações" 124
500 wrestlingportugal "Um sub-reddit para os fãs de wrestling portugueses discutirem Professional Wreslting nacional e estrangeiro" 7
501 youtubebrasil "Um lugar para compartilhar e divulgar vídeos com qualquer conteúdo brasileiro" 313
502 ZeroQuatroMidia "Canal oficial para falar com quem curte os vídeos da ZeroQuatroMídia, ou só games em geral" 22
503 Zuera 17

Flairs

nome critério de marcação
ativo para subreddits com postagens regulares que não se encontram nas condições dos outros flairs
novo para subreddits criados recentemente, isto é, nos últimos 6 meses
reativado para subreddits que não estavam ativos ultimamente e voltaram a ter postagens regulares recentemente
inativo para subs em que a postagem mais recente já está trancada por ter sido feita há pelo menos 6 meses atrás
sem moderação para subreddits que não têm moderadores com conta ativa
internacional para subreddits sobre cultura de país lusófono, mas que não utiliza o idioma português e é voltado para público estrangeiro

Multireddits

novos
m/emportugues1
m/emportugues2
m/emportugues3
m/emportugues4
m/emportugues5
m/emportugues6

Novidades

Como as postagens no Reddit ficam abertas por 6 meses, a previsão é que esta postagem funcione dentro desse prazo para receber comentários caso haja interesse; quando a postagem fechar, uma nova postagem similar deve lançar novidades.
Peço a ajuda de vocês para manter o sub ativo a fim de motivar sua manutenção e também para auxiliar outros moderadores a manterem os subs que administram vivos já que parte considerável dos subs em português tendem à inatividade.
Assim, convido usuários e moderadores de outros subs e, principalmente, de subs novos e reativados a postar subs conforme o padrão adotado nas demais postagens, bastando: copiar e colar o link do sub, escrever a descrição abreviada, selecionar o flair adequado e pronto!
A intenção é que EmPortugues possa servir como newreddits, shamelessplug, NOTSONEWREDDITS, newsubreddits, promotereddit, freepromote e freeadvertising a fim de viabilizar subs em nosso idioma e para tomarmos conhecimento de novos subs lusófonos e afins já que não temos tanto espaço nos subs citados justamente pela barreira do idioma.
Quem tiver dúvidas ou quiser oferecer algum tipo de ajuda para levar este projeto adiante, basta responder à versão original desta postagem e eu agradeço pela cooperação de quem está lendo.
⟶ 2ª compilação com mais 494 subreddits tabelados em outubro de 2019
submitted by JorgeAmVF to EmPortugues [link] [comments]


2019.01.04 20:36 _Maragato_ Sobre a precarização do trabalho e algumas consequências...

Texto publicado no facebook do andré perfeito o economista que entrevistou o ciro no roda viva.

Fiz um post mais cedo onde compartilhei a imagem de uma propaganda onde um advogado, o Sr. Anderson Gama (que me remete à Luiz Gama pela contradição em nome em em termo) oferecia seus serviços de consultoria trabalhista à empresários para ensinar "como demitir seus funcionários e contratá-los mais barato". Ele promete na peça publicitária oferecer mais lucro para empresários em todo o país.
Fiz o comentário com um recurso retórico meu do "vou deixar isso aqui" e o que se seguiu foram comentários dos mais variados à favor e contra o serviço prestado, mas confesso que minha ironia tinha na primeira camada a perspectiva de efetivamente publicizar o serviço; afinal este vai ser o tom destes próximos 4 anos pelo menos e muitos empresários irão utilizar tal estratégia por óbvio.
Digo mais: das reformas "estruturantes" de Bolsonaro tenho certeza que essa é a que mais avançar. Ele mesmo já disse mais de uma vez que o trabalhador deveria escolher entre "todos os direitos e nenhum trabalho ou trabalho e nenhum direito".
Enfim...
Vi aqui e acolá os comentários do meu fla-flu particular que é esta curva de rio dos meus "amigos" de facebook que alimento à base de leite ninho, manga doce e fios de ovos. Trato bem para voltarem sempre, afinal faço daqui espaço poético onde escrevo esperando o acaso das pessoas reagiram.
Amo muito tudo isso, publicizo eu.
(Engraçado, nunca escrevi publicizo na vida. Palavra divertida.)
Mas cabe aqui pensar no pormenor o que aquela singela proposta do senhor Gama quer nos dizer.
A primeira coisa no registro das ideias é que ele propõe demitir os funcionários para recontratá-los de forma mais barata e - aqui está a questão - com vistas à oferecer mais lucro ao empresário.
Não vejo absolutamente nada errado em aumentar o lucro empresarial, afinal é a sinalização do lucro que mobiliza mulheres, homens, transgêneros e toda espécie de pessoas com vocação ao risco em se empreender em atividades produtivas alargando assim o espaço da produção nacional. O lucro deve ser estimulado de maneira entusiasmada e como já disse um chinês comunista: enriquecer é glorioso.
O próprio esforço deste Gama é retrato fiel do que se quer esperar de um capitalista: avançando sobre mercados não explorados e transformar tudo em mercadoria com vistas, por óbvio, em lucro.
Não vou entrar no mérito se um advogado pode ou não fazer esse tipo de publicidade, pelo que sei no Brasil é proibido a mercantilização explícita do direito, o que eu acho uma bobagem essa proibição: no estado capitalista o direito é também uma mercadoria e cabe ao estado oferecer esta aos que não tem posses através da defensoria pública.
Nos EUA advogados fazem publicidade em metrô e espalham adesivos em cabines telefônicas ao lado de outros serviços também fundamentais.
Voltemos ao tema.
Na melhor tradição de um economista vou introduzir algumas hipóteses simplificações para poder avaliar a situação. A primeira é que a ação de demitir para contratar se dê com todas as outras variáveis constantes, o famoso "coeteris paribus". A segunda é que o investimento seja função de um mercado competitivo no sentido que o empresário só investe para poder produzir melhor que seu vizinho e assim ganhar mercado ou que invista para simplesmente cortar custos e melhorar suas margens. Assumo também que o nível de produto numa economia seja o nível de renda geral dos seus participantes e por fim que o único tributo que o estado arrecada seja sobre o mercado de trabalho (essa simplificação é tosca, mas serve para jogar luz sobre a questão).
Vamos colocar em movimento nosso jogo de armar...
Ok, contratei o Sr. Gama e ele me disse: Dr André sua situação é grave; seu único funcionário (outra simplificação do modelo, eu sou o único empresário e só existe um único funcionário) custa para o senhor 10 dinheiros, sendo que 4 vão para o funcionário 2 para a poupança obrigatória deste funcionário (que assumimos ser um idiota incapaz de administrar sua própria poupança, isso não é uma simplificação, é assim mesmo que funciona) e 4 vão para o Estado em impostos.
Antes de continuar não me venham criticar nas razões de 4-2-4, isso é uma modelagem trivial. Tá ok?
O Sr. Gama se vira para mim com um sorriso no rosto e diz: podemos diminuir seu custo de maneira permanente de 10 para 7 e vc me paga 9 (o equivalente a diferença de 3 meses de salários normais). E quer saber?, continua o Se. Gama, a situação ainda é melhor, seu funcionário vai ganhar mais no processo! Mas como? Pergunto incrédulo e com um sorriso no rosto também.
Simples, me explica. O Sr vai demitir seu funcionário e recontratá-lo sem o lixo da antiga CLT de inspiração facista do Mussolini. Você recontrata e continua pagando os 4 de praxe para ele mas o dinheiro da poupança compulsória (que eram 2 dinheiros) você não é mais obrigado a pagar, mas como somos pessoas civilizadas você vai dar 1 para ele. O salário dele agora vai para 5 e os impostos que eram 4 agora vão ser 2. Pronto, seu custo caiu de 10 para 7.
Negócio fechado!
Minha margem de lucro vai aumentar, meu funcionário vai ganhar mais e estamos conversados.
Agora que mora o problema. Elevar as margens de lucro são um tônico importante, mas isto é sustentável? E mais: isso garante investimentos ou mais contratações? Depende. E muito.
Em primeiro lugar a poupança do funcionário vai cair e se poupança financia investimentos isso implica dizer que a quantidade de fundos emprestáveis (estou cometendo uma heresia aqui para um keynesiano, mas tudo bem) vai diminuir. Temos que considerar que talvez nem esse 1 "a mais" que o funcionário ganhou vai ser poupado, afinal talvez 4 fosse ainda muito pouco para viver. Temos que lembrar que no Brasil metade da população vive em média com mil reais, logo é pouco provável que mais renda se transforme em poupança. Dito de outra forma a propensão marginal à consumir é próxima da unidade e isto acontece não porque o brasileiro seja perdulário, mas antes porque não tem renda, mas deixemos essa conversa para depois.
Esse um dinheiro a mais entra na economia e aumenta a demanda, certo? Errado, temos que lembrar que o governo deixou de arrecadar 2 e assumindo que o governo também não faz poupança, na verdade é deficitário, será menos 2 demandados pelo estado. No final a demanda agregada caiu 1 dinheiro.
Assumindo que o estado vai precisar de financiar e que os gastos sejam fixos (o que não é necessariamente mais verdade uma vez que Paulo Guedes disse que pretende num plano B desvincular todas as receitas da união) isso implica que o estado terá que tomar mais dinheiro emprestado uma vez que ele cortou os impostos de 4 para 2.
Se o estado emite mais títulos isso quer dizer que haverá uma sobre oferta destes papéis e assim seu preço cai o que implica dizer que os juros sobem. Lembrem que estou trabalhando numa economia fechada é simples.
Com juros altos o investimento mais uma vez pode ser prejudicado especialmente porque se poupará menos (outro pecado da minha parte dizer isso, mas vou manter o tom ortodoxo da análise).
O problema se agrava. Com menos demanda e juros mais altos o empresário, no caso eu, não terá porque aumentar a produção e não irei investir. Com a demanda fraca terei que reajustar para baixo o preço do que vendo para não deixar as máquinas paradas e perder no custo de oportunidade do meu capital fixo e assim irei procurar mais uma vez o Sr. Gama para refazer sua "mágica" nos meus custos.
Outro ponto importante é que com a mão de obra sempre mais barata não gera incentivos para se cortar mão de obra, ou seja, investir para poupar esse custo e temos assim um equilíbrio pior no fim das n interações possíveis.
Claro, isso é um modelo simplificado, se o Brasil conseguir exportar mais com a nova estratégia do Itamaraty (o que ainda precisamos ver acontecer) a demanda cresce. Se os juros caírem por conta da diminuição radical da preferência pela liquidez dos agentes que vendo uma economia com chances de crescer o mercado de crédito irá aumentar. Se as reformas microeconômicas melhorarem o estado isso implica um nível de consumo ainda adequado.
A provocação que faço aqui é essa: tudo em economia depende e não há nada que "por óbvio" gere crescimento.
Fora isso sigo com um sorriso no rosto: fico imaginando o que Luiz Gama, advogado negro e abolicionista, acharia do ofício do advogado Gama de hoje em dia... vou passear no Arouche ver o busto dele e perguntar.
submitted by _Maragato_ to brasil [link] [comments]


2019.01.04 14:40 mrBatata O wage gap continua a ser um mito: revisited

Ok no meu último post houve algumas críticas com argumentos bastante sólidos os quais não me foi possível responder atempadamente especialmente por que fui ler os artigos associados. Achei por bem também partilhar com o sub visto que respondendo individualmente ia ser mais moroso e muitos não iam ver pontos contra o meu argumento que partilho em baixo. (Tirei excertos e fiz link das respostas para não ficarmos com uma parede de texto substancialmente maior)
Notas:
(fim das notas)

TL;DR

No post anterior simplifiquei um problema que não é tão linear.
Mas basicamente não encontrei nada que suportasse a ideia de discriminação ACTIVA contra o sexo feminino, contudo o wage gap nos casos em que depois de ajustado ainda existe pode ser explicado pela maternidade e decisões que a antecedem.
A tarefa de ter um filho influencia as escolhas e tempo gasto no trabalho, à medida que a mulher envelhece a wage gap volta a reduzir novamente. Em bastante suma https://youtu.be/13XU4fMlN3w

TL;DR2

Ver ultimo paragrafo #Reflexões

 

Intro

Antes de mais importa esclarecer que tanto o título deste post como o do anterior são propositadamente click-baity em que apesar de ter havido muita gente a ler o meu texto na íntegra houve muitos outros que pouco ou nada leram. Escrevi este post porque acho importante mostrar outros argumentos que não se alinhem com o meu ponto de vista, ou até de outros, especialmente num mar de desinformação e tempo e atenção limitados. O título transmite que o wage gap é inexistente a verdade é um pouco mais complexa como alguns utilizadores apontaram e bem. Eu pelo que li nesta segunda passagem fiquei com uma ideia mais clara do que é que pode estar a acontecer e falo dela no final.
No meu post original centrei o meu argumento em que ajustando para várias variáveis o wage gap começa a desaparecer. Apesar de isto ser verdade não representa a imagem completa mas dá uma ideia de que a frase “as mulheres não recebem o mesmo que os homens” é muito provavelmente falsa. E este era o ponto em que me devia ter apoiado, porque para além disto ser ilegal nos países em que o “Wage Gap” está em vogue, não há (pelo que já li) provas de que isto seja verdade CONTUDO existem outros fatores que a podem tornar verdade. Um deles foi apontado no post gilded do u/davidpinho (em que apresento um excerto)
Tu não leste as tuas próprias fontes, isso é certo. Por exemplo, no artigo sobre diferenças sobre produtividade diz: [...] Uma explicação plausível para a discriminação, se bem que ainda não provada:
This age path suggests that the pay gap between men and women without children but of childbearing age is due to statistical discrimination: if productivity falls with motherhood but employers cannot lower wages when women give birth, then employers may offer lower wages to productive women in anticipation of motherhood
Em que Statistical discrimination significa:
Statistical discrimination is an economic theory of racial or gender inequality which results when economic agents (consumers, workers, employers, etc.) have imperfect information about individuals they interact with. According to this theory, inequality may exist and persist between demographic groups even when economic agents are rational and non-prejudiced.
Isto é uma possibilidade, que falo mais à frente. Os empregadores têm certamente a oportunidade de o fazer. E como indicas:
”Se este tipo de discriminação é aceitável ou não, isso já é outra discussão.”
Deixo também os pontos da conclusão do u/davidpinho que também são bastante pertinentes:
  • Isto é só um estudo, não se pode olhar só para um. A grande maioria dos estudos encontra a mesma coisa: há diferenças de salários depois de controlar por outros fatores, se bem que a diferença é relativamente pequena.
  • Quero fonte para "Em muitos ajustes é a mulher que ganha mais do que o homem pelo mesmo trabalho e com a mesma formação". Não é isso que a maioria da literatura parece mostrar e não deste fonte específica para isso.
Não encontro a que me referia por memória(colocarei se encontrar) sei que já a li há mais de 2 anos. Entretanto:
  • Não podemos assumir automaticamente que há discriminação só porque há uma 'gap' que continua a existir. Pode haver outros fatores que causam as diferenças salariais, mas...
  • ...também não podemos automaticamente assumir que a discriminação não existe só porque a 'gap' desaparece depois de ajustes. Isto acontece porque, por exemplo, é possível que as mulheres tenham mais empregos part-time por serem discriminadas quando tentam arranjar empregos a tempo inteiro.
  • Existindo diferença salarial, é possível que a discriminação seja "racional", tal como foi aludido no artigo (a tal "discriminação estatística"). Se este tipo de discriminação é aceitável ou não, isso já é outra discussão. Isto é para dizer que a discriminação pode existir sem que os empregadores estejam a deitar dinheiro fora, as duas coisas não são mutuamente exclusivas.
  • Conclusão: isto é um assunto complicado e ainda nada está definitivamente explicado, para de mandar bitaites sobre coisas que não leste.
(Sim, não li na íntegra antes de escrever o texto leio várias coisas ao longo do ano é me quase impossível voltar a encontrar o que quero utilizar para justificar o meu ponto o artigo tinha pontos contra e a favor de ambos os argumentos, daí é que o diálogo é bastante importante na minha opinião, graças ao meu post anterior tomei conhecimento de outros pontos de vista que desconhecia. Um “bitaite” não é apenas uma afirmação sem sentido é uma afirmação de uma interpretação da realidade do observador. Não vou deixar de ter uma opinião se não sei todos os factos, contudo admito que a maneira que escrevi o meu post não foi a melhor e transmitiu uma ideia errada)
Algo que me apercebi com o post anterior e uma das razões que estou a fazer este é que isto é um problema que parece bastante simples mas na verdade é bastante mais complexo e envolve várias áreas (economia, política, gestão, biologia, cultura, psicologia (preferências pessoais)) como uma crise financeira este é um problema que não se resolve com um “dá-se mais dinheiro”. E isto é em parte o que irrita mais nesta situação que não é exclusiva ao “wage gap”, tendemos agora mais do que nunca a pegar em assuntos complexos e simplificá-los a um absurdo que deixa de ter sentido e descarrila completamente o debate. Existe também bastante “desinformação” sobre todo o tipo de assuntos (p.e: a própria Forbes fala contra e a favor do wage gap a vox também) e existe também quem espalha e lucra com contra informação (um dos exemplos mais famosos vem da industria de carvão nos EUA a emitir “estudos” que desprovam o efeito estufa e o aquecimento global).
Recomendo verem este curto vídeo sobre este mesmo tema chamado de “cigarros, slots e outras coisas não viciantes”.
 
Todos concordamos no entanto (salvo algumas exceções não devidamente fundamentadas) é que quando se ajusta para vários fatores a “gap” começa a desaparecer.
Em quase todos os artigos que li não vi mencionado é haja qualquer regra que se aplique irá a mesma mudar alguma coisa?
Talvez olhar para soluções para o que vemos como um problema nos possa mostrar de onde ele realmente vem. Vamos assumir então cenários EXTREMOS para termos uma ideia geral para onde as coisas inclinam.
Primeiro cenário:
  • Todas as empresas são obrigadas a ter quotas de sexos
As empresas vão se sentir pressionadas para balançarem produtividade com números, para além de que seria inconstitucional despedir o excesso de homens ou mulheres (sim há empresas com mais mulheres que homens).
Uma empresa de obras por exemplo; imaginemos que têm 100 empregados dos quais 5 são mulheres essa empresa seria agora forçada a contratar 90 mulheres para manter o balanço.
Estas empresas vão querer mulheres que tenham conhecimento de bricolage e construção que consigam transportar e mover cargas pesadas, vamos assumir que a própria empresa nem se importa de oferecer a formação. Existem algumas mulheres fortes que conseguem ser tão produtivas fisicamente como um homem mas quantas é que existem numa população de 10 milhões? Certamente que não estão distribuídas igualmente pelo país. E dessas quantas é que querem trabalhar em obras? A empresa pode forçar os homens a fazer o trabalho forçado e deixar as mulheres fazer o mais fácil mas durante quanto tempo é que isso é sustentável? Uma empresa destas tem de alocar vários empregados para vários locais e certos trabalhos são mais exigentes fisicamente do que outros. A empresa também pode ter as mulheres “encostadas na box” apenas para manter a quota mas isso não só é queimar dinheiro como ia rapidamente tornar-se num pesadelo de discriminação.
Vamos agora ver por exemplo um cabeleireiro; imaginemos que têm 5 mulheres este salão tem agora de contratar 5 homens para lá trabalharem. O salão vai querer contratar gays para manter um ambiente convidativo para mulheres (um cabeleireiro para muitas mulheres(>40 maioritariamente) é como um “fórum” onde podem interagir com outras mulheres, especialmente fora das cidades) Com >1% da população sendo homossexual não vai ser nada fácil para estes negócios encontrarem homens que consigam OU QUEIRAM ser cabeleireiros.
Mas em ambos os casos estas são as menores preocupações que as empresas enfrentam, os custos passam a ser um problema bastante sério. As empresas vão demorar e gastar bastante a treinar os novos empregados e quando os tiverem treinados não vai haver contratos externos/compras/serviços suficientes para ter todos eles a trabalharem logo vão ter de aumentar os preços, ou seja todas as empresas aumentam os preços (isto assumindo que todas as empresas conseguem encontrar pessoas para preencher o trabalho) Quero ver como é que depois convencemos a união europeia a nos dar mais euros para combater a inflação criada. Nem sequer mencionei os trabalhos que requerem formação avançada tipo medicina ou aviação em que as capacidades e não o sexo é que importam.
Segundo cenário:
  • Paga-se mais às mulheres do que aos homens, para fechar o “gap”
Primeiro não sei como é que vão conseguir fazer passar isto pelo tribunal constitucional. Uma solução possível era os homens fazerem menos horas. Isto ia ser no mínimo anedótico. Mas assumamos que passava a acontecer o que é que aconteceria?
Se as empresas tiverem de pagar mais às mulheres para diminuir a “diferença” os homens vão procurar outras formas de fazer mais dinheiro e/ou não se vão dedicar tanto à vida profissional porque não existe um incentivo para isso
Algo que todos sabemos mas parece que nos esquecemos uma parte do que leva homens a seguir empregos bem pagos é que podem usar o dinheiro e podestatus na estratégia sexual (antes de descartarem esta ideia como ridícula pensem em quantas e quais mulheres existem que estão a fim de suportar o parceiro monetariamente? E dessas quais é que querem viver com um homem com um status inferior ao delas?)
A estratégia sexual, na minha opinião, influencia provavelmente mais do que pensamos. Infelizmente não consegui encontrar literatura sobre isto a não ser livros e não estatística.

 

Outro ponto apontado por u/salazarcadositio oi a minha falta de objetividade quando digo que o wage gap é um mito e em que se me estou a referir às falas do "clássico 78 cêntimos do dólar" em que providencia este artigo do washington post.
Ou caso estivesse a dizer que o wage gap era mesmo um mito e não existia de forma nenhuma, em que mencionou o post do u/gattaca_now e que expande:
Sendo uma diferença entre dois valores estatísticos, o wage gap é real e existe. Podes é discordar acerca das razões pela qual ele existe e se são justas ou não, mas a diferença estatística existe, é factual.
A média salarial dos homens é mais elevada que a média salarial das mulheres. Este parece ser um problema comum a discussões de assuntos mais ou menos sérios. Não se define bem do que se está a falar à partida e depois tens pessoas a falar um para o outro mas de coisas diferentes. Já começas a ter muitos exemplos disso nos comentários.
Mas isto é uma discussão importante de se ter. Pelo que vejo do teu post acho que estás a dizer que a noção de wage gap não existe como a ideia de que "para o mesmo trabalho uma mulher recebe 78 cêntimos de dolar de um homem" o que eu concordo em grande parte. Mas aceitas que existem diferenças salariais e que estas advêm de questões culturais e biológicas.
A questão de combater o wage gap, quando abordada de forma séria e para lá do soundbite dos "78 centimos", é essa mesma, que para lá do soundbite dos "78 centimos". As questões culturais que fazem com que assim seja e se elas são legitimas ou se devem ser mudadas.
As horas de trabalho que falas, os tipos de carreiras que predominam mais num sexo do que no outro, e as responsabilidades familiares que as mulheres assumem. São essas as questões culturais que se devem discutir neste assunto.
Muitas vezes este assunto acabe em: "devem existir igualdade de oportunidades entre os sexos mas não igualdade de resultados". E que no panorama geral das sociedades ocidentais isso já se verifica. Eu concordo com a premissa mas discordo que já lá tenhamos chegado.
Alguns exemplos: * As mulheres ainda são quem a maioria do trabalho domestico num contexto familiar. Fonte.
  • Ainda existem fortes estereótipos e expectativas associadas com ambos os sexos que afunilam cada um para certos campos Fonte
  • As mulheres continuam a ser prejudicadas a longo prazo pelo facto de terem filhos Fonte
Todos estes fatores influenciam o tal wage gap que existe. Podemos discutir como sociedade se são fatores que devemos ou não mudar. Se são ou não coisas que se devem deixar á escolha pessoal de cada um com as consequências que isso trará para a sociedade. Essa é a verdadeira discussão a ter neste assunto.
Concordo!
Mas tudo isto não tem em conta a parte mais importante: as diferenças biológicas entre os sexos. Mais concretamente diferenças neurológicas, que são uma surpresa para muitos. Esta explica bem porque é que as mulheres preferem trabalhar com pessoas e os homens com coisas.
Isto está longe de ser aceite como facto. Se tiveres uma fonte gostaria de ler mas nunca vi nada que fosse capaz de ligar a biologia a esses efeitos sociais de forma conclusiva.
Tenho sim apesar de que provavelmente não deveria ter dito a primeira parte.
Com esta merda de querermos ser todos iguais estamos completamente a ignorar as nossas limitações biológicas e culturais e em muitos casos a danificar o progresso que tanto queremos fazer.
Concordo que a discussão precisa de ser melhor mas "esta merda de querermos todos ser iguais" continua no meu ponto de vista a ser um objetivo nobre e bom para a sociedade. As limitações culturais estão nas nossas mãos mudar e as biológicas não parecem ser de todo impedimento para que o façamos.
O “querermos ser todos iguais” é mais o queremos igualdade de resultado ou mais privilégios de forma egoísta.

 

O u/rui278 e outros também apontaram e bem para a questão biológica de Inato ou Adquirido E, isto é, algo que só saberemos em 2066 quando o estudo de Peter B. Neubauer for publicado. Mas por algumas fugas de registros censurados(=redacted) parece que a biologia afecta mais do que o ambiente. Esse psicólogo tem alguns trabalhos bastante interessantes sobre desenvolvimento btw. Entrei novamente numa tangente.
[...]Ou seja, o wage gap não é um problema in of itself, é uma consequencia dos vários problemas de base na nossa sociedade que puxam os homem e mulher para terem posições diferentes na sociedade. Em teoria deveria ser +/- equiprovavel encontrar homens e mulheres na mesma posição (o único fator relevante que diferencia entre homens e mulheres é mesmo as licenças de natalidade, mas lá está, também há uma pressão grande para serem os 6 meses gastos pela mulher, quando splits do tempo deveriam ser perfeitamente normais e também ajudariam a fazer com que isso fosse menos fator).
Eu muito antes disto tudo concordaria contigo na primeira parte (no final estamos de acordo), deveria ser natural encontrar homens e mulheres igualmente distribuídos mas se avaliarmos a nível de estratégia não faz muito sentido. Imagina que éramos todos hermafroditas ou seja podíamos escolher fecundar ou ter bebés; ok aqui era tudo definitivamente igual. Então o que teria mais peso neste cenário? A gestação. Iria requerer bastantes cuidados da pessoa que decidisse dar à luz. Portanto interessa-me várias coisas:
  • evitar situações de risco ao máximo
  • ter um parceiro que me pudesse suportar
  • ter um maior controlo sobre o meu futuro
  • e não ter compromissos
Estas são as regras para ter uma estratégia bem-sucedida quantas menos tiver mais precária se torna a minha posição. Agora isto também depende bastante do parceiro que escolher se ele não se comprometer fico na merda e pior do que estava porque agora tenho um parasita dentro de mim. E na vida real vemos isto todos os dias, as mulheres decidem com quem ter sexo (ou não) e os homens decidem com quem se comprometer. As nossas diferenças biológicas (PELO MENOS SEXUAIS) influenciam as nossas decisões e comportamentos. Claro que isto é oversimplified mas acho que dá para dar uma imagem de porque é que acho que esse é o caso.

 

Quanto ao [comentário]() da u/grilledpotato90 :
Antes de mais, peço desculpa pela formatação, pois estou a escrever no telemóvel. Segundo esta estatística da OCDE (https://stats.oecd.org/index.aspx?queryid=54757) as mulheres portuguesas, no total, trabalham mais 90 minutos por dia que os homens. O que é que isto tem haver com a Gender Gap? Bem, se analisarmos o total de minutos por dia de unpaid labour, conseguimos observar uma discrepância enorme entre géneros (M 96.3 min/dia e F 328.2 min/dia). Eu acho que é aqui que está a origem e a justificação do Gender Gap. Os homens e as mulheres não dividem por igual (50/50) as tarefas domésticas.
Sim! Concordo, vês que as mulheres passam bastante mais tempo em trabalhos não remunerados (232 minutos ou 3 horas e 52 minutos a mais do que os homens ou 5:28 no total (estamos atrás do méxico em n1 e da índia em n2)) do que os homens (que gastam no total 1h:36m) e que os homens passam 141 minutos (2 horas e 21 minutos) a mais do que as mulheres em trabalhos remunerados. E está presente em TODOS os países nessa fonte. O que sugere que poderá ser mais do que um aspecto cultural.
Mas também vejo discrepâncias especialmente na Suécia, na Dinamarca, na Noruega e na Holanda os Homens trabalhem tanto mais em trabalho pago que acabam no total por trabalhar muito mais tempo que as mulheres, estamos a falar de países bastante balançados a nível de sexo. O que é estranho. Será que os homens estão a compensar por algo? Outra coisa, nós também não conseguimos dizer o que tem mais peso no trabalho não remunerado:
Time spent in unpaid work includes routine housework, shopping, care for household members, child care, adult care, care for non-household members, volunteering, travel related to household activities, and other unpaid activities. Sem querer atirar areia à cara porque é absolutamente garantido que as crianças gastam bastante desse tempo, mas quanto?
Isto é um fenómeno cultural que não está certo.
Não está certo porquê? Queremos obrigar as mães grávidas a fazer a mesmas atividades de não grávida para compensar minutos gastos em trabalho não remunerado? É que 9 meses (na verdade 10 porque são 39.1 semanas) é bastante tempo mesmo excluindo os meses iniciais. Quanto desse tempo está incluido nos minutos da OCDE? Não sabemos.
Certamente que não vamos fazer como aos cavalos marinhos e passar os fetos para o pai acabar a gestação. E depois de nascidos quantas mães é que querem que o bebé passe a maioria do tempo com o pai? Isso é justo para a mãe? Neste ponto também me questiono; é justo para os pai trabalhar mais horas laborais do que a mãe?
Antes da entrada da mulher no mercado de trabalho entendia-se, mas hoje em dia, em que as mulheres trabalham as mesmas horas que os homens nos seus empregos é inadmissível!
Os homens trabalham mais. Em todos os países da fonte. E então qual é o problema se as mulheres trabalharem menos horas no emprego? E aqui acho que está outro ponto importante da discussão. O que é que é justo? Certamente que todos concordamos que tanto as mulheres como os homens têm os mesmos direitos. Mas com direitos vêm responsabilidades, e, a meu ver algumas mulheres, partidos políticos e o movimento “feminista de 3.ª onda” têm usado o wage gap como arma de arremesso para dar mais direitos às mulheres com muito menos responsabilidades, ATENÇÃO que não estou a dizer que todas as mulheres subscrevem a esta ideologia muito menos que as mulheres não têm já responsabilidades e dificuldades suficientes estou a dizer que é tudo muito bonito dito mas são basicamente argumentos de casas de cartas. [E este é um ponto que é difícil de expressar e que pode ser mal compreendido.]
"Porque é que as empresas não contratam mais mulheres, já que lhes pagam menos?" pela mesma razão a que continuam a preferir contratar homens a mulheres.
Mas onde está a prova de tal? Não digo que não possa ser verdade O/A u/TomTomKenobi apontou para uma boa thread no wiki do economy e que também fala disso, faz o ponto de que “cannot assume economic outcomes from a deductive approach alone” algo que fui um pouco culpado de fazer no post anterior.
As mulheres engravidam, os filhos estão doentes e elas depois faltam, etc.
O pai também tem direitos paternais nada obriga a mãe a ser ela exclusivamente a tratar dos putos. E se queremos ser justos neste ponto vamos fazer com que os divórcios dêm a guarda ao pai por defeito em vez de à mãe. Uma grande parte desse problema desvanecia. Se os filhos são um problema tão grande e se como sociedade queremos ser tão igualitários porque é que as mães ficam sempre com a guarda dos filhos? Também não acho justo. Porque é que os Telejornais falam tanto de “wage gap” mas não de guarda paternal ou partilhada? Saí numa tangente mas achei que era pertinente levantar este ponto.
O Gender Gap é real porque devido à fisionomia da mulher e ao seu papel social, esta é sempre vista como uma "liability" para a empresa.
Woah calma lá, o Gender gap é real porque a fisionomia da mulher é X é fazer uma grande ligação. Não digo que não possa ser verdade mas a nível de afirmação é um grande salto.
Até têm menos acessos a promoções devido a esta expetativa social.
Isto não é verdade. Os homens são os que mais trabalham para e pedem promoções, e uma coisa que muitas pessoas acham é que uma promoção é equivalente a ganhar mais dinheiro, uma promoção envolve muitas mais responsabilidades mais horas de trabalho e mais stress coisa que as mulheres não estão para aturar. Menos ainda se ainda não tiveram filhos. O que se pensarmos faz sentido. Se eu não tenho um filho ou família e se o meu corpo vai se degradar ao ponto que já não me é possível ter um no futuro não vou dar um “LEROY JENKINS” no meu emprego e perder a oportunidade de ter descendentes.
E antes que venham com “ah e tal mas as mulheres ganham menos em promoções” segundo o “bureau of economic research” americano apesar de haver uma diferença de 2,2% em promoções que já levava em conta as mulheres escolherem mais trabalhos como assistentes e trabalho administrativo que raramente tem oportunidades de promoção e os homens escolhiam mais trabalhos em áreas em que era possível a promoção, importa notar também que este estudo é de 1995
Uma das fontes de onde tirei o seguinte é bastante tendenciosa e não apresenta os dados em avulso mas chega a pontos pertinentes que convenientemente decidem não endereçar. Algo que também importa notar é que isto é um questionário e é americano. Usei para não dizerem que eu pesquiso por aquilo que me é favorável. Eu encontro discrepâncias e analiso.
Fewer women than men are aiming for the very top. Among senior managers, 60% of women said they want to be a top executive, compared to 72% of men. Women were also more likely to cite stress and pressure as one of the biggest reasons for not wanting to hold top positions.
Contrary to popular belief, women are not leaving their organizations at higher rates than men. In fact, women in leadership are more likely to stay with their companies than men. At the senior vice president level, women are 20% less likely to leave. Women in the C-suite are about half as likely to leave their organizations as men.
Women often start out in line roles (defined as positions with profit-and-loss responsibility and/or focused on core operations), but by the VP level more than half of women hold staff roles (positions in functions that support the organization like legal and IT). Men, on the other hand, are more likely to hold line roles at every level of an organization. This difference poses a potential problem because line roles frequently feed into senior leadership.
There's a common misconception that women who start families are subsequently less ambitious in their careers. But mothers in the survey were 15% more interested in being a top executive than women without children.
Very few people participate in flexibility and career-development programs offered by their organizations. More than 90% of women and men believe taking extended family leave will hurt their position at work.
Se os homens dedicarem o mesmo tempo no trabalho doméstico que as mulheres, deixa de haver este problema!
Eu diria que continuaria a existir, já vimos que há muito mais variáveis a este problema, mas concordo que tornava o trabalho das mães muito mais fácil.
Mas agora não venham para aqui dizer que o Gender Gap é mentira quando em todas as entrevistas de emprego me perguntam quais são os meus planos em relação a casar e a ter filhos!
Aqui acho errado e não sei se não poderás reportar isto a alguém. É completamente desnecessário e ninguém tem um caralho a ver com isso a não seres tu.
O/A u/crouchingvenus escreveu:
[...] os que já são pais focam se em melhorar o estilo de vida da família o que implica focarem-se mais no trabalho.
Não achas que isto é um problema? Porque é que são as mulheres incentivadas a dedicar mais tempo à família e os homens ao trabalho?
Não, não acho. Porque ninguém as está a forçar a isso. Se estivessem a ser forçadas sim achava bastante errado. E ninguém é forçosamente incentivado a fazer nada. Exceto as mulheres a seguirem carreiras STEM (ciência(Science), Tecnologia, Engenharia e Matemática) Não achas que isto é um problema? Especialmente quando o quão mais igualitária é uma sociedade menos as mulheres escolhem estas áreas.
Todo o teu raciocínio só reforça preconceitos de género e valores sociais bafientos. Entra em 2019 please.
Por favor elucida-me como. Eu diria mesmo o oposto, se tivermos dados e entendermos os problemas que enfrentamos e os tentarmos resolver é benéfico para todos não achas?

 

O u/DogsOnWeed também mencionou que os homens terem direito de licença de paternidade também ajudaria a corrigir desigualdades estatisticas.

 

Reflexões

O que conseguimos dar como certo:
  • Ninguém aqui quer que as mulheres sejam discriminadas
  • Queremos igualdades de oportunidade
  • O 77 cents on the dollar vem do Current Population Survey de 2009 do Bureau of Labour Statistics US
  • As mulheres trabalham mais em trabalhos temporários (Várias fontes)
  • Os homens trabalham mais horas extra (Várias Fontes)
  • As mulheres tendem a ocupar trabalhos que pagam menos (Várias fontes)
  • As mulheres tendem a escolher trabalhos que não facilitam a promoção
  • As mulheres ganham mais em trabalhos temporários (entre 1 a 34h) por semana do que homens (Bureau of Labour Statistics US)
  • 25% das mulheres e 12% dos homens trabalham em trabalhos temporários (Bureau of Labour Statistics US)
  • 11% das mulheres e 22% dos homens trabalham mais de 41 horas (Bureau of Labour Statistics US)
  • As mulheres que nunca casaram recebem EM MEDIA 5% menos do que os homens (Bureau of Labour Statistics US)
  • As pessoas que trabalham horas extraordinárias recebem cerca de 5 vezes mais do que as que trabalham em part time.(Bureau of Labour Statistics US)
Algo que descobri a investigar para escrever este post foi que segundo dois papéis da Claudia Goldin (este e este) que me foram referidos por esta peça da Vox
É que o wage gap pode ser explicado pelos custos de ter um filho e as curvas nos gráficos do papel e do vídeo parecem ter uma correlação com o aumento da idade média em que as mulheres têm o primeiro filho (Indicato>Dropdown />Mean age of women at childbirth) e que encaixa bem quando vemos que as mulheres mais ricas do mundo têm mais de 55 anos.

 

Enquanto os comentários anteriores dedicaram lógica, dados e contra argumentação outros simplesmente atiraram este papel do World Economic Forum várias vezes com “oh mas este desprova tudo isso” acho que se lerem apenas a introdução entendem logo porque é que não lhe dei o tempo do dia. E não é um estudo é mais é uma aglomeração de valores que esperam que a distribuição de homens e mulheres seja 50:50 em tudo (excepto em taxas de mortalidade por exemplo) algo que outros users foram rápidos a comentar.
Acho também um bocado triste haver comentários com discussão pertinente serem downvoted porque têm uma visão diferente e foi óbvio pela altura em que os downvotes apareceram que foi uma birra de “isto está contra o que eu acredito” “pumba, downvotes para todos”. Não façam isso, downvotes não mudam opiniões.
   
Fontes:
https://www.theguardian.com/world/2018/jul/23/women-lying-earning-more-than-husbands-us-census
https://www.nytimes.com/2018/07/17/upshot/when-wives-earn-more-than-husbands-neither-like-to-admit-it.html
https://www.vox.com/2018/2/19/17018380/gender-wage-gap-childcare-penalty
https://www.payscale.com/gender-lifetime-earnings-gap
https://www.youtube.com/watch?v=13XU4fMlN3w
https://iwpr.org/wp-content/uploads/wpallimport/files/iwpr-export/publications/C350.pdf
https://web.archive.org/web/20101126032209/https://www.bls.gov/cps/cpswom2009.pdf
https://web.archive.org/web/20181130100719/https://arxiv.org/pdf/1703.04184.pdf
http://siteresources.worldbank.org/INTPAH/Resources/Publications/459843-1195594469249/HealthEquityCh12.pdf
http://cep.lse.ac.uk/pubs/download/dp1156.pdf
https://scholar.harvard.edu/files/goldin/files/goldin_aeapress_2014_1.pdf
http://scholar.harvard.edu/files/goldin/files/dynamics_of_the_gender_gap_for_young_professionals_in_the_financial_and_corporate_sectors.pdf
 
Outros comentários interessantes u/TomTomKenobi com este, u/harlequin90 com este e u/agaeme com [este]() em que menciona este video que não consegui ver porque não tenho netflix
Edit: Formatação (raio do reddit e o novo markdown) e ortografia
Edit2: Adicionei TL;DR
submitted by mrBatata to portugal [link] [comments]


2018.12.21 11:33 guerrilheiro_urbano El pensador Hervé Kempf analiza el movimiento de los chalecos amarillos

Acredito que se trata antes de mais nada de uma revolta popular.

É o povo quem se expressou. E quando se fala de povo, está se mencionando aqueles e aquelas que não têm acesso à palavra nos meios de comunicação. Foram enfermeiras, caminhoneiros e desempregados que tomaram a palavra e ocuparam o terreno. Nesse sentido, é uma autêntica revolta popular, muito impressionante, que também se manifestou mediante o fato de que se ocuparam os bairros ricos de Paris.

Em geral, quando há manifestações ou enfrentamentos, estes ocorrem na Praça da República, na Bastilha, na Nação ou nos bairros antigamente populares de Paris. Desta vez, as coisas ocorreram na Campos Elísios, e inclusive na Avenida Foch, ou seja, a avenida onde se concentram as riquezas mais importantes da França e talvez do mundo. Na Avenida Foch, houve barricadas e enfrentamentos. Tratou-se, então, de uma revolta popular muito forte, que afirmou por meio da violência que as coisas não podiam continuar assim.

Acredito que houve um enfoque em Paris porque as imagens das barricadas na Campos Elísios impactaram muito. Mas, na realidade, foi um movimento muito profundo que, além de ocupar os centros de poder em Paris, desenvolveu-se em toda França. Essa França é a que vive mais precariamente, a que sente o enfraquecimento da solidariedade coletiva que marcou a França há décadas.

É a França que não chega ao fim do mês, a França que vê que seus filhos não poderão realizar estudos de qualidade. Essa França vê como, após a presidência de Nicolas Sarkozy e de François Hollande, o liberalismo continua com mais força. Essa França vê como os antigos mecanismos de solidariedade coletiva se fragilizam, como tudo é lançado em um mercado que só beneficia as pessoas das cidades e os ricos.

É uma França rural, de bairros populares.

Essa França sente que os ricos estão abandonando-os. Os ricos, e não só na França, optaram coletivamente por abandonar o povo. Os ricos já não possuem mais o ideal liberal que, durante muito tempo, consistiu em pensar que a sociedade deveria estar unida, deveria ser homogênea, que todo mundo tinha direito à dignidade. É uma noção abandonada pelas novas classes ricas nos últimos 15 anos. E isso as pessoas compreenderam muito bem.

Acredito, também, que as pessoas tomaram consciência da força da desigualdade e da brutalidade da política das classes dominantes. Isto se difundiu por toda a sociedade. As pessoas se dão conta que perdem seu poder aquisitivo, quando na realidade as riquezas aumentam.

Desde a crise financeira de 2008, os ricos continuam o movimento ascendente. Por sua vez, as classes médias viram seu nível de vida congelado ou degradado. As classes mais pobres da sociedade pagam o preço da crise. Os 30% das pessoas mais pobres viram sua renda diminuir.

Elas pagam a crise financeira.

As pessoas vivem cada dia de suas vidas sobre os efeitos desta brutalidade. Este movimento também colocou na agenda o tema da democracia.

O tema tributário remete a uma base fundamental que figura na Declaração dos Direitos Humanos de 1789. A Declaração diz que a “contribuição comum é indispensável. Deve ser dividida entre todos os cidadãos segundo suas faculdades”. Este artigo rege a política francesa. Diz sim, é preciso pagar impostos, mas equitativamente.

Isso remete à temática democrática. E isso é o que esteve em jogo através dos coletes amarelos.

FONTE: https://www.pagina12.com.a162874-es-una-revuelta-popular-de-una-francia-que-no-llega-a-fin-de
submitted by guerrilheiro_urbano to BrasildoB [link] [comments]


Lei 8.666/93 - Aula 9 - Tomada de Preço (Art.22 §2º ... Direito Tributário - Preços de Transferência - aula 5 (02/10/15) Marcos e Belutti - Tonelada de Solidão - Part. Ferrugem ... Licitações-e e Sistema de Registro de Preço - YouTube 5 TEMAS PARA TCC EM DIREITO EMPRESARIAL (2019/2020) Temas para TCC em direito (e também mestrado e doutorado ... É SEU DIREITO – TEMA: PRECISO DE UM ADVOGADO? - YouTube

Faculdade de Direito - Tudo sobre o curso de graduação em ...

  1. Lei 8.666/93 - Aula 9 - Tomada de Preço (Art.22 §2º ...
  2. Direito Tributário - Preços de Transferência - aula 5 (02/10/15)
  3. Marcos e Belutti - Tonelada de Solidão - Part. Ferrugem ...
  4. Licitações-e e Sistema de Registro de Preço - YouTube
  5. 5 TEMAS PARA TCC EM DIREITO EMPRESARIAL (2019/2020)
  6. Temas para TCC em direito (e também mestrado e doutorado ...
  7. É SEU DIREITO – TEMA: PRECISO DE UM ADVOGADO? - YouTube

Vídeo OFICIAL da música Tonelada de Solidão - part. Ferrugem. Gravado em São Paulo - DVD 10 Anos. Para contratar shows: (67) 99690-4866 [email protected] E aí, estagiários! Nesse vídeo eu separei os 5 temas mais atualizados pra quem quer fazer TCC em Direito Empresarial! Qualquer uma dessas dicas é ótima e pode dar um trabalho digno de nota 10 ;) Cursos completos de qualidade com o Professor Dalmo Azevedo para sua melhor preparação para concursos públicos em geral. Lei 8.666/93 - Aula 9 - Tomada de Pr... Direito Eleitoral e Financiamento de Campanha Instituto Alziras 102 watching Live now Semana Especial Temas Quentes para o Senado Federal: Direito Processual Penal Estratégia Concursos 197 watching O programa Saber Direito apresenta, nesta semana, uma sequência de aulas sobre Direito Tributário. A professora Vivian Oliveira, mestre e doutora no tema, aborda o Imposto sobre a Renda com foco ... Como escolher tema de pesquisa para TCC, mestrado e doutorado na área de direito? Escolher um tema para o projeto de pesquisa científico é um desafio enorme.... Tem mais novidade na programação da TV Câmara. É a estreia do programa “É seu Direito”. Um bate-papo com advogados para levar até você conhecimento, ajudar n...